Sob vaias, São Paulo cede empate ao Cruzeiro no Pacaembu

Com 12 pontos, o São Paulo figura agora na zona intermediária da tabela, após brigar pela ponta nas últimas rodadas

No jogo entre um time que jogava em casa, diante de uma torcida que mais protestou do que apoiou e que acaba de ser eliminado da Copa do Brasil, contra outro que não ganha há cinco jogos e tenta deixar as últimas posições no Brasileirão, o resultado não foi bom para nenhum dos lados. São Paulo e Cruzeiro ficaram no 1 a 1 e continuam obrigados a lidar com suas crises internas.

O jogador Fred do Cruzeiro durante a partida entre São Paulo e Cruzeiro, válida pelo Campeonato Brasileiro 2019, no Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP), neste domingo (2) – Foto: FLAVIO CORVELLO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO/ND

Com 12 pontos, o São Paulo figura agora na zona intermediária da tabela, após brigar pela ponta nas últimas rodadas. E o Cruzeiro soma apenas sete, próximo da zona de rebaixamento.

Antes de a bola rolar, a torcida são-paulina mais uma vez protestou contra dirigentes e jogadores, como aconteceu no sábado, quando eles foram à porta do CT do clube. E novamente os alvos foram o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, e o diretor executivo de futebol, Raí. Além deles, também foram xingados alguns atletas. Reinaldo, Nenê, Jucilei e Hudson foram os mais hostilizados. O técnico Cuca foi poupado das cobranças.

“Muito respeito com a camisa tricolor”, “time de pipoqueiro” e “vamos jogar bola” foram alguns dos gritos entoados pelos são-paulinos. Durante o jogo, os torcedores presentes no Tobogã, onde fica a Torcida Independente, também protestaram, enquanto o restante do estádio apoiou o time.

Ciente da necessidade de vencer em casa para acalmar os ânimos e se manter entre os primeiros colocados na tabela, Cuca resolveu mexer no time e a principal novidade foi a entrada do meia Vitor Bueno, titular pela primeira vez. Mas quem fez a diferença mesmo foi Alexandre Pato, que retornou ao time após ficar no banco de reservas contra o Bahia.

Logo aos 14 minutos, Reinaldo avançou com a bola e deu um belo passe para Pato, que livre na meia-lua, invadiu a área e bateu no canto direito de Fábio, para abrir o placar e dar um calma momentânea aos poucos torcedores presentes no Pacaembu. Além de Pato, quem também brilhou na primeira parte do jogo foi o goleiro Tiago Volpi. Foram pelo menos duas grandes defesas, em tentativas de Romero e de Dedé.

No segundo tempo, o Cruzeiro voltou decidido a buscar o empate e pressionou o São Paulo até conseguir o seu gol. Aos 8 minutos, o árbitro consultou o VAR para analisar um suposto pênalti cometido por Anderson Martins, que teria cortado um chute de Romero com o braço, mas após consultar o vídeo, o foi seguiu normalmente.

Até que aos 22, o Cruzeiro conseguiu o seu objetivo e com direito a um golaço. Hudson fez falta na frente da área, Thiago Neves acertou uma bela cobrança de falta e deixou tudo igual no Pacaembu. Três minutos depois David teve a chance de virar ao sair cara a cara com Volpi, mas o goleiro conseguiu tirar a bola dos pés dos cruzeirense.

E o tempo ia passando e as duas equipes claramente ansiosas para conseguir mais um gol. Após ser pressionado cerca de 25 minutos pressionado, o São Paulo conseguiu passar do meio de campo, mas deu pouco trabalho para Fábio. No outro lado, o Cruzeiro tinha dificuldade em criar oportunidades de gol, mas teve uma grande chance aos 52, com Egídio chutando e Volpi mais uma vez salvando o time. Ao final do jogo, a torcida tricolor voltou a protestar contra o time e seus dirigentes.

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO 1 x 1 CRUZEIRO

SÃO PAULO – Tiago Volpi; Hudson (Igor Vinicius), Bruno Alves, Anderson Martins e Reinaldo; Luan, Tchê Tchê, Hernanes (Igor Gomes) e Vitor Bueno (Marquinhos Calazans); Pato e Toró. Técnico: Cuca

CRUZEIRO – Fábio; Romero, Dedé, Léo e Egídio; Henrique, Ariel Cabral (Lucas Silva), Robinho, Thiago Neves (David) e Marquinhos Gabriel; Fred (Sassá). Técnico: Mano Menezes

GOLS – Alexandre Pato, aos 14 minutos do primeiro tempo; Thiago Neves, aos 22 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS – Robinho, Tchê Tchê, Thiago Neves, Marquinhos Calazans.

CARTÃO VERMELHO – Igor Vinicius.

ÁRBITRO – Braulio da Silva Machado.

RENDA – R$ 297.639,00.

PÚBLICO – 8.517 pagantes.

LOCAL – Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP).