Cinco catarinenses brigam pelo título da Liga Nacional de Futsal

- +
Competição, que completa 25 anos em 2020, foi reformulada para atender ao calendário curto devido à pandemia; JEC/Krona, Jaraguá, Joaçaba, Blumenau e Tubarão representam SC na disputa

A bola pesada vai rolar nas quadras de Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Distrito Federal e São Paulo. As 21 equipes que formam a Liga Nacional de Futsal poderão, finalmente, disputar o tão sonhado título da LNF. No entanto, a tradicional competição vai ser um pouco “diferente” do que os torcedores estão acostumados.

JEC/Krona foi o último catarinense a conquistar o título, em 2017, no Centreventos Cau Hansen – Foto: LNF/Divulgação

Por conta da pandemia e do atraso do calendário que, originalmente, deveria ter iniciado ainda em março, a Liga Nacional alterou a fórmula de disputa que, tradicionalmente, funciona em sistema de ‘pontos corridos’ para definir as equipes que se classificam aos playoffs.

Neste ano, as equipes foram divididas em três grupos regionalizados e Santa Catarina tem cinco representantes lutando pelo título. Dos cinco times, três ainda não sentiram o gostinho do título. Jaraguá é a equipe catarinense com mais títulos se contados os conquistados quando a equipe ainda carregava o nome de Malwee. São quatro troféus na galeria do clube – 2005, 2007, 2008 e 2010.

Já o último título de um catarinense foi, justamente, do maior rival do Aurinegro. O JEC/Krona conquistou a última taça para Santa Catarina, em 2017, depois de bater na trave por anos.

Enquanto os rivais já sabem como é conquistar o Brasil, Joaçaba, Blumenau e Tubarão lutam pelo primeiro título.

Criada em 1996, a Liga Nacional já viu 12 campeões diferentes. A maior campeã é a tradicional equipe da ACBF (Associação Carlos Barbosa de Futsal), com cinco conquistas. O Carlos Barbosa é, ainda, a equipe que mais vezes chegou à final. Além dos cinco títulos, são dois vice-campeonatos para a equipe gaúcha. Atualmente, quem defende a taça é o Pato, que vem de dois títulos seguidos.

O maior goleador da Liga Nacional é um velho conhecido não só do futsal catarinense, mas carrega o peso de ser o maior jogador da modalidade no Brasil. Falcão balançou 396 vezes as redes pelas quadras do país. Manoel Tobias, melhor jogador do mundo durante anos, é o maior artilheiro em uma única edição da Liga. Em 1999, jogando pelo Atlético-MG, Tobias marcou 52 gols.

Maior goleador daLiga Nacional de Futsal, Falcão fez história em Jaraguá – Foto: lnf/dIVULGAÇÃO

A edição que tinha tudo para ser histórica pelos 25 anos da competição foi encurtada em cinco meses. Prevista para iniciar no fim de março, a Liga Nacional começa apenas neste sábado (22) em meio a inúmeras incertezas.

Sem tabela consolidada, o jogo que abre a disputa é entre Campo Mourão e Pato, às 19h. O outro jogo já confirmado acontece no domingo (23), às 11h15, entre Atlântico e Marreco, em Erechim.

De acordo com a assessoria da entidade, a intenção é dar largada à competição com os dois jogos de abertura e, seguir trabalhando em uma tabela de acordo com as liberações de cada estado. Portanto, ainda não há confirmação de novas datas e jogos.

Para viabilizar a maior competição de futsal do país, a LNF deixou a tradicional fórmula de disputa de lado e dividiu as equipes em três grupos regionalizados, o que ameniza os custos para os times e reduz o tempo de deslocamento.

O Grupo A é formado por Carlos Barbosa, Atlântico Erechim, Blumenau, JEC/Krona, Cascavel, Foz Cataratas e Marreco. No Grupo B, que também é dominado pelas equipes do Sul, estão: Joaçaba, Tubarão, Jaraguá, Assoeva, Campo Mourão, Pato e Umuarama. Os times do Sudeste e Centro-Oeste ficaram no Grupo C. São eles: Brasília, Dracena, Minas, Praia Clube, Sorocaba, São José e Corinthians.

Os times de cada grupo se enfrentam em turno e returno e os cinco melhores avançam aos playoffs. Além deles, o sexto melhor colocado entre os três grupos se une às 15 equipes para as oitavas de final.

Pato é o atual bicampeão da Liga Nacional – Foto: LNF/Divulgação

Além de jogos sem público, a LNF definiu protocolos de segurança para evitar a contaminação dos atletas, comissão técnica e profissionais envolvidos na realização das partidas.

Entre as medidas de segurança, além da obrigatoriedade dos clubes de monitoramento de casos confirmados e suspeitos da Covid-19 e consequente notificação à LNF, estão: realização de testes conforme necessário, checagem de sintomas e temperatura, adoção de ambientes ventilados e que permitam o distanciamento, uso obrigatório de máscaras e isolamento em CT ou hotéis de atletas e membros da comissão técnica.

JEC/Krona

JEC/Krona treina no Centreventos com todas as medidas de segurança e aguarda data da estreia – Foto: JEC/Krona/Divulgação

Com 18 participações na Liga Nacional, o JEC/Krona venceu o título uma única vez. O último campeão catarinense da competição teve um ano mágico em 2017, conquistando o título inédito da Liga Nacional, o Estadual e a Taça Brasil.

Depois de bater na trave por anos, a taça foi conquistada em casa, no Centreventos Cau Hansen, mas foi também no palco do primeiro título que o Tricolor amargou o início de uma eliminação dolorosa em 2019. O JEC, que já havia sido eliminado pelo Sorocaba no ano anterior, com um gol na prorrogação, foi goleado por 7 a 0 diante de sua torcida.

A eliminação nas semifinais e o placar elástico fizeram com que a equipe passasse por grande reformulação, tanto entre os jogadores, como na comissão técnica.

Fala, professor

Essa edição da Liga é uma edição diferente, em função da pandemia se transforma em um formato diferente, com três grupos regionalizados. Nosso grupo é muito competitivo, temos duas equipes muito fortes e competitivas do Rio Grande do Sul, Atlântico e Barbosa, temos três paranaenses e é sempre muito difícil jogar no Paraná. E, ainda, um clássico catarinense. É uma diferença de formato de campeonato onde realmente teremos jogos mais acirrados em função dessa mudança, de todo esse ano mais curto que nós teremos. Esperamos um bom ano tanto no Estadual quanto na Liga Nacional. Nós estamos fazendo excelentes treinos, mas os jogos são balizadores para a nossa competição e para a nossa performance. Esperamos que o ano seja muito proveitoso para nós.

Daniel Jr.

Elenco

  • Goleiros: Willian, Dennis, Vini Melo
  • Fixos: Leco, Machado, João Salla e Andrei
  • Alas: Xuxa, Rodriguinho, Caio, Renatinho, Igor Carioca e Crystian
  • Pivôs: Dieguinho, Genaro e Arthur
  • Técnico: Daniel Jr.

Jaraguá

Goleiro João Neto é uma das principais peças da equipe de Lucas Chioro – Foto: Jaraguá/Divulgação

O Jaraguá é o maior campeão catarinense da Liga Nacional. Já são quatro troféus na galeria do Aurinegro, que conquistou o país em 2005, 2007, 2008 e 2010.

A saída da Malwee, principal patrocinadora e que ‘carregava’ o nome da equipe, fez com que a cidade precisasse reformula toda a estrutura da equipe e começar quase do zero. Com orçamento muito mais limitado, a equipe jaraguaense, que tem muita tradição no futsal nacional, começou a caminhar, novamente, para campanhas que pudessem levar novamente o título para a cidade do Norte.

A rivalidade entre Joinville e Jaraguá continua e os embates, sejam eles no Centreventos Cau Hansen, sejam na Arena Jaraguá, são sempre recheados de muita catimba e qualidade.

Em 2019, o Aurinegro terminou a competição na quarta colocação, depois de ser eliminado pelo campeão, Pato.

Fala, professor

Criar uma expectativa para esse resto de temporada é complicado, estamos com um calendário restrito, reduzido que vai nos submeter a três ou quatro jogos semanais. É muito complicado fazer uma periodização sobre calendário e expectativa de equipe e competição porque o atleta vai jogar muito, vai ter desgaste, lesões, suspensões, uma série de circunstâncias que vão afetar na campanha da equipe. Temos elenco reduzido, mas muito qualificado tecnicamente. Conseguimos ter uma equipe que mescla juventude com experiência, sempre com característica ofensiva. Jaraguá é uma equipe muito vencedora, mas devido a tudo isso é complicado pensar sobre a Liga. Quase não treina, quase não se planeja jogo, vai ter que ser na base da superação, um ano que precisamos ser resilientes.

Lucas Chioro

Elenco:

  • Goleiros: João Neto, Gean, Bruno
  • Becks: Igor Mota, Pirulito e Fernando
  • Alas esquerdo: Ruan e Felipe
  • Alas direito: Oitomeia, Bebê, Cabreúva e João Guilherme
  • Pivôs: Jé e Henri
  • Técnico: Lucas Chioro

Joaçaba

O Joaçaba é o atual campeão catarinense e chega para sua quarta temporada de Liga Nacional – Foto: Joaçaba/Divulgação

Depois de anos sem um time de futsal, Joaçaba voltou às quadras em 2013. A estreia na Liga Nacional aconteceu na temporada de 2017. Este será o terceiro ano da equipe do Meio-Oeste na elite do futsal nacional, mas nas quadras catarinenses o Joaçaba já vem fazendo história.

A equipe é a atual campeã estadual e conquistou o título, em 2019, diante do poderoso JEC/Krona, dentro do Centreventos Cau Hansen.

A pré-temporada da equipe começou em fevereiro e, hoje, o técnico Paulinho Sananduva tem  17 atletas à disposição, seis deles remanescentes da temporada passada.

Fala, professor

Por ser um ano atípico, a minha equipe e acredito que as demais terão dificuldades no que a gente chama de ritmo de jogo. Somente com uma sequência teremos essa parte adquirida, tanto no aspecto técnico, tático e no desenvolvimento físico. É um ano diferente, é uma competição com um modelo de disputa diferente e o fator fundamental será buscar as vitórias em casa para se classificar entre os cinco melhores do grupo. Temos uma equipe jovem, que se movimenta bastante, e com qualidade individual, com intensidade. O grupo está muito bem preparado.

Paulinho Sananduva

Elenco:

  • Goleiros: Queixo, Felipe, Mika e Pedro
  • Fixos: Murilo, André e Igor
  • Alas: Antoniazzi, Bruno, Andrezinho, Gregory, Filpinho, Jhony, Bazzinho e Yan
  • Pivôs: Dudi e Kauê
  • Técnico: Paulinho Sananduva

Blumenau

Blumenau fez amistoso contra a Guatemala no início do ano, antes da pandemia – Foto: Blumenau/Divulgação

Fundado em 2017, o Blumenau Futsal é o representante do Vale do Itajaí na Liga Nacional. A equipe comandada pelo técnico Xande iniciou seu caminho na LNF em 2018, quando encerrou a competição com sua melhor colocação até aqui, 11º, e tem o direito adquirido até 2022.

Em 2019, terminou a competição em 19°.

Fala professor

A expectativa inicial é entrar em quadra para competir. Vivemos um momento difícil e a expectativa principal é que as competições aconteçam e que possamos competir dentro de todas as situações em que essa pandemia está nos impondo. Treinamos 16 semanas por vídeo chamada e depois voltamos aos treinamos com todas as restrições e exigências dos órgãos competentes. Após três semanas tivemos uma nova parada, mais 21 dias treinando por vídeo chamada. Essas paradas quebram o ritmo da equipe e sempre que os treinamentos presenciais voltam é um recomeço, um desafio diferente a ser enfrentado a cada dia e com o início das competições os desafios serão maiores ainda.

Xande

Elenco:

  • Goleiros: Ivan, Dudu, Kelwin e Henrique
  • Fixos: Rafinha, Simas e Piva
  • Alas: Diogo, Julian, Rudi, Mika, Alan e Vini
  • Pivôs: Buguinha, Rodrigo Lopes, Dé e Miguel
  • Técnico: Xande

Tubarão

Tubarão aposta em equilíbrio entre ataque e defesa – Foto: Tubarão/Divulgação

Com 13 participações na Liga Nacional, o Tubarão tem uma quinta colocação como a melhor campanha na competição nacional. Em 2019, o time do Sul do Estado faturou a 7ª colocação e foi eliminado pelo rival catarinense, Jaraguá.

Nesta temporada, a equipe aposta em equilíbrio e no bom clima entre jogadores e comissão para tentar lugares mais altos no pódio da competição nacional.

Fala, professor

Muito difícil planejar e projetar alguma coisa nessa temporada pela forma como ela vem desenrolando em virtude do vírus, mas a gente realmente acredita que possa fazer uma grande competição e brigar por coisas grandes lá na frente. Temos uma união, um ambiente de trabalho muito bom, uma ótima estrutura de trabalho e a nossa equipe consegue ter um equilíbrio entre ataque e defesa e esse é o nosso grande ponto.

Thiago Raupp

Elenco:

  • Goleiros: Marcinho, Henrique e Gustavo Pagliari
  • Fixos: Ferrugem, Julio César, Rigotti e Passamani
  • Alas: Serginho, Vandinho, Pixote, Cassemiro, Caetano, Lucas Rosenski e Suelton
  • Pivôs: Pakito, Ronaldo e Maico
  • Técnico: Thiago Raupp