Dia de Combate à Obesidade: especialista comenta riscos da doença

Como definir obesidade?
A obesidade é calculada por meio do IMC (Índice de massa corporal), que é obtido pela divisão do peso, medido em quilogramas, pela altura ao quadrado, que é medida em metros. “O excesso de peso é diagnosticado quando esse valor do IMC é superior a 30 kg/m². Existem outras definições, que utilizam, por exemplo, a composição corpórea, mas o IMC é mais usado”, comenta Schreiber. Pesquisas do Ministério da Saúde como a Vigitel, usam o índice para definir a obesidade. - Pixabay/Divulgação/ND

Como definir obesidade? A obesidade é calculada por meio do IMC (Índice de massa corporal), que é obtido pela divisão do peso, medido em quilogramas, pela altura ao quadrado, que é medida em metros. “O excesso de peso é diagnosticado quando esse valor do IMC é superior a 30 kg/m². Existem outras definições, que utilizam, por exemplo, a composição corpórea, mas o IMC é mais usado”, comenta Schreiber. Pesquisas do Ministério da Saúde como a Vigitel, usam o índice para definir a obesidade. - Pixabay/Divulgação/ND

Qual a importância da prática de atividades físicas?
“A atividade física funciona como uma medicação forte. Ela evita o aumento de peso crônico, melhora o bem-estar, aumenta a serotonina e diminui o risco de desenvolvimento de diversas doenças”, afirma Schreiber. A última pesquisa Vigitel mostrou que nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal a média de adultos que praticam 150 minutos de atividade física moderada por semana variou entre 31 e 47%. Florianópolis teve o melhor desempenho entre as cidades, com um resultado de 54%, acima da média geral. - Pixabay/Divulgação/ND

Qual a importância da prática de atividades físicas? “A atividade física funciona como uma medicação forte. Ela evita o aumento de peso crônico, melhora o bem-estar, aumenta a serotonina e diminui o risco de desenvolvimento de diversas doenças”, afirma Schreiber. A última pesquisa Vigitel mostrou que nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal a média de adultos que praticam 150 minutos de atividade física moderada por semana variou entre 31 e 47%. Florianópolis teve o melhor desempenho entre as cidades, com um resultado de 54%, acima da média geral. - Pixabay/Divulgação/ND

Como evitar a obesidade infantil?
No Brasil, 13% dos meninos e 10% das meninas entre 5 e 19 anos sofrem com obesidade ou sobrepeso, de acordo com o Ministério da Saúde. “A gente precisa fazer com que as crianças entendam a importância da alimentação saudável”, recomenda Cristina. Ela acredita que o estímulo a alimentação saudável nas escolas e pelos pais é fundamental. “As leis de diretrizes e bases da educação já incluem o estudo da alimentação e do autocuidado. Mas é importante também que os pais estejam conscientizados, pois quem compra a comida para as crianças são eles”, afirma. - Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Como evitar a obesidade infantil? No Brasil, 13% dos meninos e 10% das meninas entre 5 e 19 anos sofrem com obesidade ou sobrepeso, de acordo com o Ministério da Saúde. “A gente precisa fazer com que as crianças entendam a importância da alimentação saudável”, recomenda Cristina. Ela acredita que o estímulo a alimentação saudável nas escolas e pelos pais é fundamental. “As leis de diretrizes e bases da educação já incluem o estudo da alimentação e do autocuidado. Mas é importante também que os pais estejam conscientizados, pois quem compra a comida para as crianças são eles”, afirma. - Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Como a obesidade interfere na vida da criança?
“A obesidade interfere muito na vida das crianças em longo prazo, principalmente por que elas podem desenvolver diabetes tipo 2. A gente tem o senso comum de que obesidade é apenas uma questão estética, mas temos muita dificuldade em reduzir as doenças que aparecem em consequência dela”, comenta Cristina. A diabetes tipo 2 afeta a forma como o corpo metaboliza a glicose e é considerada crônica. - Arquivo/Agência Brasil/Divulgação/ND

Como a obesidade interfere na vida da criança? “A obesidade interfere muito na vida das crianças em longo prazo, principalmente por que elas podem desenvolver diabetes tipo 2. A gente tem o senso comum de que obesidade é apenas uma questão estética, mas temos muita dificuldade em reduzir as doenças que aparecem em consequência dela”, comenta Cristina. A diabetes tipo 2 afeta a forma como o corpo metaboliza a glicose e é considerada crônica. - Arquivo/Agência Brasil/Divulgação/ND

Quais doenças a obesidade pode causar?
“A obesidade pode causar infarto, AVC (Acidente Vascular Cerebral ) e aumenta o risco do desenvolvimento de câncer como o de mama e próstata. Temos também a hipertensão e problemas articulares causados pela diminuição da mobilidade”, afirma Cristina. - Pixabay/Divulgação/ND

Quais doenças a obesidade pode causar? “A obesidade pode causar infarto, AVC (Acidente Vascular Cerebral ) e aumenta o risco do desenvolvimento de câncer como o de mama e próstata. Temos também a hipertensão e problemas articulares causados pela diminuição da mobilidade”, afirma Cristina. - Pixabay/Divulgação/ND

Podemos dizer que existe o melhor tratamento da obesidade?
“O melhor tratamento para a obesidade é aquele feito por uma equipe multiprofissional. Quando o paciente está com o IMC superior a 30, ele precisa ter o acompanhamento de um endocrinologista e de um educador físico, por exemplo”, afirma Cristina. A endocrinologista afirma ainda que é necessário que se siga os estudos mais recentes e as recomendações do Ministério da Saúde. - Pixabay/Divulgação/ND

Podemos dizer que existe o melhor tratamento da obesidade? “O melhor tratamento para a obesidade é aquele feito por uma equipe multiprofissional. Quando o paciente está com o IMC superior a 30, ele precisa ter o acompanhamento de um endocrinologista e de um educador físico, por exemplo”, afirma Cristina. A endocrinologista afirma ainda que é necessário que se siga os estudos mais recentes e as recomendações do Ministério da Saúde. - Pixabay/Divulgação/ND

Últimas notícias