Tire suas dúvidas sobre a prevenção contra o sarampo

O que é o sarampo?
Sarampo é uma doença respiratória causada pelo vírus Measles morbillivirus. A enfermidade é altamente transmissível, sendo que uma pessoa infectada pode transmitir o sarampo para outras 18. Os sintomas iniciais podem ser confundidos com uma gripe comum, pois são caracterizados por febre, dores no corpo e coriza. A vermelhidão na pele aparece quando a doença já está em estágio mais avançado. Em casos graves o sarampo pode causar pneumonia, cegueira, encefalite, desidratação e morte. - Ministério da Saúde/Divulgação

O que é o sarampo? Sarampo é uma doença respiratória causada pelo vírus Measles morbillivirus. A enfermidade é altamente transmissível, sendo que uma pessoa infectada pode transmitir o sarampo para outras 18. Os sintomas iniciais podem ser confundidos com uma gripe comum, pois são caracterizados por febre, dores no corpo e coriza. A vermelhidão na pele aparece quando a doença já está em estágio mais avançado. Em casos graves o sarampo pode causar pneumonia, cegueira, encefalite, desidratação e morte. - Ministério da Saúde/Divulgação

Como o sarampo é transmitido? Altamente contagiosa, a doença se espalha facilmente pelo ar através da respiração, tosse ou espirros. Segundo a Dive/SC (Diretoria de Vigilância Epistemológica) uma pessoa com sarampo pode transmitir o vírus para uma média de 12 a 18 pessoas não vacinadas. - Marcelo Camargo/Agência Brasil/ND

Como o sarampo é transmitido? Altamente contagiosa, a doença se espalha facilmente pelo ar através da respiração, tosse ou espirros. Segundo a Dive/SC (Diretoria de Vigilância Epistemológica) uma pessoa com sarampo pode transmitir o vírus para uma média de 12 a 18 pessoas não vacinadas. - Marcelo Camargo/Agência Brasil/ND

Sarampo pode causar pneumonia? Uma das complicações do sarampo em crianças e adultos é a pneumonia. Segundo uma estimativa da Dive, uma a cada 20 crianças podem desenvolver a doença, que é mais letal entre os eles. - Tomaz Silva/Agência Brasil/Divulgação/ND

Sarampo pode causar pneumonia? Uma das complicações do sarampo em crianças e adultos é a pneumonia. Segundo uma estimativa da Dive, uma a cada 20 crianças podem desenvolver a doença, que é mais letal entre os eles. - Tomaz Silva/Agência Brasil/Divulgação/ND

A vacina é a única maneira de se prevenir do sarampo? Verdade. A vacina é a única forma de prevenir o sarampo. Duas vacinas previnem a doença, são elas: a tríplice viral e a tetra viral. - Marcelo Camargo/Agência Brasil

A vacina é a única maneira de se prevenir do sarampo? Verdade. A vacina é a única forma de prevenir o sarampo. Duas vacinas previnem a doença, são elas: a tríplice viral e a tetra viral. - Marcelo Camargo/Agência Brasil

Com quantos anos se deve tomar a vacina que previne o sarampo? Funciona diferente para as duas vacinas. No caso da tríplice viral, a primeira dose deve ser tomada com um ano. Já para a tetra viral, que protege também contra o sarampo, caxumba, rubéola e catapora, a dose única deve ser tomada aos 15 meses de idade. - Fernando Frazão/Agência Brasil/ND

Com quantos anos se deve tomar a vacina que previne o sarampo? Funciona diferente para as duas vacinas. No caso da tríplice viral, a primeira dose deve ser tomada com um ano. Já para a tetra viral, que protege também contra o sarampo, caxumba, rubéola e catapora, a dose única deve ser tomada aos 15 meses de idade. - Fernando Frazão/Agência Brasil/ND

E quem perdeu a carteira de vacinação ou não sabe se tomou a dose? Pessoas com idade entre 1 e 29 anos devem receber duas doses da vacina do sarampo. Pessoas na faixa etária entre 30 e 49 anos devem tomar apenas uma dose. Em caso de esquecimento ou perda do cartão de vacinação, o que se deve fazer é recorrer a um posto de saúde. - Arquivo/Agência Brasil/ Divulgação/ ND

E quem perdeu a carteira de vacinação ou não sabe se tomou a dose? Pessoas com idade entre 1 e 29 anos devem receber duas doses da vacina do sarampo. Pessoas na faixa etária entre 30 e 49 anos devem tomar apenas uma dose. Em caso de esquecimento ou perda do cartão de vacinação, o que se deve fazer é recorrer a um posto de saúde. - Arquivo/Agência Brasil/ Divulgação/ ND

Onde tomar a vacina? As vacinas contra o sarampo estão disponíveis nos postos de vacinação. Em Santa Catarina, mais de 1.000 salas de vacinação estão espalhadas pelos 295 municípios catarinenses. - Antonio Cruz/ Agência Brasil/ND

Onde tomar a vacina? As vacinas contra o sarampo estão disponíveis nos postos de vacinação. Em Santa Catarina, mais de 1.000 salas de vacinação estão espalhadas pelos 295 municípios catarinenses. - Antonio Cruz/ Agência Brasil/ND

O Brasil vive um surto da doença? Não. Alguns estados brasileiros registram surtos da doença segundo o Ministério da Saúde. São eles: São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Paraná, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Piauí, Maranhão, Goiás, Pernambuco, Caruaru e Sergipe. Em Santa Catarina, foram registrados dez casos confirmados da doença até o momento. - OMS/Opas

O Brasil vive um surto da doença? Não. Alguns estados brasileiros registram surtos da doença segundo o Ministério da Saúde. São eles: São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Paraná, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Piauí, Maranhão, Goiás, Pernambuco, Caruaru e Sergipe. Em Santa Catarina, foram registrados dez casos confirmados da doença até o momento. - OMS/Opas

Aumento nos casos de Sarampo gera alerta nas secretarias de saúde - Reprodução/RICTV Record TV

Aumento nos casos de Sarampo gera alerta nas secretarias de saúde - Reprodução/RICTV Record TV

O que é bloqueio vacinal? O método consiste em vacinar em até 72h todas as pessoas que tiverem contato com uma pessoa identificada com sarampo. O Ministério da Saúde orientou estados e municípios a utilizarem o método de bloqueio vacinal em localidades com surto ativo. - Tomaz Silva/Agência Brasil

O que é bloqueio vacinal? O método consiste em vacinar em até 72h todas as pessoas que tiverem contato com uma pessoa identificada com sarampo. O Ministério da Saúde orientou estados e municípios a utilizarem o método de bloqueio vacinal em localidades com surto ativo. - Tomaz Silva/Agência Brasil

Últimas notícias