Conheça 6 espumantes da serra catarinense que você precisa provar

Santa Catarina embarcou na produção e no consumo de espumantes e o resultado estimula os produtores

O consumo de espumantes cresceu muito nos últimos anos no Brasil. Antes, as pessoas associavam o vinho a festas; hoje, o brasileiro toma espumante no dia a dia, como faz com os vinhos tranquilos.

O clima tropical favorece esse consumo. Santa Catarina embarcou na produção e no consumo de espumantes. E o resultado estimula os produtores.

Espumante catarinense, a Vinícola Suzin está localizada em São Joaquim – Foto: Paulinho Sefton/Vinícola Suzin/DivulgaçãoEspumante catarinense, a Vinícola Suzin está localizada em São Joaquim – Foto: Paulinho Sefton/Vinícola Suzin/Divulgação

O que é o espumante?

O espumante é um vinho que passa por duas fermentações. A primeira, para elaborar o vinho base; a segunda para gerar, no vinho base, as bolhas. Quando a segunda fermentação acontece na garrafa, o método, típico de Champagne, é chamado de Champenoise. Esse processo gera espumantes estruturados e intensos.

Quando a segunda fermentação ocorre em grandes tanques herméticos, chamados autoclaves, o método é o Charmat, cujos espumantes são mais leves e frescos. Para gerar a segunda fermentação, é adicionado ao vinho-base fermento e açúcar.

Essa fermentação gera gás carbônico, no caso as bolinhas, que ficam diluídas no vinho. Quando a garrafa é aberta, forma-se o pérlage, com a precipitação das bolhas.

Os pioneiros

Os primeiros espumantes das altitudes catarinenses foram feitos com uvas Cabernet Sauvignon e Merlot, majoritárias, à época, nos vinhedos dos campos elevados. Esses espumantes apresentavam, inicialmente, uma nota vegetal acentuada, típica das castas não totalmente maduras.

A correção do problema foi feita principalmente no campo, conta o enólogo da Vinícola Pericó, Jefferson Sancineto. Aos poucos foram sendo utilizadas também outras uvas na elaboração, como a Chardonnay e a Pinot.

E nasceram espumantes rosados feitos de outras variedades, como a Malbec e a Sangiovese. O resultado das mudanças aparece hoje em espumantes frescos e frutados.

Uma aposta que deu certo

“Quando fizemos o Stellato, em 2007, não divulgamos o espumante porque não apostamos muito nele”, conta Elisabeth Binotto, ex-comandante da então vinícola Santo Emílio, hoje Vinícola Urupema.

O Stellato, um espumante pioneiro nas altitudes, só foi lançado em 2008, quase junto com o Cave Pericó, outro precursor na região. Hoje, quase todas as vinícolas de altitude e aquelas que produzem vinhos finos nas demais regiões do estado investem em espumantes. E as vendas são crescentes, segundo os produtores.

Provei alguns espumantes elaborados em Santa Catarina. Veja as notas de prova:

Urupema Stellato Brut Rosé | Vinícola Urupema

Urupema está a 212 quilômetros de Florianópolis. Acesso via BR-282.

Uvas Cabernet Sauvignon e Merlot. Método Charmat. Cor rosa claro. Pérlage fino, com boa intensidade. Aromas de frutas vermelhas frescas, morango, framboesa, sutis notas florais. Gostoso na boca, fresco e frutado, fácil de beber.

Cave Pericó Brut Branco | Vinícola Pericó

São Joaquim está a 234 quilômetros de Florianópolis. Acesso via SC-110 e BR-282.

70% Chardonnay, 20% Cabernet Sauvignon, 10% Merlot. Método Charmat longo (mínimo quatro meses em autoclaves). Pérlage fino e de boa intensidade. Cor amarelo palha. Aromas cítricos e de frutas brancas, maçã, pêra. Boa cremosidade, frutado no paladar.

Quinta da Neve Rosé Brut | Quinta da Neve

São Joaquim está a 234 quilômetros de Florianópolis. Acesso via SC-110 e BR-282.

Sangiovese, Pinot Noir e Chardonnay. Amadurecimento de seis meses em autoclaves, método Charmat longo, mais seis meses em garrafas. Pérlage fino, intenso. Aromas de frutas vermelhas, framboesa, morango, leve toque floral. Cremoso no paladar, boa acidez, final de boca gostoso.

Suzin Espumante Brut Rosé 2019 | Vinícola Suzin

São Joaquim está a 234 quilômetros de Florianópolis. Acesso via SC-110 e BR-282.

Malbec e Merlot. Método Charmat. Cor rosa clara. Pérlage fino com boa intensidade. Gostosos aromas de frutas brancas e vermelhas, morango, framboesa, pêssego, toques cítricos. Acidez, corpo e persistência agradáveis.

Abreu Garcia Festividad Brut | Vinícola Abreu Garcia

Campo Belo do Sul está a 287 quilômetros de Florianópolis. Acesso via BR-282.

85% Chardonnay, 15% de Pinot Noir. Método Champenoise. Amadurecimento de pelo menos 12 meses na garrafa. Cor amarelo palha. Pérlage fino. Aromas de frutas brancas, maçã, notas cítricas, toques de pão e amendoados. Cremoso na boca, agradável frescor e boa persistência.

Villa Francioni Branco Nature | Villa Francioni

São Joaquim está a 234 quilômetros de Florianópolis. Acesso via SC-110 e BR-282.

100% Chardonnay. Método Champenoise. Amadurecimento de 24 meses em garrafa. Cor amarela dourada, pérlage fino e persistente. Aromas de frutas amarelas, abacaxi, notas cítricas, de pão torrado, toques amendoados, mel. Cremoso e fresco na boca, acidez firme, persistente no paladar.

San Michele Brut 48 meses | Vinícola San Michele

Rodeio está a 186 quilômetros de Florianópolis. Acesso via BR-101 e BR-470.

100% Chardonnay da serra catarinense. Método Champenoise, com 48 meses de amadurecimento na garrafa. Cor amarelo palha com reflexos dourados. Pérlage fino e intenso. Aromas de frutas brancas, maçã, notas florais, de panificação, toque amendoado. Cremoso no paladar, fresco e intenso.

Explore mais conteúdos da cidade