Marcos Cardoso

A sociedade da Grande Florianópolis, os eventos culturais e as tradições da região analisadas pelo experiente jornalista Marcos Cardoso.


Conheça o empresário que trouxe a típica cozinha portuguesa para a Ilha de Santa Catarina

Restaurante Solar de Sintra participa do Festival Floripa Gourmet, que prossegue até este domingo (6)

João Henrique saiu de Portugal para se instalar em Florianópolis – Foto: Reprodução ND Mais/NDJoão Henrique saiu de Portugal para se instalar em Florianópolis – Foto: Reprodução ND Mais/ND

Natural do Concelho de Sintra, João Henrique Cristóvão Franco deixou Portugal quando o país enfrentava grave crise econômica para empreender no Brasil. Ele e a chef Andréia de Paula, cuiabana que trabalhava em um restaurante da família dele, com quem foi casado e tem um filho, escolheram Florianópolis, cidade que não conheciam, para abrir uma casa de comida portuguesa. Assim, surgiu em fevereiro de 2009 a Marisqueira Sintra, em Santo Antônio de Lisboa. Nove anos depois, em março, ele abriu no SC 401 Square Corporate outro restaurante, o Solar de Sintra, que participa até este domingo do Festival Floripa Gourmet.

Por que resolveram vir para o Brasil, especificamente Florianópolis?

A vinda para o Brasil coincidiu com uma das maiores crises econômicas em Portugal, nos anos 2008 a 2010. Nenhum de nós conhecia Florianópolis. Então, mesmo sendo ela de Cuiabá, começamos a percorrer o Brasil de Norte a Sul para encontrar uma cidade de litoral que fosse um pouco parecido com a região de onde eu sou (Sintra). Florianópolis foi uma cidade que me cativou muito.

Enquanto a cozinha da Marisqueira está sob comando da chef Andréia, o Solar tem à frente, desde o início, o chef António Mestre. Ele veio para a cidade especialmente para trabalhar contigo?

O António também é português, natural de uma localidade de Ericeira, perto de Ribeira d’ilhas, onde se efetua os campeonatos do mundo de surfe e também bem pertinho de Sintra. A vinda do António para o Solar é uma história bem linda, pois andei com ele ao colo e vivi com ele até a idade de oito, nove anos dele, e que nos viemos encontrar aqui no Brasil ao fim de 25 anos.

António Mestre, chef de cozinha do Solar de Sintra – Foto: Heitor Pergher/Divulgação/NDAntónio Mestre, chef de cozinha do Solar de Sintra – Foto: Heitor Pergher/Divulgação/ND

Por que abrir restaurantes semelhantes em endereços tão próximos?

Não tem muita semelhança, independentemente dos dois serem de comida típica portuguesa. Enquanto a Marisqueira está mais focada em frutos do mar, peixes, bacalhaus, o Solar, além destes produtos, tem também muitos pratos de carne bem típicos em Portugal, como o cordeiro, o cabrito e o bem conhecido leitão típico da Bairrada, que é umas das maravilhas gastronômicas da Mealhada, região da Bairrada. O porquê nesta localização, quando me apresentaram este projeto [Square Corporate], acreditei muito nele, não só pela localização, como pelas infraestruturas.

Há intenção de ampliar o atendimento com a abertura de mais casas na cidade?

Nunca sabemos o dia de amanhã, e para mim não existe a palavra “nunca”.

>>> Confira os cardápios promocionais para almoço e jantar no Solar de Sintra, que participa do Festival Floripa Goumert até o dia 6 de dezembro.

Sintra, como quase Portugal inteiro, é famosa também por sua gastronomia. Quais são os pratos mais característicos de lá que estão nas mesas dos teus restaurantes?

Praticamente quase todo o cardápio que tenho no Solar.

Solar de Sintra, restaurante português no bairro Saco Grande – Foto: Tripadvisor/Divulgação/NDSolar de Sintra, restaurante português no bairro Saco Grande – Foto: Tripadvisor/Divulgação/ND

Os cardápios tentam seguir à risca a receita original portuguesa ou misturam ingredientes locais para a criar novas versões?

A efetivação do cardápio, normalmente, é com os produtos que se faz em Portugal. Mas não quer dizer que não possamos, por vezes, alterar um pouco os pratos na vontade do cliente, pois nossa cozinha é bem flexível para isso.

Quais produtos são trazidos de Portugal?

Vinhos, azeite, bacalhau, algumas bebidas especiais para fazer alguns tipos de molhos e doces, azeitonas, queijos da Serra da Estrela, enchidos…

Risoto de cordeiro e cogumelos, um dos pratos que integram o Festival Floripa Gourmet – Foto: Heitor Pergher/NDRisoto de cordeiro e cogumelos, um dos pratos que integram o Festival Floripa Gourmet – Foto: Heitor Pergher/ND

Cozinhas também ou só cuidas da administração, escolha dos produtos e fornecedores?

Faço um pouco de tudo, menos cozinhar… só provo as comidas para dar o meu OK.

A arquitetura e a decoração da Marisqueria e do Solar contêm vários elementos típicos da cultura lusa. A ideia é reproduzir o ambiente de uma casa portuguesa com fidelidade ou apenas compô-lo com referenciais?

A ideia foi sempre referenciar a minha terra (Sintra), não só pelo artesanato, como pela apresentação das pinturas dos palácios.

Referência a Sintra aparece em diversos detalhes – Foto: Tripadvisor/Divulgação/NDReferência a Sintra aparece em diversos detalhes – Foto: Tripadvisor/Divulgação/ND

Que importância tem para o setor gastronômico eventos como o Festival Floripa Gourmet?

Principalmente no que diz respeito ao Solar de Sintra, foi uma forma de dar mais a conhecer aos clientes, mas normalmente estes eventos são muito interessantes para que os próprios restaurantes possam apresentar a sua gastronomia com preços interessantes.

>>> Assista ao vídeo com o convite de João Henrique para conhecer o menu especial do Solar de Sintra durante o Festival Floripa Gourmet: