Pão & Vinho

Conheça os tipos de vinho, as características de cada um, as maneiras de harmonizar a bebida com as mais variadas refeições.


Veja vinhos que combinam com a brasileiríssima feijoada

É possível combinar alguns diferentes estilos de vinhos com o preparo, que muito estruturado e rico em untuosidade e gorduras

O brasileiro adora feijoada. É o prato oficial do sábado, principalmente no inverno, em bares e restaurantes, em várias partes do país. Os companheiros clássicos da feijoada são a caipirinha e a cerveja bem gelada. É cultural. Mas muita gente me pergunta se pode acompanhar a feijoada com vinho. A resposta é direta: pode, claro. E aí me perguntam em seguida: que vinho?

Feijoada é um prato rústico. Um preparo com sabor marcante e muito estruturado. Leva feijão, que tende ao doce, por causa do amido, e a um leve amargor. Tem carne de porco, também com tendência doce; carne seca, com lembrança do sal; costelinha e lombo defumados. Pode levar orelha pé de porco. Acompanha couve, arroz, laranja. Um conjunto cuja soma gera sabores marcantes e intensos. Além disso, é um preparo rico em gorduras, das carnes, e untuosidade, do caldo do gordo do feijão. Muitas vezes, tem um leve toque de pimenta. Não é um preparo para vinhos leves.

Tintos de personalidade são companheiros da feijoada. Vinhos da uva Baga, produzidos na Bairrada, em Portugal. Tintos de Tannat, elaborados no vizinho Uruguai ou na região de Madiran, na França. Um bom Priorat espanhol. Um intenso Carménère chileno. E por que não um Barolo italiano? Ou ainda um Sagrantino di Montefalco, rico em acidez e taninos? Todos esses vinhos têm em comum a ótima acidez, que desfaz as gorduras e lava a untuosidade no paladar. E excelentes taninos, que enxugam a boca e a deixam pronta para a próxima garfada. Além disso, são vinhos intensos, capazes de fazer frente a todos os sabores da feijoada.

Um caminho adotado por muitos apreciadores é combinar a feijoada com um tinto seco da uva Lambrusco. Típico da Emilia Romagna, ele não é um vinho estruturado. Mas os moradores da região não se preocupam com isso. A comida lá tem muita personalidade. E os vinhos acabam exercendo mais uma função de limpeza do paladar do que de perfeita combinação gustativa. O Lambrusco tem perlage, as bolinhas típicas de vinhos espumantes ou frisantes. Essas bolinhas, aliadas à boa acidez dos vinhos, fazem uma bela limpeza do paladar, livram a boca das gorduras da feijoada. E como o vinho é servido gelado, ele refresca o conjunto.

Baseado na combinação acima, há uma tendência crescente, no Brasil, principalmente no verão, de combinar feijoada com espumantes intensos, brancos e rosés. Assim como o Lambrusco, os espumantes têm bolinhas, capazes de limpar o paladar. Gustativamente, ficam devendo um pouco ao sabor marcante da feijoada. Mas refrescam o paladar, fazendo um outro tipo de harmonização, bem tropical. É uma combinação com cara de Brasil.

Conheça um tinto de excelente custo x benefício para acompanhar feijoada:

Kompassus 2013 – Kompassus – Bairrada DOC – Portugal
70% Baga, 20% Touriga Nacional, 10% de outras castas tradicionais. Passagem de 4 meses por barricas de carvalho para a Touriga Nacional. Aromas de frutas negras, cogumelos, terroso, sutil toque floral. Fresco no paladar, redondo, taninos presentes e finos (Decanter).