Alargamento da faixa de areia salvou temporada na praia de Canasvieiras

Com mais espaço, balneário do Norte da Ilha teve incremento de 30% na movimentação financeira em relação ao ano passado

A inédita obra de alargamento da faixa de areia de Canasvieiras garantiu um incremento de 30% na movimentação financeira durante a temporada no Norte da Ilha.  Entregue na primeira semana de janeiro, a obra proporcionou espaço de sobra para turistas, moradores e comerciantes aproveitarem a alta temporada no balneário mais visitado da Capital.

Turistas seguem aproveitando a nova faixa de areia de Canasvieiras. Foto: Cristiano Rigo Dalcin/NDTuristas seguem aproveitando a nova faixa de areia de Canasvieiras. Foto: Cristiano Rigo Dalcin/ND

O número foi levantado por lideranças comunitárias que ajudaram a Prefeitura de Florianópolis a executar uma reinvindicação da comunidade que já durava 30 anos.  “A obra teve aceitação unânime. Todo mundo agradece pelo que foi feito e quem criticou, parou de criticar”, ressalta o advogado e presidente do Codeni, Luiz Cesar Costa.

A obra modificou completamente o cenário da orla de Canasvieiras ao longo de 2,3 mil metros de extensão. Antes do alargamento, alguns pontos da orla tinham apenas dois metros de largura. Após o alargamento, são cerca de 50 metros de largura, que poderão ser reduzidos para 35 após a estabilização da bancada de areia. “Hoje sobra espaço na praia de Canasvieiras e houve até uma regulamentação para que bares e restaurantes possam ocupar espaço na beira da praia”, salienta Costa.

Para o diretor geral da ACIF Canasvieiras, Simoney Nascimento, a obra do alargamento supriu a ausência dos turistas argentinos que não compareceram como em outras épocas, a exemplo do ano passado, por motivos financeiros. “Se não fosse o alargamento, com certeza teríamos a pior temporada dos últimos anos. Além do espaço, houve muita curiosidade”, comenta.

Nova faixa de areia da praia de Canasvieiras. Foto: Flávio Tin/NDNova faixa de areia da praia de Canasvieiras. Foto: Flávio Tin/ND

Segundo Nascimento, a obra também está propiciando uma mudança no perfil do público frequentador da praia.  “É um pessoal de maior poder aquisitivo, pois a obra valorizou os imóveis e tem muita gente vindo investir por aqui”, afirma.

Proprietário do Roberto Monteiro Apart Hotel, Claudio Monteiro, confirma as informações de Costa e Nascimento. “Se não tivesse o alargamento, teria dado metade do movimento que deu. Muita gente veio só para conhecer o alargamento e hóspede que recebo há sete anos ficaram encantados”, conta Monteiro, utilizando o adjetivo mais usado pelos “hermanos” diante da obra.

Novos projetos estão em andamento

Até a conclusão da obra de alargamento da faixa de areia de Canasvieiras, a Prefeitura de Florianópolis não havia registrado nenhum pedido semelhante.  Com o novo cenário, a possibilidade já se tornou real para as comunidades dos Ingleses e Jurerê, além da Avenida Beira Mar Norte após o projeto de despoluição executado em conjunto com a Casan.

“Essas comunidades não imaginavam pedir essa obra porque não acreditavam”, comenta o o secretário municipal de Infraestrutura, Valter Gallina.  Dos projetos de engordamento da faixa de areia, o da Avenida Beira Mar Norte é o mais adiantado. “Estamos estudando os projetos para fazer o engordamento nos Ingleses (parte sul) e Jurerê, mas o projeto da Beira Mar Norte já está em execução e deverá ser concluído no segundo semestre”, revelou Gallina.

Faixa de areia de Jurerê. Foto: Gabriel Lain/NDFaixa de areia de Jurerê. Foto: Gabriel Lain/ND

Apesar disso, moradores das localidades de Jurerê e Ingleses já estão sendo consultados pelo Codeni sobre a obra. No final do mês de fevereiro uma reunião foi realizada em Jurerê, com a participação de representantes da Floram, e um encontro com moradores dos Ingleses está agendado para o mês de abril.

Segundo Gallina, cada uma das três obras deverá movimentar uma quantidade de 400 mil metros cúbicos de areia, o que faz com tenham um custo aproximado da obra de Canasvieiras, da ordem de R$ 10,5 milhões. Em Jurerê, por exemplo, até a jazida utilizada para a obra de Canasvieiras poderá ser aproveitada, diante das condições semelhantes da areia dos dois balneários.

Já na Armação, no Sul da Ilha, a situação é diferente, principalmente devido ao orçamento de R$ 110 milhões. De acordo com Gallina, a praia poderá ter um engordamento natural de areia a partir de um trabalho de desassoreamento do Rio Sangradouro e a construção de um molhe.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

+

Infraestrutura