Coleta de lixo em Florianópolis deve ser normalizada até quinta-feira

Empresa contratada pela prefeitura realiza a coleta durante a greve dos trabalhadores da Comcap; caminhões sofreram novos ataques nesta segunda-feira (25)

A prefeitura municipal de Florianópolis espera normalizar a coleta de lixo na cidade até a próxima quinta-feira (28). Desde terça-feira (19), caminhões de uma empresa contratada pela prefeitura rodam pelas ruas da Capital para fazer a coleta do lixo acumulado.

Lixo em frente à Câmara de Vereadores Florianópolis – Foto: Divulgação/NDLixo em frente à Câmara de Vereadores Florianópolis – Foto: Divulgação/ND

De acordo com o diretor da Comcap, Lucas Arruda, nesta primeira semana, a empresa contratada emergencialmente atuou na coleta da cidade com aproximadamente 30% de cobertura.

No último final de semana, a capacidade da coleta aumentou para 70% com a chegada de 13 novos caminhões, vindos de São Paulo. Ao todo, 21 caminhões atuam na coleta dos resíduos. A expectativa da prefeitura é de alcançar, nos próximos dias, 100% da cobertura.

Greve na Comcap

A greve dos trabalhadores da Comcap (Autarquia de Melhoramentos da Capital), que começou no dia 18 de janeiro, afetou a coleta em toda a cidade. Nesta segunda-feira (25), a categoria aprovou por unanimidade em assembleia, a continuidade da greve.

Paralelo a isso, as chuvas constantes agravaram ainda mais a situação. Praticamente todos os bairros apresentam acúmulo de lixo em frente às casas, condomínios e estabelecimentos comerciais.

O diretor da Comcap informou ainda que o plano é recuperar a coleta que ficou afetada com a paralisação dos trabalhadores. Segundo ele, desde a deflagração da greve, cerca de 2,5 mil toneladas de lixo ficaram acumuladas pela cidade.

“Por isso a prefeitura tomou providências e contratou mais caminhões, que já iniciaram os trabalhos no sábado (23). Já colocamos todas as equipes operacionais para apoiar na limpeza. Neste momento, o plano é recuperar toda a coleta de lixo e até quinta-feira estar tudo regularizado”, afirmou Arruda.

Contraponto

Em nota dirigida ao prefeito da Capital, Gean Loureiro, os trabalhadores da Comcap afirmam que estão em greve contra o projeto da prefeitura que ameaçaria os empregos da categoria.

O texto foi divulgado no Facebook do Sintrasem (Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Florianópolis) neste domingo. 

Trabalhadores da Comcap estão em greve desde o dia 18 de janeiro – Foto: Sintrasem/Divulgação/NDTrabalhadores da Comcap estão em greve desde o dia 18 de janeiro – Foto: Sintrasem/Divulgação/ND

A nota destaca a importância dos trabalhadores da Comcap neste momento de crise provocada pela chuva ininterrupta que assola a cidade.

Diz ainda que são esses trabalhadores os responsáveis pela limpeza de valas, pelo recolhimento de detritos em deslizamentos, entre outras funções.

De acordo com o documento, não há justificativa plausível para que o projeto corra em regime de urgência.

“Gean: os trabalhadores da Comcap trabalham e sempre trabalharam por Floripa. São 45 anos garantindo o serviço de qualidade a toda a cidade. Retire o projeto de tramitação que a categoria volta imediatamente ao serviço.”, conclui a nota.

Ataques a caminhões

Na madrugada desta segunda, foram registradas novas tentativas de ataques a caminhões da coleta de lixo em Florianópolis. A informação foi divulgada pela prefeitura.

Conforme o Executivo, além das tentativas de arrancar fios dos veículos para paralisar os equipamentos, alguns caminhões também foram atingidos por “miguelitos”, que são formados por pregos e posicionados na estrada para furar os pneus.

Miguelitos atingiram caminhões de empresa contratada pela prefeitura para realizar a coleta de lixo – Foto: PMF/Divulgação/NDMiguelitos atingiram caminhões de empresa contratada pela prefeitura para realizar a coleta de lixo – Foto: PMF/Divulgação/ND

Também nesta madrugada, a casa do diretor da Comcap sofreu ataques. Ninguém ficou ferido. Segundo a prefeitura, um boletim de ocorrência foi gerado e a Polícia Civil foi acionada para realizar a perícia no local.

Na madrugada de domingo (24), três caminhões que trabalham na coleta de lixo emergencial, já haviam sido depredados. Durante a semana, caminhões que estavam no pátio da autarquia também foram alvo de depredações.

A prefeitura municipal informou que as coletas estão sendo realizadas sob escolta da Guarda Municipal de Florianópolis, o que gera custos aos cofres públicos.

Contudo, segundo a prefeitura, há mais caminhões da coleta nas ruas do que viaturas disponíveis para o trabalho de escolta. Os caminhões escoltados são definidos em conjunto pela Guarda Municipal e a equipe que organiza as rotas.

O ND+ entrou em contato com a Polícia Civil para apurar as investigações sobre os ataques, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

Ataque à casa do presidente do Sintrasem

A residência do presidente do Sintrasem, Renê Munaro, foi atingida por um artefato explosivo durante a madrugada deste sábado. A informação foi divulgado na página do Sintrasem no Facebook.

De acordo com a postagem, Renê estava no pátio do CVR (Centro de Valorização de Resíduos) da Comcap no momento do ataque, mas seus familiares estavam em casa. Um boletim de ocorrência foi registrado. Ninguém ficou ferido.

Bloqueio do TJSC

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina, em sentença desta sexta-feira (22), determinou o bloqueio de R$ 200 mil nas contas do Sintrasem por descumprimento das decisões judiciais que proíbem tumulto e bloqueio de espaços públicos e obrigam o retorno dos trabalhadores da Comcap.

No despacho, o desembargador Júlio César Knoll registra que o sindicato, “mesmo depois de instado, não fez cessar o desrespeito à decisão liminar, indo além ao praticar atos de vandalismo, conforme é de conhecimento público”.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

+

Infraestrutura