Furtos devem atrasar iluminação cênica na Ponte Hercílio Luz

Como não é possível fazer emenda nos fios, será necessário passar o cabeamento por todo o trecho da estrutura novamente; obra ultrapassa os R$ 7,5 milhões

Os constantes furtos de fiação elétrica na Ponte Hercílio Luz, no centro de Florianópolis, devem atrasar o fim da obra de iluminação cênica da estrutura. Com início em março deste ano, a operação para decorar a ponte custou R$ 7,6 milhões ao Estado e foi alvo de uma investigação do Ministério Público

Segundo a SIE (Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade), o prazo previsto para a conclusão do serviço é outubro próximo, mas por causa dos furtos, e como não é possível fazer emenda nos fios, será necessário passar o cabeamento por todo o trecho da estrutura novamente. 

Isso pode gerar atrasos, “uma vez que, por conta da pandemia da Covid-19, os fornecedores estão limitando as demandas e solicitando prazos mais longos para entrega”, informou a pasta. A nova data não foi repassada. 

Furtos de cabos devem atrasar obra milionária de iluminação cênica na Ponte Hercílio Luz – Foto: Divulgação/SIE/ND

Desde que foi reinaugurada, a ponte sofreu ao menos quatro ataques. Somente entre agosto e o início deste mês foram três ocorrências em um período de 16 dias. 

Os técnicos da SIE estimam que “dezenas de metros de cabos foram furtados”. No entanto, a pasta estadual afirma não ser possível mensurar a quantidade exata e nem mesmo os prejuízos. 

Em investigação ainda em curso, a Polícia Civil afirma que entre 800 a 1 mil metros de cabos de cobre foram furtados durante as ações desde que foi inaugurada, em janeiro deste ano.

Além dos condutores elétricos das iluminações cênicas, os criminosos cortaram a fiação da parte funcional da estrutura ao longo da ponte, na altura da pista e na subestação continental. 

A estrutura não foi afetada, segundo o governo catarinense. As ações, porém deixaram metade da ponte sem luz – no sentido vão Central/Continente. 

Em um dos furtos, no dia 8 de setembro, a tubulação da ponte foi aberta e os cabos foram cortados. Conforme o governo catarinense, a empresa que executa as obras no local fará a reposição dos objetos furtados. Pelo menos por enquanto, não houve pedido de aditivo.  

Duas pessoas já foram presas suspeitas de furtar os objetos da ponte. Foto: Polícia Civil/ND

Investigações

Paulo Hakim, responsável pela investigação de receptação dos fios na cidade, já prendeu dois homens suspeitos dos furtos.

Nos próximos dias, o titular da delegacia do Continente vai ouvir outras testemunhas para anexar ao inquérito. 

Ele também aguarda um laudo sobre o local do crime: “Acredito que mais alguns dias, até o final do mês ou começo de outubro o inquérito já esteja concluído”, disse. 

Segurança 

De acordo com o chefe de Departamento Operacional da Guarda Municipal, Ricardo Soares, há uma constante fiscalização e viaturas do órgão estão sempre nas cabeceiras orientando motoristas e pedestres. 

Entre janeiro deste ano até a manhã desta terça-feira (22), os agentes atenderam 302 ocorrências na ponte. “A gente atende tudo. De furto a carro passando pelo local de forma irregular e, infelizmente, tentativas de suicídio”, lembrou. 

A Polícia também fiscaliza a estrutura. Além das câmeras de videomonitoramento, os policiais fazem rondas em toda a estrutura. 

Críticas 

Em abril, logo após a reportagem do nd+ mostrar o início das obras, lideranças do Estado se posicionaram e criticaram a decisão de investir o valor na obra em meio à crise econômica.

À época, a SIE assegurou que o processo e a reserva orçamentária e financeira da obra ocorreram anteriormente às ações relacionadas à Covid-19. A pasta disse ainda que teve uma economia de 37% no serviço.

O prazo original da obra previa sua conclusão em maio. Segundo a SIE, a data foi prorrogada “pela dificuldade de importação dos equipamentos”, em meio à pandemia. Os furtos mais recentes podem aumentar o tempo da obra. 

A reportagem procurou o Ministério Público de Santa Catarina nesta manhã de terça-feira (22) para saber como estão as investigações na contratação da obra. A 26ª Promotoria de Justiça da Capital respondeu durante a tarde. Por e-mail, o MP afirmou que o inquérito está em andamento.

“Inúmeras diligências foram realizadas desde a instauração do procedimento e existem diversas diligências em curso. No entanto, em razão do caráter sigiloso destas, não podemos fornecer maiores informações no momento”, disse a entidade.  

O nd+ também procurou a Eletro Comercial Energiluz Ltda, para falar sobre os prejuízos causados pelos furtos. Até a última atualização deste texto não houve retorno. 

Leia também:

+

Infraestrutura