Governador Celso Ramos estima R$ 100 milhões para recuperar a cidade

Cidade da Grande Florianópolis foi severamente atingida pelo ciclone da última semana e a preocupação é com a previsão de nova ocorrência

A cidade de Governador Celso Ramos tem apenas 14,5 mil habitantes e nesta semana teve um dos mais severos estragos com a passagem de um ciclone bomba, que afetou Santa Catarina e deixou ao menos 10 mortes e comprometeu serviços básicos, como energia elétrica. Agora, para se recuperar, a Prefeitura estima que sejam necessários R$ 100 milhões.

Equipes da prefeitura de Governador Celso Ramos ainda trabalham após os estragos do ciclone bomba na cidade – Foto: Divulgação/ND

O valor é equivalente a aproximadamente 10 vezes a arrecadação anual da pequena cidade, segundo o prefeito Juliano Duarte Campos. De acordo com a Prefeitura, os bairros mais atingidos foram Canto dos Ganchos, Calheiros, Ganchos do Meio, Ganchos de Fora, Palmas, Fazenda da Armação, Antenor e Caieira.

“O que mais nos preocupa é justamente essa demora do governo do Estado. Os prédios públicos municipais não são prioridade, o problema são as famílias que estão desabrigadas. E com esse novo alerta de ciclone, ninguém sabe o que que pode acontecer”, desabafa.

A estimativa do prefeito é que cerca de 3,5 mil residências tenham sofrido algum dano, seja destelhamento parcial ou completo de residências.

“Já estamos com mais de 30 famílias que perderam totalmente suas residências, nós achávamos que chegaria a 30 ou 40, mas achamos que passa de 40 e as equipes da Prefeitura ainda estão nas ruas.

“Hoje [5] por exemplo, nós estamos na limpeza e manutenção das vias públicas, no auxílio para as pessoas , com distribuição de telhas e cestas básicas”.

Bolsonaro em SC

No sábado (4), o presidente Jair Bolsonaro esteve em Santa Catarina e sobrevoou as cidades de Tijucas e Governador Celso Ramos, na Grande Florianópolis.

Em entrevista coletiva concedida nesta sexta-feira (3), o secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, coronel Alexandre Lucas, lembrou da necessidade de precisão nessas informações. Lucas explicou que só diante dessa “certeza” é que o governo federal poderá ajudar já que “os recursos estão escassos”.

Chamado de ‘ciclone bomba’, o fenômeno provocou rajadas de vento que ultrapassaram os 130 km/h. Os municípios ainda contam os estragos. Santa Catarina está em estado de calamidade pública desde quinta-feira (2) e o governo do Estado registrou danos em pelo menos 153 municípios.

+

Infraestrutura