Fabio Gadotti

Comportamento, políticas públicas, tendências e inovação. Uma coluna sobre fatos e personagens de Florianópolis e região.


MPSC recebe alerta sobre projeto para Centro Histórico de Florianópolis

Documento manifesta preocupação com possível "descaracterização" das vias do entorno da Praça 15 de Novembro

Imagem mostra como vai ficar a Praça 15 de Novembro, de acordo com projeto da Prefeitura de Florianópolis – Foto: Divulgação/ND

Documento entregue à coordenadora do Grupo Especial de Defesa do Patrimônio Histórico e Cultural do Ministério Público estadual, promotora Luciana Cardoso Pilati Polli, alerta para a obra de revitalização do Centro Histórico de Florianópolis, que está em processo de licitação pela secretaria municipal de infraestrutura.

Quatro entidades manifestam preocupação com uma possível descaracterização das vias do entorno da Praça 15 e setor leste da região, com alegação de que o projeto “desconsidera aspectos importantes do patrimônio cultural e da memória urbana” da Capital.

O ofício manifesta apoio à requalificação da área, mas defende reavaliação sobre a troca do paralelepípedo por paver, material tido como “destituído de valores históricos e estéticos para aquela localização”.

“É na permanência destes vestígios que a população extrai suas referências culturais e identifica a cidade de forma singular diante das demais cidades do país”, registra.

“Sublinhamos consequências desanimadoras do ponto de vista de ambiência urbana, com impactos estéticos negativos e de maior custo de manutenção. Em outro extremo, mencionamos que existem notórios exemplos de requalificação de áreas históricas pelo mundo, com a manutenção da pavimentação histórica adaptada harmoniosamente para contemplar novas e necessárias modificações da vida urbana contemporânea, como acessibilidade”, apontam as entidades.

Além disso, destacam que a área abrangida pelo projeto é tombada em nível municipal, cobra um parecer formal da FCC (Fundação Catarinense de Cultura) a respeito e questiona sobre como a intervenção “será tratada do ponto de vista da arqueologia”.

O texto é assinado por Betina Adams (ICOMOS), Virgínia Gomes de Luca (Instituto dos Arquitetos do Brasil/SC), Suzane Albers Araújo (Associação Catarinense de Conservadores e Restauradores de Bens) e Daniela Pareja Garcia Sarmento (Conselho de Arquitetura e Urbanismo de SC).

+

Fabio Gadotti