ND Pergunta: engordamento de praias de Jurerê Tradicional e Ingleses divide opiniões

Enquanto uns veem como positivo o aumento da faixa de areia das praias, outros preveem aglomeração e consequências ambientais

Mais um passo foi dado para concretizar o aumento das faixas de areia das praias de Jurerê Tradicional e Ingleses, ambas no Norte da Ilha de Santa Catarina.

Pacote de obras da prefeitura municipal inclui engordamento da praia de Jurerê Tradicional – Foto: Bruna Stroisch/NDPacote de obras da prefeitura municipal inclui engordamento da praia de Jurerê Tradicional – Foto: Bruna Stroisch/ND

Nesta terça-feira (2), a Secretaria de Infraestrutura de Florianópolis assinou contrato com a Prosul, vencedora da concorrência, para a elaboração de projetos de engenharia e de licenciamento ambiental de um pacote de obras do município, que inclui o alargamento das duas praias.

Debaixo do céu ensolarado desta quarta-feira (3), o ND+ visitou as praias de Jurerê Tradicional e Ingleses para ouvir a opinião de moradores, turistas e trabalhadores da região sobre as obras.

Jurerê Tradicional

“Engordamento é nossa prioridade”

Nestor Fetter, presidente da Adecom (Associação para o Desenvolvimento Comunitário Jurerê), recebeu a reportagem do ND+ em uma pousada a poucos metros da praia de Jurerê Tradicional.

Para ele, o engordamento da faixa de areia é positivo e muito bem-vindo. Fetter adquiriu uma casa na região em 1981 e há 10 anos, após se aposentar, decidiu se mudar de vez para o imóvel.

Ele conta que na década de 1980, a região era praticamente desconhecida e tomada por eucaliptos. “As pessoas me perguntavam ‘onde fica a sua casa?’, e eu respondia ‘fica em Jurerê’. Faziam cara de estranhamento, ninguém conhecia”, diz Fetter.

Nestor Fetter, presidente da Adecom – Foto: Bruna Stroisch/NDNestor Fetter, presidente da Adecom – Foto: Bruna Stroisch/ND

Hoje, o cenário é bem diferente. O presidente da associação explica que a população de Jurerê Tradicional cresceu muito nos últimos anos. Em contrapartida, o mar tem avançado cada vez mais sobre a faixa de areia.

“Tem dias no inverno que não temos praia. Agora no verão, por exemplo, em dias de maré alta, a água bate debaixo dos quiosques instalados na areia. Não tem como ir à praia”, lamenta.

O aposentado diz que mesmo nos dias de maré baixa, a faixa de areia atinge pouco mais de 10 metros. De acordo com Fetter, quando a obra foi feita na praia de Canasvieiras, os moradores tinham receio de que não funcionaria e que o trabalho fosse em vão.

O resultado, contudo, foi outro. “O trabalho foi eficiente. Hoje, Canasvieiras tem 35 metros de praia. O nosso desejo é ficar com uma área semelhante, em torno de 30 ou 35 metros. Isso vai permitir o bom uso da praia, com qualidade”, conta.

A expectativa da Adecom é que a praia de Jurerê Tradicional comece o ano de 2022 repaginada. Contudo, Fetter reconhece que algumas pessoas são contra a obra.

“Tem gente que acha que vai descaracterizar a praia, que não vai ficar bonito, que a areia não vai ter a mesma qualidade. Mas não temos outra saída. Temos que fazer o engordamento da praia. Caso contrário vamos ficar sempre na dependência da maré para frequentar a praia. Eu até brinquei dizendo que, se continuar assim, vamos ter que começar a dar senha na entrada da praia”, comenta.

Positivo ou negativo?

Entre os que são contra o projeto de alargamento da faixa de areia, está o turista Cristiano Heck, morador de Caixas do Sul (RS). Ele acredita que a obra é um paliativo para a ocupação desenfreada do bairro. Além disso, Heck prevê consequências ambientais para a região.

Patrícia Wurdig e Tânia Albani, na praia de Jurerê Tradicional – Foto: Bruna Stroisch/NDPatrícia Wurdig e Tânia Albani, na praia de Jurerê Tradicional – Foto: Bruna Stroisch/ND

A aposentada Tânia Albani, que tem casa de praia em Jurerê Tradicional, também não vê com bons olhos o projeto. “Vai ter mais espaço na areia e vai encher de gente. Eu gosto do fato da praia ser mais tranquila e menos frequentada. É a minha praia predileta justamente por isso.”

Por outro lado, ela entende que o aumento da faixa da areia pode ser positivo para turistas e comerciantes. Patrícia Wurdig, que é funcionária de um quiosque na praia, concorda.

“Quando a maré começa a subir, os banhistas vão embora porque não tem espaço para ficar. Os turistas já cansaram de reclamar sobre isso. Vai ser bom para quem trabalha aqui”, prevê Patrícia.

Maurício Silva trabalha na praia de Jurerê Tradicional das 8h às 18h. Ele aluga cadeiras e guarda-sóis. Para ele, a obra é fundamental e traz benefícios para o turismo.

“Sou muito a favor. Para quem trabalha com isso é muito bom. Tem gente que aluga cadeira e guarda-sol e daqui a pouco tem que ir embora porque a maré subiu”, conta Maurício.

Ana Márcia de Castro também está ansiosa para que o projeto saia do papel. Mãe de filhos pequenos, ela acredita que com a obra, as crianças terão mais espaço para brincar e se divertir na praia. “Vai ser muito positivo”, afirma.

Praia dos Ingleses

A badalada praia dos Ingleses também será contemplada com o projeto de aumento da faixa de areia. Repleta de turistas nesta quarta-feira, a opinião dos entrevistados foi unânime: a obra é bem-vinda.

Para Eduardo Verona, que veio de Belo Horizonte (MG) e pisou pela primeira vez na praia dos Ingleses nesta quarta, uma faixa de areia mais larga vai trazer benefícios.

Eduardo Verona, turista de MG – Foto: Bruna Stroisch/NDEduardo Verona, turista de MG – Foto: Bruna Stroisch/ND

“Gera mais conforto para os banhistas. As pessoas ficam menos próximas umas das outras. Vai ser ótimo”, disse.

A aposentada Izaura Maria Rodrigues, moradora de São Paulo, citou o exemplo da praia de Canasvieiras.

“A orla era muito estreita e ficou muito bom. Fui à praia e gostei muito. Agora é a hora da praia dos Ingleses ter mais espaço”.

Mais espaço para trabalhar e o aumento nas vendas é o que prevê o vendedor de picolé Everson Antônio Machado Carrais.

Da mesma forma, o comerciante Fábio Coelho calcula que o aumento da faixa de areia vai beneficiar os negócios. Coelho, que é proprietário de um restaurante na beira da praia, mora há 49 anos no bairro Ingleses.

O vendedor de picolé Everson Antônio Machado Carrais – Foto: Bruna Stroisch/NDO vendedor de picolé Everson Antônio Machado Carrais – Foto: Bruna Stroisch/ND

Praia de Canasvieiras, a pioneira

A obra pioneira de alargamento da faixa de areia de Canasvieiras garantiu um incremento de 30% na movimentação financeira durante a temporada de verão em 2020, no Norte da Ilha.

Entregue na primeira semana de janeiro do ano passado, a obra proporcionou espaço de sobra para turistas, moradores e comerciantes aproveitarem a alta temporada no balneário mais visitado da Capital.

O cenário foi completamente modificado ao longo de 2,3 mil metros de extensão. Antes do alargamento, alguns pontos da orla tinham apenas dois metros de largura. Após o alargamento, são cerca de 50 metros de largura, que poderão ser reduzidos para 35 após a estabilização da bancada de areia.

Praia de Canasvieiras – Foto: Anderson Coelho/Arquivo/NDPraia de Canasvieiras – Foto: Anderson Coelho/Arquivo/ND

Acesse e receba notícias da Grande Florianópolis pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Infraestrutura