SC Não Pode Parar: Veja a situação das rodovias federais e o que falta para finalizar as obras

Quatro BRs que cortam Santa Catarina precisam de investimento para não travar o desenvolvimento social e econômico

Um abaixo-assinado virtual, chamado de SOS Rodovias, foi lançado, na manhã desta segunda-feira (29), pelo Grupo ND e Fiesc (Federação das Indústrias de Santa Catarina) para mobilizar a sociedade por mais investimentos nas rodovias federais do Estado.

Imagem mostra trevo de entroncamento da br-101 e br-282 e aparece o céu com nuvensTrevo de entroncamento entre a BR-101 e BR-282, a Via Expressa, no principal acesso a capital de SC – Foto: Arteris S.A/ND/divulgação

Na ocasião, o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (sem partido), anunciou a liberação de R$ 50 milhões para a construção de terceiras faixas na BR-282. Dessa forma, o ND+ apresenta o levantamento da situação e o que falta para finalizar as obras nas rodovias federais.

BR-101 (trecho Norte)

A projeção para os próximos oito anos é que o volume de veículos nos municípios do entorno da BR-101 passe de 2,6 milhões para 4,5 milhões. A Fetrancesc (Federação das Empresas de Transporte de Carga e Logística no Estado de Santa Catarina) calcula um prejuízo para a economia brasileira de R$ 6 bilhões só com lentidão gerada na região de Paulo Lopes e Palhoça, municípios da Grande Florianópolis.

O corpo técnico da Fiesc junto com engenheiros, entidades, CREA e concessionária desenvolveram propostas que contemplam a construção de faixas adicionais, marginais com continuidade, implantação de viadutos, pontes de transposição, readequação das alças e agulhas de acesso, além de melhorias nas intersecções com outras rodovias. O custo das obras estruturantes é de aproximadamente R$ 2,6 bilhões de reais.

BR-280

As cidades do entorno da BR-280 registram 1,6 milhão de pessoas. A obra, dividida em três lotes, estava orçada em R$ 1 bilhão, mas em 2014. De acordo com o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) foram executados 12% dos serviços do lote um. Além disso, 53% das obras foram realizadas nos lotes 2.1 e 2.2.

O Dnit atribui essa lentidão a falta de recursos. Havia uma previsão de que o governo federal investisse R$ 115 milhões neste ano, o que não se confirmou.

O lote um, em Araquari, só não está totalmente parado porque o governo de Santa Catarina colocou R$ 50 milhões de recursos próprios por meio de um convênio assinado com o Ministério da Infraestrutura.

Outro entrave na duplicação da BR-280 são os 570 processos de desapropriações ainda pendentes de solução. Além disso, é necessário o projeto e licenciamento ambiental no Canal do Linguado em São Francisco do Sul, fechado em 1935.

BR-163

São 47 quilômetros entre as cidades de São Miguel do Oeste e Dionísio Cerqueira, no extremo oeste de Santa Catarina. Em alguns trechos da BR-163, como em Guaraciaba, o asfalto praticamente desaparece e pelo caminho sobram pedras, buracos e poeira.

Trecho da BR-163 em Santa Catarina – Foto: Julio Cavalheiro/Divulgação/NDTrecho da BR-163 em Santa Catarina – Foto: Julio Cavalheiro/Divulgação/ND

Em março, o Ministério da Infraestrutura deu uma nova esperança ao liberar a ordem de serviço para a ampliação de capacidade, restauração, melhoramentos e eliminação de pontos críticos com prazo de término em três anos.

O Dnit afirma que o “cronograma físico-financeiro atual das obras prevê o término do empreendimento em julho/2022”, prazo condicionado a disponibilidade de recursos federais.

O valor atualizado da obra é de R$ 251,7 milhões e está garantido pelo governo federal, através da Lei Orçamento Anual de 2021, apenas R$ 15,4 milhões.

BR-282

Uma ponta a outra do Estado ligada por 680 quilômetros de asfalto deteriorado, acostamentos inexistentes ou precários, pista simples e trafegabilidade comprometida.

De Ponte Serrada à Xanxerê, a rodovia parece um tapete preto. Porém, basta andar alguns quilômetros para a ilusão terminar. Entre Nova Erechim e Nova Itaberaba o asfalto liso e nivelado some quase como em um passe de mágica.

Os transtornos estão em vários trechos entre São Miguel do Oeste e Campos Novos no entroncamento com a BR-470.

Em agosto de 2017 o governo federal autorizou o início dos reparos em 190 quilômetros entre Chapecó e São Miguel do Oeste. No entanto, um mês depois, o trabalho acabou paralisado por decisão judicial e reiniciado em dezembro do mesmo ano.

O contrato prevê obras de adequação da capacidade, restauração, melhoramentos e eliminação de pontos críticos entre o km 534,8, próximo do acesso ao município de Chapecó até o acesso de São Miguel do Oeste, no km 650,7.

Neste mesmo contrato está prevista a recuperação da BR-158 do km 98,9 em Maravilha até o km 147,3, próximo à divisa com o Rio Grande do Sul. Segundo o Dnit, até o momento, apenas 40% dos serviços foram executados.

A previsão é concluir esse trecho em maio de 2022 se tiver disponibilidade de recursos. O valor da obra é de R$ 217 milhões.

A novela para duplicar um trecho de 73 quilômetros da rodovia, entre Navegantes e Indaial, começou a ser escrita em 2007. Em oito anos, a obra parou diversas vezes e ainda não se tem garantia de dinheiro para terminar os serviços.

Um levantamento da Secretaria de Infraestrutura de Santa Catarina aponta que faltam R$ 662 milhões para concluir a duplicação. Além disso, são necessários outros R$ 200 milhões para desapropriações.

Sem dinheiro em caixa, o Governo Federal receberá uma ajuda de R$ 300 milhões em recursos de Santa Catarina para acelerar a duplicação.

PARTICIPE DO ABAIXO-ASSINADO

Você pode reivindicar melhorias para as estradas de Santa Catarina de duas formas. Pelo site ou através de QRCode (foto abaixo) que estará disponível em várias plataformas do Grupo ND e em totens que serão distribuídos em paradas nas rodovias federais catarinenses.

QRCode

Para assinar por meio do QRCode basta acionar a câmera do celular e direcionar para o QRCode e será encaminhado para o site www.change.org.

Preencha um pequeno formulário com nome, sobrenome e e-mail, escolha a cidade de onde você se encontra e clique em “assinar este abaixo-assinado”.

Aponte a câmera do celular para o QR Code – Foto: Divulgação/NDAponte a câmera do celular para o QR Code – Foto: Divulgação/ND

Site

Ao acessar o site www.sosbrs.com.br você deve escolher a opção “Assine o Abaixo-Assinado” e será encaminhado para o site www.change.org. Preencha um pequeno formulário com nome, sobrenome e e-mail, escolha a cidade de onde você se encontra e clique em “assinar este abaixo-assinado”.

+

BR-101 – SC não pode parar

Loading...