Seca extrema em SC: veja as cidades em situação de emergência e o risco de faltar água no verão

Nos últimos dois anos, choveu 900 mm a menos no Estado; seca se mantém em níveis graves e extremos na região Oeste

A seca atinge 16 estações hidrológicas de Santa Catarina, cujos índices de água estão em situação de alerta ou emergência para estiagem. Conforme o mapa do Monitor de Secas divulgado nesta segunda-feira (20), a situação na região Oeste é a mais grave.

Agravamento da seca em quase todas as regiões de Santa Catarina, devido aos baixos volumes de precipitação nos últimos dois meses – Foto: Julio Cavalheiro/Arquivo/Secom/Divulgação/NDAgravamento da seca em quase todas as regiões de Santa Catarina, devido aos baixos volumes de precipitação nos últimos dois meses – Foto: Julio Cavalheiro/Arquivo/Secom/Divulgação/ND

As chuvas irregulares em novembro e dezembro, muito abaixo do esperado, fizeram com que os mananciais e os níveis dos rios ficassem baixos, explica o pesquisador de hidrologia da Epagri/Ciram, Guilherme Miranda.

“Estamos com problema de falta de chuva bem distribuída. Isso pode afetar as plantações, principalmente as de milho, que têm previsão de quebra de safra por causa dessa falta de chuva no Extremo-Oeste”, diz.

As estações hidrológicas armazenam e transmitem dados hidrológicos ao monitorar os níveis dos rios. Segundo o pesquisador, desde 2017 não tem chovido como o esperado, mas a situação se intensificou em 2019. Nos últimos dois anos, choveu 900 mm a menos no Estado.

Em situação de emergência estão estações nos municípios de Mondaí, Romelândia, Alfredo Wagner, Chapadão do Lageado, São João Batista, São Martinho, Coronel Freitas, Pinhalzinho, Saudades, Joaçaba, Tangará, Concórdia e Itapiranga.

Até o momento, em 2021, a região Oeste está com 12% a menos de chuva quando comparado à média histórica. No Meio-Oeste, choveu 16% a menos.

“Em setembro e outubro choveu até mais do que o esperado, mas agora não. Mesmo que venha a chover mais, como é o esperado para a segunda quinzena de janeiro, não tem como recuperar o passado, como viemos com a estiagem desde 2019”, reforça o pesquisador.

O Monitor de Secas mostra que houve avanço da seca grave no Planalto Norte em função das chuvas abaixo da média histórica nos últimos meses.

Assim, o que varia é a intensidade dos impactos. Enquanto no Oeste a seca se mantém em níveis graves e extremos, no Centro do Estado a estiagem é classificada como moderada e no Litoral Sul como fraca. Já regiões da Grande Florianópolis, parte do Vale do Itajaí e o Litoral Norte ficaram de fora da área de seca.

Conforme Miranda, nos próximos dois anos será desenvolvida uma tecnologia própria de Santa Catarina para monitorar os índices hidrológicos do Estado, uma vez que o Monitor de Secas é uma tecnologia nacional.

O que explica a seca em SC

Entre os vários fatores que explicam a falta das chuvas, um dos principais é o La Ninã. A previsão, ainda em agosto, já indicava chuvas irregulares, períodos prolongados de estiagem e a variação nas temperaturas.

Segundo o meteorologista da Epagri/Ciram, Marcelo Martins, as chuvas mal distribuídas são um dos principais fatores que fazem do Oeste catarinense uma região mais sensível.

Chuvas mas distribuídas nos últimos 15 dias em Santa Catarina mostram avanço da estiagem no Oeste – Foto: Epagri/Ciram/Divulgação/NDChuvas mas distribuídas nos últimos 15 dias em Santa Catarina mostram avanço da estiagem no Oeste – Foto: Epagri/Ciram/Divulgação/ND

Além disso, há a seca meteorológica — quando não chove — e a seca hidrológica, que está relacionada à redução dos níveis médios de água em reservatórios superficiais e subterrâneos, o que tem acontecido nos últimos meses.

“Por exemplo, chove bastante em dois meses. Parte dela vai para a atmosfera, parte é absorvida pelo solo. Com isso, a água se infiltra nas partes mais fundas do solo e no lençol freático. Dessa forma, ficamos sem seca hidrológica, mas depois ficar sem chover por 15, 20 dias, o que caracteriza a seca meteorológica”, explica.

Assim, a mal distribuição de chuvas, como ocorre na região Oeste e Extremo-Oeste, faz com que a seca hidrológica se agrave. Em uma noite ou uma tarde pode chover 50 mm, por exemplo, e a precipitação nas áreas do Litoral pode chover o mesmo, mas ao longo de uma semana.

Dessa forma, ocorre a mal distribuição espacial, poque “onde chove todos os dias fica mais úmido, mas onde choveu muito em um dia, a água evapora e o solo fica seco”.

Nos últimos 15 dias, choveu de forma mais concentrada no Litoral, com 150 mm. Porém, nas demais regiões, choveu menos. Em Chapecó, no Oeste, por exemplo, foram registrados apenas 1,5 mm de precipitação.

Quais são as soluções para evitar a falta de água

O governo do Estado afirma que a população precisa se manter atenta ao consumo racional de água, especialmente com a previsão de chuvas abaixo da média histórica neste verão.

“O Estado vem atuando por meio de diferentes programas e projetos, em parceria com os municípios, para minimizar os efeitos da seca, mas a colaboração de todos é essencial”, explica o secretário executivo de Meio Ambiente de Santa Catarina, Leonardo Porto Ferreira.

O diretor de Operações e Expansão da Casan, Pedro Joel Horstmann, diz que ações a curto e a longo prazo estão sendo executadas pela companhia para que não falte água no Estado. Em resumo, serão realizadas novas adutoras, captações e perfurações de poços.

A obra no Rio Chapecozinho, que transportará água por uma adutora de 57 km até a região de Chapecó, deve ficar pronta em março de 2023 e soma um investimento de R$ 250 milhões, que deve atender 500 mil moradores.

“A curto prazo nós temos realizado a perfuração de poços artesianos e feito as captações de água emergenciais, para atender as regiões de Chapecó, Xaxim, Maravilha e São Miguel do Oeste”, explica o diretor.

A Casan atende 193 municípios catarinenses, o que corresponde a 66% das cidades. O governo do Estado, por meio da Casan, afirma que investirá 1,7 bilhão em infraestrutura de abastecimento. São 50 projetos para melhoria e modernização de Estações de Tratamento de Água, ou implantação de novas unidades.

Há risco de falta de água no Litoral?

Para suprir o aumento da demanda de água, especialmente do dia 28 de dezembro a 5 de janeiro, a Casan fez uma ampliação da ERAB (Estação de Recalque de Água Bruta) do Rio Cubatão, que atende a região metropolitana de Florianópolis.

A obra, cujo investimento é de R$ 11 milhões, irá atender, além da Capital, os municípios de Biguaçu, Santo Amaro, São José e Palhoça.

O projeto também irá contribuir com a integração dos sistemas do Sul e Norte da Ilha e Santa Catarina. “Por exemplo, se estiver mais demanda da região Sul, será possível direcionar água da região metropolitana para lá. Tudo acontece de forma online e integrada”, completa.

+

Infraestrutura

Loading...