Sem água, empresas suspendem atividades em Chapecó

Casan anunciou que buscará água no rio Uruguai para amenizar os impactos do desabastecimento nos bairros do município

Com o agravamento da seca em Chapecó, no Oeste Catarinense, algumas empresas tiveram que suspender as atividades comerciais por conta da falta de água que afeta todas as áreas do município. A Casan (Companhia Catarinense de Águas e Saneamento) realiza o racionamento em 26 bairros, no entanto, alguns não recebem o produto há quase uma semana.

Empresário precisou comprar outra caixa para armazenar água — Foto: NDTV/NDEmpresário precisou comprar outra caixa para armazenar água — Foto: NDTV/ND

Adilson Stankiewicz fechou seu restaurante na noite de segunda-feira (14) e na terça-feira (15) nem abriu. O estabelecimento chegou a ficar três dias sem o abastecimento de água. Os funcionários usaram baldes para buscar o mínimo possível em um poço próximo do comércio para lavar as louças que ficaram sujas.

“Ontem comprei mais uma caixa de água de 5 mil litros, mas durante a tarde não conseguimos caminhão para trazer água potável”, disse Adilson, o sócio do estabelecimento, que espera reabrir o restaurante nesta quarta-feira (16).

Nos comércios que atendem centenas de pessoas por dia, o consumo mesmo que consciente e econômico é muito maior. Mesmo com reservatórios grandes, se o abastecimento é interrompido o impacto é extraordinário, a exemplo deste hotel localizado na Avenida Fernando Machado, no Centro do município, que teve reservas canceladas por conta da falta de água.

“O pessoal vem de toda a região querendo tomar banho e ter um momento de descanso, mas acabam desistindo da reserva pela falta de água que já ocorre desde sábado. Já não é uma época muito boa para lucros, então acaba piorando a situação”, diz a gerente do hotel, Debora Delavi.

Clientes de hotel cancelam reservas por falta de água – Foto: NDTV/NDClientes de hotel cancelam reservas por falta de água – Foto: NDTV/ND

E não é só na região central do município que há problemas pela falta de água. No bairro Efapi, o maior do município, um pet shop está sem abastecimento desde o último domingo. Segunda e terça-feira foram dias perdidos e os atendimentos foram todos cancelados, mesmo tendo duas caixas de água de mil litros que também abastecem três imóveis. O prejuízo em dois dias chega a R$ 600 no estabelecimento.

“Na segunda não consegui dar banho e tive que cancelar os atendimentos, porque não tinha água na caixa e nem na rua. Hoje também, porque não tinha nem como limpar o pet, aí acabamos perdendo o dia de trabalho”, contou o empresário, Josemar Roberto dos Santos. Ele comprou outra caixa de água, mas até agora não conseguiu abastecer.

Falta de água causa prejuízos em Chapecó — Vídeo: Arquivo Pessoal/ND

Manobra

A Casan anunciou que começa nesta quarta-feira a buscar água no rio Uruguai para manter o abastecimento da rede urbana de Chapecó. A medida emergencial foi adotada em razão do reservatório da barragem do Engenho Braun, no lajeado São José, estar com a capacidade em situação de urgência.

“O que entra de água no lajeado São José é o que está sendo captado do rio Tigre”, disse Daniel Domingues Scharf, Superintendente Regional de Negócios do Oeste da Casan.

Estiagem em Chapecó – Foto: Julio Cavalheiro/Secom/NDEstiagem em Chapecó – Foto: Julio Cavalheiro/Secom/ND

A empresa informou que 20 caminhões-tanque foram contratados para puxar água. A distância a ser percorrida é de 23 quilômetros, do lajeado até o Goio-Ên. Cada veículo deve realizar oito viagens por dia, das 5h às 20h, com capacidade de 35 mil litros de água.

Outras manobras operacionais para manter o abastecimento de água em Chapecó já foram adotadas pela Casan nas últimas semanas, entre elas o abastecimento de caixas de águas com ajuda de caminhões-pipa e o rodízio em 26 bairros.

A Companhia reforça o pedido à comunidade para o uso racional e controlado da água, evitando principalmente lavações de calçadas e carros com água tratada neste período.

Segundo a Casan, nos próximos meses uma segunda etapa de limpeza do Lajeado São José será realizada. O edital para contratação dos serviços já foi lançado. O investimento será de R$ 36 milhões. O objetivo é continuar o trabalho iniciado no ano passado e aumentar a capacidade de reserva de água na barragem de captação de água. A estimativa é remover 400 mil m² de lodo.

Reunião em Chapecó

O prefeito de Chapecó, João Rodrigues (PSD), está em Brasília e retorna nesta quarta-feira à noite e, na manhã da quinta-feira, às 10h fará um anúncio das medidas que serão tomadas pela Administração Municipal em relação à Casan e a falta de água em Chapecó. Uma coletiva de imprensa também está programada para às 11h de quinta-feira.

A Prefeitura de Chapecó informou que há mais de um ano vem cobrando da Casan medidas para ampliar a oferta de água. Mesmo antes de assumir, a atual gestão já fez reunião com a direção da estatal, cobrando investimentos. Foram realizadas várias reuniões em Chapecó e Florianópolis, nesse sentido.

A Administração também está levando água com caminhões-pipa para abastecer o interior. O telefone para solicitação é 3319-3600.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Chapecó e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Infraestrutura

Loading...