Astrônoma brasileira descobre asteroide e quer batizá-lo como Neymar

Cientista Lorrane participou de programa coordenado pela NASA e encontrou quatro asteroides; um poderá ter nome do astro da seleção

A jovem astrônoma amadora brasileira Lorrane, de 26 anos, fez a incrível descoberta de quatro novos asteroides enquanto participava de um programa de busca dos fragmentos celestes coordenado pela NASA (Agência Espacial Americana).

Por ser a descobridora, ela terá o direito de dar um nome a cada um deles. E Lorrane já manifestou a intenção de batizar um dos asteroides como Neymar Junior, em referência ao astro do Paris Saint-Germain e da Seleção Brasileira de Futebol.

Neymar pode virar nome de asteroide – Foto: Montagem/ReproduçãoNeymar pode virar nome de asteroide – Foto: Montagem/Reprodução

A mineira de Belo Horizonte conta que fez parte do IASC (International Astronomical Search Collaboration), em uma parceria com o MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações), do Governo Federal.

“Fizemos um treinamento, com bancos de imagens de telescópios, para aprender a detectar possíveis asteroides. Depois disso, eu montei uma equipe que foi recebendo essas imagens. São várias imagens que recebemos para analisar, no início eu passei dias e não encontrei nenhum”, relata Lorrane.

Em uma noite no meio do mês de maio, finalmente o trabalho duro deu resultados.

“O processo nem é tão difícil, mas é demorado, tem que analisar com muito cuidado. Em uma certa noite, eu estava desligando o computador, já cansada de mais um dia sem encontrar nenhum, mas falei: ‘ah vou olhar só mais um pacote de imagens’. De cara eu já vi um asteroide e comemorei: ‘caramba, achei o primeiro’. Acabou que nesta noite eu achei quatro. Depois que encontrei o primeiro surgiu um ânimo”, celebra.

O relatório é enviado para a NASA, que depois da análise, passa a descoberta para uma fase chamada “preliminar”. O documento fica nesta etapa por um tempo até o astrônomo ter a possibilidade de nomear o asteroide.

Afinal, por que Neymar?

Feliz e orgulhosa com as descobertas, Lorrane correu para as redes sociais anunciar a novidade. Foi aí que, rapidamente, surgiu um movimento clamando pelo nome do astro do futebol em um dos asteroides.

“Eu tinha feito um post nas minhas redes sociais segurando um tablet com os asteroides, contando que os achei, toda empolgada. Não sei exatamente o que aconteceu mas eu recebi um monte de comentários pedindo para colocar o nome do asteroide de Neymar. Não foram dezenas, não foram centenas, foram literalmente milhares.”

“No início eu pensei: ‘caramba, será que isso é brincadeira?’. Então eu fiz um segundo post, e que também lotou de mensagens, recebi e-mail, mensagem privada, acharam meu Instagram, e foi uma confusão muito grande. Nessas mensagens todas estava escrito ‘coloca o nome de Neymar!’. Tinha uns que até justificavam com uns textões”, complementa a astrônoma.

O que mais chamou a atenção de Lorrane foi a organização e o volume do movimento. O engajamento de suas publicações saltaram só com os pedidos dos fãs.

“Eu vi que tinha muita gente, que eu não sabia de onde tinha saído. Então eu falei: ‘eu não tenho problema nenhum em colocar esse nome, até porque ele é brasileiro, se eu fosse abrir votação popular seria com certeza com brasileiros que são referência em alguma área’. Mas quando eu falei dessa possibilidade, aí pronto. Eu descobri de onde estavam vindo essas mensagens, era de um grupo do Facebook chamado ‘testemunhas do Neymar’.”

Ao saber disso, a jovem cientista reconheceu o empenho dos fãs. “Eles articularam tudo, fizeram uma campanha genial para chegar até mim. Não foi uma coisa simples, foi muito bem feita.”

Chance para alavancar a astronomia no Brasil

Com toda essa repercussão, Lorrane passou a gostar da ideia. Ela explica que sua ideia particular é homenagear os parentes, mas como são quatro asteroides – e há chances de existirem outros – não é uma má ideia homenagear também o craque da seleção.

“Eu não ia colocar nome do pessoal de fora, pretendia só colocar da minha família mesmo. Mas como é mais de um, dá para eu fazer minhas homenagens e também deixar esse por voto público”, ressalta.

O que motiva ainda mais a cientista é a repercussão que esta homenagem pode gerar, e assim deixar em evidência a astronomia brasileira.

“Até porque eu penso o seguinte: imagina se o Neymar topa essa ideia, e de alguma forma ajuda a promover a astronomia no Brasil? Já vi muita gente pensando em uma linha de raciocínio de que para ter ciência não pode ter futebol, e não é assim. Esporte é extremamente importante para todo país do mundo, tanto que todas as nações de primeiro mundo valorizam. Só que tem que valorizar a ciência também. Recebi muito ‘hate’ por conta disso, mas minha proposta ainda está de pé”, destaca Lorrane.

Os outros três asteroides devem ser nomeados como Marisa, Euller e Guilherme, como homenagem à mãe, pai e namorado, respectivamente, da cientista. Ela ressalta que é provável que tenha o privilégio de conseguir nomear outros asteroides, e estes devem ter os nomes de Odete, José e Dalva, em referência a seus avós.

Resta saber: Neymar vai aprovar?

Lorrane conta que já conversou com autoridades do ramo da observação de asteroides e confirmou a possibilidade real de batizar o fragmento celeste como Neymar.

O nome se enquadra nas regras da União Astronômica Internacional para nomeação de asteroides.

A questão que fica, no entanto, é a opinião do próprio craque a respeito de tudo isso. A cientista explica que ainda existe um certo processo burocrático até de fato o asteroide receber o nome do atleta.

Até lá, ela espera receber alguma resposta por parte de Neymar, e que ele se torne, talvez, uma grande voz da ciência brasileira. Já pensou?

+

Internet