Hackers invadem câmeras, gravam relações sexuais e vendem na web

Novo crime cibernético está se espalhando entre os hackers chineses; criminosos também estariam instalando câmeras filmadores em quartos de hóteis e motéis

Um novo crime cibernético está se espalhando entre os hackers chineses. Criminosos estão invadindo câmeras conectadas à internet, gravando vídeos de relações sexuais e comercializando os vídeos na internet. As informações foram divulgadas pelo jornal asiático South China Morning Post.

Hackers invadem câmeras, gravam relações sexuais e vendem na web – Foto: Pixabay/Reprodução/NDHackers invadem câmeras, gravam relações sexuais e vendem na web – Foto: Pixabay/Reprodução/ND

Por mais bizarro que tal comércio possa parecer, é crescente a demanda por esse tipo de conteúdo em fóruns obscuros da rede, o que só incentiva ainda mais a ação dos invasores, segundo o jornal.

Se já não bastasse a invasão em câmeras alheias, os criminosos também estariam instalando câmeras filmadores em quartos de hóteis e motéis.

“Tenho uma dúzia de pessoas viajando pelo país e instalando câmeras onde quer que vão. Mesmo que o hotel descubra, o que vamos perder é apenas uma câmera que custa algumas centenas de yuans. Cortamos alguns clipes para vender online e cobrimos essa perda”, explicou um dos envolvidos no esquema ao veículo chinês.

As investigações indicam que a quadrilha está incentivando um esquema de pirâmide com os consumidores, os incentivando a revendas as “filmagens caseiras” por preços cada vez maiores. Parte do valor seria pago em comissão para quem originalmente gravou o conteúdo.

Embora grande parte dos clipes tenha conteúdo sexual explícito, o hacker entrevistado garantiu que também há gravações “inocentes” sendo comercializadas.

Ao veículo asiático, o hacker entrevistado cita que há um vídeo de oito horas retratando nada mais do que uma família interagindo entre si na sala de estar. “Muitas pessoas gostam desse tipo de coisa nos dias de hoje, gostam de assistir a privacidade dos outros, o que eles estão fazendo em seus tempos livres”, explicou.

+

Internet