Mulher comemora última quimioterapia e recebe homenagem em SC

Tânia Bertolini, de 49 anos, fez a última sessão na quarta-feira (27), e recebeu homenagem da família

Uma família de São José do Cedro, no Extremo-Oeste de Santa Catarina, comemorou de forma contagiante o fim do tratamento contra o câncer de Tânia Bertolini, de 49 anos.

Imagem viralizou em Chapecó – Foto: Reprodução/Instagram/NDImagem viralizou em Chapecó – Foto: Reprodução/Instagram/ND

Nesta semana, a paciente realizou sua última sessão de quimioterapia em Chapecó, no Oeste, a cerca de 160 km da cidade onde mora há mais de 40 anos. 

Para comemorar a superação da batalha, as três sobrinhas de Tânia escreveram a frase “minha última quimioterapia” no vidro da caminhonete usada como transporte para as sessões.  

Diagnóstico 

Em fevereiro de 2020, a cedrense começou a sentir algo diferente no pescoço, mas preferiu esperar as férias de março para procurar um médico. Por conta da pandemia de coronavírus, a busca por uma resposta precisou ser adiada novamente 

Já em julho a situação piorou. Após consulta com um especialista em Chapecó e o exame de biópsia, a catarinense recebeu o diagnóstico de que estava com um Linfoma Não-Hodgkin de Células B, o mesmo câncer que o ator Reynaldo Gianecchini teve. 

Até a superação do câncer, foram seis sessões de quimioterapia com intervalo de 21 dias, no Hospital Unimed, em Chapecó. A última foi realizada na quarta-feira (27). 

Homenagem 

A homenagem emocionou Tânia e viralizou nas redes sociais.  A ideia da frase no vidro da caminhonete partiu do irmão de Tânia, o Airton, que viu uma homenagem semelhante durante o tratamento da irmã. 

Tânia recebeu várias homenagens – Foto: Reprodução/Instagram/NDTânia recebeu várias homenagens – Foto: Reprodução/Instagram/ND

“Quando comecei a fazer as quimioterapias ele viu a frase escrita em um carro e disse para minha irmã que quando eu terminasse o tratamento faria o mesmo, mas não comentou comigo”, lembra Tânia. 

A guerreira viu a homenagem somente após a última consulta. “Fiquei emocionada, foi lindo, elas escreveram tão bonitinho. Fiquei muito feliz, pois, é um meio das pessoas acreditarem que é possível e que precisamos acreditar.  O câncer não é mais uma tendência de morte”, disse. 

“É renascer, é ter outra chance. Quero ver minhas sobrinhas crescerem, quero viver, quero viajar, conhecer o mundo inteiro. Tenho tantos sonhos”, finalizou. 

Repercussão 

Em Chapecó, o perfil Chapecó Mil Grau compartilhou várias publicações de internautas que registraram o veículo na cidade. 

“O meu irmão me deixou na Unimed e foi fazer algumas coisas dele, foi quando começou a repercutir, as pessoas começaram a tirar foto da caminhonete e a gente ficou sabendo ainda em Chapecó que todo mundo estava comentando”, contou. 

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Chapecó e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

+

Internet