Fabio Gadotti

Comportamento, políticas públicas, tendências e inovação. Uma coluna sobre fatos e personagens de Florianópolis e região.


Ex-corregedora nacional de Justiça fala sobre o STF: “acima do bem e do mal”

Eliana Calmon, ex-ministra do STJ – Foto: Divulgação/NDEliana Calmon, ex-ministra do STJ – Foto: Divulgação/ND

Primeira mulher a assumir como ministra do STJ (Superior Tribunal de Justiça) e ex-corregedora nacional de Justiça, Eliana Calmon fez duras críticas nesta segunda-feira (27) ao Supremo Tribunal Federal no webinar “O combate ao fenômeno da corrupção pós-crise: rumos e perspectivas”, promovido pelo Ceap Brasil conduzido pelo promotor de Justiça de SC Affonso Ghizzo Neto.

“O que vemos hoje é a hipertrofia do STF, que está acima de todos os cidadãos, não aceitando ser investigado, fiscalizado, ter regras de imparcialidade, de suspeição. Eles são acima do bem e do mal”, afirmou Eliana.

“O Supremo, em vez de se recolher, em virtude do que é constitucionalmente aceitável, começa a querer intimidar a cidadania, estamos vivendo a hipertrofia de um poder”, falou, em alusão ao polêmico inquérito das fake news.

Ela lembrou que a Constituição garantiu o ativismo judicial para casos considerados excepcionais e que o momento atual  foi alimentado pela “ausência do Legislativo, que se esquivou de casos que criavam problemas eleitorais”.

Sobre o combate à corrupção, Eliana é otimista. “Considero o futuro muito promissor. Não vamos voltar ao que era antes, mesmo que exista uma preocupação em relação a oportunistas de plantão que continuam insistindo na permanência do status quo. A sociedade não vai permitir o retorno ao passado”, disse. Para a ex-ministra, no entanto, ainda há muito a ser feito: “Ainda não conseguimos banir o caixa 2”.

+

Fabio Gadotti