Acusada de matar grávida para roubar bebê em Canelinha é ouvida pela Justiça

Rozalba Maria Grime e o ex-companheiro, Zulmar Schiestl, foram ouvidos na primeira audiência nesta terça (16)

A acusada de matar uma jovem grávida e roubar o bebê, em Canelinha, foi ouvida nesta terça-feira (16) pelo juízo da Comarca de Tijucas, na Grande Florianópolis.

Rozalba Maria Grime e o ex-companheiro, Zulmar Schiestl, de 44 anos, foram ouvidos na primeira audiência do rito do julgamento, que aconteceu de forma virtual.

Acusados de matar grávida para roubar bebê em Canelinha são ouvidos pela Justiça – Foto: Arquivo/Anderson Coelho/NDAcusados de matar grávida para roubar bebê em Canelinha são ouvidos pela Justiça – Foto: Arquivo/Anderson Coelho/ND

Além dos réus, outras 14 testemunhas foram ouvidas. O MPSC (Ministério Público de Santa Catarina), o assistente de acusação e as defesas devem se manifestar no prazo legal de cinco dias.

Depois, o magistrado deve decidir se pronuncia os acusados, ou seja, se leva Rozalba e Zulmar a júri popular, ou não. O advogado de defesa de Rozalba, Rodrigo Goulart, acredita que ela deve ser levada a júri popular.

O magistrado pode ainda acatar a recomendação do MPSC e da Polícia Civil, que concluiu em inquérito que Zulmar não teve participação do crime, e inocentar o ex-companheiro de Rozalba da participação no crime.

Rozalba deve responder pelos crimes de homicídio qualificado, tentativa de homicídio, subtração de incapaz, ocultação de cadáver e fraude processual.

“Fragilizado”

O advogado de defesa de Zulmar, Ivan Roberto Martins Jr, conta que ele ainda está muito “fragilizado” com toda a situação.

Zulmar foi acusado de participar do crime, mas o inquérito policial concluiu que ele não sabia das intenções de Rozalba. Ele havia sido preso em agosto, mas teve a prisão revogada em outubro, com a conclusão das investigações.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

+

Justiça SC