Assédio e arma de sargento da ONU provocam confusão em chá de bebê em SC

Arma de fogo era de convidado que é sargento do Exército brasileiro, mas foi usada por anfitrião da festa durante confusão

Uma confusão em um chá de bebê em Itajaí no Litoral Norte de Santa Catarina fez a 2° Câmara Criminal de Justiça manter uma condenação de um homem por porte ilegal de arma de fogo. A briga ocorreu durante o chá de bebê do filho do réu.

A festa, acontecia na piscina de um condomínio em Itajaí, quando foi interrompida após discussões  entre o subsíndico e o responsável pela arma, primo do réu, que é sargento do Exército Brasileiro e compõe as Forças de Paz da Organização das Nações Unidas (ONU).

Segundo os depoimentos, o subsíndico não era convidado da festa e, bêbado, teria feito brincadeiras de mal gosto, inclusive com assédio a um jovem convidado, afilhado do anfitrião.

Anfitrião teria pego arma de sargento da ONU enquanto se envolveu na confusão – Foto: Arquivo/NDAnfitrião teria pego arma de sargento da ONU enquanto se envolveu na confusão – Foto: Arquivo/ND

O Boina Azul, como são chamados os integrantes das Forças de Paz da ONU, portava uma arma carregada, mas disse em depoimento que achou ruim a ideia de deixá-la no carro e a levou consigo para a festa. Indignado com o comportamento inadequado do subsíndico, foi confrontá-lo, não sem antes deixar seu coldre com a arma sobre um balcão. Ao pedir para que o subsíndico parasse de importunar os convidados, teve início uma discussão.

O anfitrião, em sua defesa, contou que foi guardar os pertences do primo de cima do balcão quando, no mesmo instante, viu seu pai receber um empurrão e cair ao chão. Com o coldre nas mãos, entrou no tumulto. Convidados lhe alertaram que ali dentro havia uma arma, mas ele não recuou e nem buscou guardar o equipamento imediatamente.

Em sua apelação, o réu alegou que não ameaçou nem apontou a arma para ninguém, apenas carregava o coldre e só depois veio a perceber o que tinha em mãos. O argumento não convenceu o desembargador Norival Acácio Engel, relator da matéria.

“O próprio apelante, aliás, disse à autoridade policial que, embora inicialmente não tenha identificado o objeto que segurava, posteriormente foi avisado por outros convidados e percebeu se tratar de uma arma de fogo.”

A Polícia Militar atendeu ao chamado, assistiu a ação pelas câmeras de vigilância do condomínio e obteve a confissão espontânea do réu, que foi preso em flagrante por porte irregular de arma de fogo de uso permitido.

A condenação, mantida pelo TJ, fixou a pena em dois anos de reclusão, convertida em prestação de serviços à comunidade por igual período e pecuniária, além do pagamento de dez dias-multa que totalizam R$ 937,00.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Itajaí e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Justiça SC

Loading...