Defesa de motorista que atropelou família nos Ingleses nega embriaguez

Diego Sales, de 34 anos, teve a prisão preventiva decretada por decisão judicial na noite de sábado (2); defesa do réu informou que irá recorrer nesta semana

A defesa do motorista Diego Sales, de 34 anos, que teve a prisão preventiva decretada por atropelar uma família na calçada da rua das Gaivotas, no bairro Ingleses, em Florianópolis, na última sexta-feira (1º), alegou que os argumentos utilizados foram “injustos”.

No despacho, emitido na noite de sábado (2) o juiz Reny Baptista Neto apresentou indícios de que o motorista estava embriagado e teria tentado fugir do local. O advogado do réu, Felippe Laurentino, classificou os pontos como “inverdades absolutas”.

A defesa do motorista informou que ainda durante esta semana irá recorrer da decisão, com o objetivo de retirar a prisão preventiva.

Acidente na Rua das Gaivotas, nos Ingleses – Foto: Corpo de Bombeiros/divulgação/NDAcidente na Rua das Gaivotas, nos Ingleses – Foto: Corpo de Bombeiros/divulgação/ND

“Nossa posição oficial é que a principal aflição e preocupação no momento é a recuperação da adolescente. Após isso sanado, nós colocaremos nossa força total em cima da injusta prisão decretada”, afirma Laurentino.

O juiz Reny Baptista Neto, que decidiu pela prisão preventiva, disse que “existem indícios suficientes da autoria e materialidade”, principalmente por conta dos depoimentos dos policiais militares responsáveis pela prisão, de uma testemunha e do vídeo do portão principal do imóvel atingido.

Na decisão, o juiz também cita que Diego estava dirigindo em estado de embriaguez, “pois apresentava forte odor etílico, fala arrastada, olhos vermelhos, dentre outras constatações”. O motorista, morador de Brasília (DF), se recusou a fazer o teste do bafômetro.

Além disso, segundo os policiais que atenderam a ocorrência, Diego tentou fugir do local sem prestar socorro às vítimas. Outros passageiros que estavam no veículo conseguiram fugir sem serem identificados.

A defesa do réu negou as acusações. “Não há como admitir a embriaguez, tampouco a fuga alegada. Há vídeos que comprovam que ele não tentou se eximir da responsabilidade. Ele buscou abrigo temendo pela sua vida, inclusive orientado por um policial à paisana, porque as pessoas o ameaçavam”, relatou o advogado.

Felippe Laurentino não divulgou as imagens citadas, mas informou que irá anexá-las ao processo como provas.

Em sua versão, o advogado de defesa afirma que Diego Sales não consumiu nenhum tipo de bebida alcoólica no dia do acidente, assim como os passageiros.

Relatos de testemunhas no local apontaram a presença de um cooler com gelos, taças e supostas bebidas alcóolicas. Sobre essas acusações, o advogado alega que o recipiente continha apenas água.

Outro ponto citado pelo juiz Reny Baptista Neto no despacho é de que com o salário fixo de R$ 1,5 mil mensais mais comissão declarado pelo réu, seria “muito improvável” de ser proprietário de um veículo como o do acidente, que se trata de uma Land Rover/SC blindada.

A defesa do réu rebateu a acusação. “Esse é um argumento completamente vazio. O carro tem um valor de mercado comum”.

De acordo com a tabela FIPE, o valor do carro em questão (sem blindagem) até a atual data fica entre R$ 70 mil e R$ 110 mil.

Estado de saúde da vítima é grave

O Hospital Celso Ramos, onde a adolescente de 15 anos ainda está internada, não divulga atualizações do quadro da vítima publicamente.

No despacho, o magistrado revela trechos do depoimento do irmão, que dá mais detalhes sobre as lesões.

“Em seu depoimento, o irmão da vítima, informou que a irmã sofreu gravíssimas lesões que culminaram por lhe quebrar alguns membros, além de perfurarem-lhe o pulmão, de forma que referida vítima teve de passar por cirurgia no hospital Celso Ramos. Desse modo, é de se ver que a vítima apresenta estado grave de saúde e incerto, podendo, ainda, apresentar sequelas mais graves por conta do acidente causado pelo conduzido”.

No momento do acidente, a vítima estava junto com a mãe, o pai e o irmão. O veículo acertou em cheio apenas a adolescente.

A mãe sofreu leves lesões ocasionadas pelos vidros, enquanto os outros familiares saíram ilesos.

Relembre o caso

No fim da tarde da última sexta-feira (1º), a família caminhava na calçada da rua das Gaivotas, no bairro Ingleses, quando foi surpreendida pela Land Rover.

A adolescente ficou presa sob uma das rodas do veículo e teve múltiplas fraturas constatadas. Ela recebeu os primeiros socorros de populares que presenciaram o acidente e de salva-vidas que se deslocaram da praia, a poucos metros do local.

Segundo o Tenente Coronel Leandro Amorim, responsável pela aeronave Águia, a jovem estava com fraturas graves que exigiram procedimentos avançados da equipe de resgate.

Ela foi deslocada por via aérea até o Hospital Celso Ramos, no Centro da Capital.

O motorista ficou “escondido” no hall de entrada do prédio onde ocorreu o acidente até a chegada da polícia. Ele foi preso preventivamente em flagrante e se recusou a fazer o bafômetro.

Acesse e receba notícias da Grande Florianópolis pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Justiça SC