Justiça bloqueia bens de ex-presidente da Câmara de Laguna e de empresários

Dinheiro era repassado por político em troca de cargos e contratos licitatórios, além de tentar garantir sua reeleição como presidente da casa legislativa

A Justiça, em liminar do juiz Pablo Vinicius Araldi, da 2ª Vara Cível da comarca de Laguna, bloqueou R$ 1,5 milhão em bens de réus em uma ação pública que inclui um ex-vereador, uma ex-secretária municipal, dois empresários, quatro engenheiros civis e três empresas da cidade do Sul do Estado. A prática dos atos de improbidade foi desvendada por meio da Operação Seival II, deflagrada em setembro de 2020.

A obra de reforma da câmara chegou a ser oferecida em troca de valores em dinheiro adiantado – Foto: Divulgação/Câmara Municipal de Laguna/NDA obra de reforma da câmara chegou a ser oferecida em troca de valores em dinheiro adiantado – Foto: Divulgação/Câmara Municipal de Laguna/ND

Segundo a denúncia, ainda em 2017, o vereador recebia dinheiro dos empresários em troca de cargos e contratos, além de pretender assegurar a reeleição para presidente da câmara municipal. O presidente da Câmara, à época, era o vereador Cleosmar Fernandes (MDB).

Ainda conforme a denúncia, com a incerteza da reeleição, o político procurou novamente o empresário, oferecendo a garantia para que ele realizasse a obra de reforma do prédio da Câmara, mas o que não ocorreu.

A licitação chegou a ser iniciada, mas no procedimento não havia concorrência, em virtude de os sócios e alguns funcionários das empresas participantes, em conluio, realizarem somente simulações, corroborando para que a empresa vencedora tivesse sucesso em provar que o processo havia sido legítimo, conforme apontou a Justiça.

A obra de reforma em pintura serviria, também segundo a Justiça, como moeda de troca pelos valores em dinheiro já adiantados em favor do ex-vereador, assim como ocorreria no preenchimento dos cargos comissionados.

Além disso, outras irregularidades apareceram, como vários itens com preço superfaturado e parte da obra que nem chegou a um estágio avançado, mesmo com o pagamento adiantado.

+

Justiça SC