Autor de feminicídio foi condenado a 24 anos de prisão em São João do Sul

Segundo a Polícia Civil, o crime foi motivado por ciúmes. O homem foi condenado a 24 anos de prisão em regime inicial fechado

O homem denunciado pelo MPSC (Ministério Público de Santa Catarina) pelo feminicídio de Adriana Cristina Martins, de 34 anos, assassinada a golpes de faca, em São João do Sul, no Sul catarinense, foi condenado a 24 anos de prisão em regime inicial fechado. 

A sessão de julgamento do Tribunal do Júri da Comarca de Santa Rosa do Sul realizada na última quinta-feira (19), condenou o homem, de 42 anos, que estava preso preventivamente desde o crime. O réu não terá o direito de recorrer em liberdade.

O crime

O crime ocorreu no dia 5 de novembro de 2019, quando o companheiro da vítima teria desferido golpes de faca na mulher na frente dos filhos do casal, de 12, 10 e 5 anos, após uma discussão. A mulher que já havia registrado boletins de ocorrência por violência doméstica contra o homem, solicitou na mesma tarde, por volta das 15h30, um novo boletim de ocorrência pedindo a medida protetiva de urgência para que o companheiro se afastasse do lar.

Uma hora após, Adriana teria chegado em casa e mostrado a medida protetiva para o companheiro, quando foi brutalmente assassinada com diversos golpes por todo o corpo. Após atacar a vítima, o condenado que já tinha antecedentes por violência doméstica, tentou cometer suicídio mas foi preso em flagrante pela polícia e encaminhado para o hospital em estado grave.

Na época, de acordo com o delegado André Coltro, o motivo do crime seria ciúmes. O casal vivia em união estável e a vítima estaria pensando em se separar.

A sentença

Segundo informações do Ministério Público de Santa Catarina, os jurados reconheceram as quatro qualificadoras apontadas na denúncia: motivo torpe, meio cruel, meio que dificultou a defesa da vítima e crime contra mulher em razão da condição do sexo feminino (feminicídio), conforme sustentou o Promotor de Justiça Paulo Henrique Lorenzetti da Silva. 

Os jurados também reconheceram a causa de aumento em razão do crime ter sido efetuado na frente dos filhos da vítima. 

A Promotoria de Justiça de Santa Rosa do Sul estudará a sentença para possibilidade de recorrer para aumentar a pena. 

+

Justiça SC