Moro interrompe a coletiva: solto por coronavírus é preso por tráfico no RS

Pouco depois do fim da coletiva ser anunciado, o ministro da Justiça e da Segurança Pública pediu a palavra para falar sobre a prisão de um detento com arsenal de guerra e droga avaliada em R$3,7 mi

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, falou sobre as deliberações da pasta no combate a pandemia do novo coronavírus. O ex-magistrado concedeu entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (31), no Palácio do Planalto.

Coletiva para falar sobre as ações de enfrentamento no combate ao novo coronavírus. Foto: Marcello Casal/Agência Brasil/ND

Ao lado do chefe da Casa Civil, general Braga Netto, do ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, além do responsável pela economia, Paulo Guedes, Moro explanou sobre os investimentos, em parceria com a saúde, que estão sendo feitos no setor de segurança, sobretudo, no sistema prisional.

Leia também

Sérgio Moro falou sobre a liberação de presos em todo o País todos, segundo ele, pormenorizadas ou, pelo menos, dentro do que se enquadra em público de risco em meio ao surto que acomete o País inteiro. O ministro lembrou que a soltura, ao menos enquanto perdurar o cenário atual, deve ser mantida.

“As medidas preventivas possíveis estão sendo tomadas. Se tiver uma aplicação individualizada, não exige problema. O que tem que tomar cuidado é com a soltura de membros do crime organizado. O que não precisamos é aliar a pandemia na saúde e os problemas na economia, com uma possível crise na segurança”, explicou.

Sérgio Moro citou a Portaria número 52 do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), de 12 de março de 2020, onde estabelece medidas temporárias de prevenção ao contágio pelo novo coronavírus.

“Essas solturas precisam ser bem ponderadas e não é um juízo de censura, mas a necessidade de se evitar que a população fique excessivamente vulnerável”, acrescentou.

Força Nacional, Polícias Rodoviária e Federal

Uma portaria foi assinada, a pedido do chefe da pasta, para que a Força Nacional contribua com a saúde. Agentes e viaturas serão explorados para escolta de medicamentos, guardas de locais estratégicos.

“As ações tomadas pela Força Nacional serão definidas com o Ministério da Saúde”, explicou, lembrando a necessidade da unidade estar de prontidão em uma eventual intervenção.

A Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal, segundo Moro, também estão a disposição da Saúde, se precisar. Ele ponderou sobre a função primordial das polícias, mas exaltou a condição delas de ferramenta no combate a disseminação da pandemia.

Na última semana a PRF escoltou uma carga de luvas cirúrgicas avaliada em R$2 milhões com origem no Paraná e destino Santa Catarina.

Coletiva interrompida e arsenal apreendido

Pouco antes de terminar o pronunciamento sobre as ações de enfrentamento no combate ao novo coronavírus, o ministro Sérgio Moro pediu a palavra logo depois do anúncio do término da entrevista.

Apreensão é considerada a maior do ano para a Polícia Civil do Rio Grande do Sul – Foto: Polícia Civil RS/divulgação

Moro falou, ainda sem ter confirmado, sobre a detenção de um elemento de 38 anos, em São Leopoldo (RS), de um apenado que, gozando da liberdade provisória em função da pandemia, foi preso com arsenal de armamentos e quantia relevante de droga.

“De fato, medida de soltura, é preciso ser muito bem avaliada e isso não é uma crítica, mas não tem como soltar preso que tem ligação com facção criminosa sob pena de ameaçar a população”, alertou.

A reportagem apurou e, na verdade, a prisão aconteceu em Campo Bom (RS), cerca de 20 km de São Leopoldo em uma residência de classe média alta. No interior da residência a Polícia Civil encontrou 124kg de cocaína em valor estimado R$3,7 milhões, além de 12kg de crack e outros cinco de maconha.

Também foram localizados cinco fuzis calibre 556, um fuzil calibre 762 além de uma submetralhadora de calibre 9 milímetros. Foram encontrados ainda 5 mil cartuchos de munição para os fuzis, coletes balísticos e toucas balaclava.

O indivíduo, natural de Sapucaia do Sul, tinha antecedentes criminais e foi preso em flagrante na ação.

+

Justiça