Moacir Pereira

Notícias, comentários e análises sobre política, economia, arte e cultura de Santa Catarina com o melhor comentarista politico de Santa Catarina. Fundador do Curso de Jornalismo da UFSC. Integrante da Academia Catarinense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina, é autor de 53 livros publicados.


Carnaval da Terceira Idade, Bloco da Lava Olimpo

O novo escrito de João José Leal

Artigo oportuno, inteligente e com belo texto foi publicado pelo procurador aposentado, professor e escritor João José Leal, de Brusque, sobre os abusos de ministros do Supremo Tribunal Federal. Confira:

Escritor analisa a atual conjuntura judicial e política – Foto: Arquivo/NDEscritor analisa a atual conjuntura judicial e política – Foto: Arquivo/ND

Neste ano, a pandemia ainda ameaçando a nossa gente, os condôminos do Mares do Atlântico decidiram suspender o seu carnaval da terceira idade. Mas, as mulheres usando máscaras, continuam se reunindo e o assunto do último final de tarde foi o baile do ano passado.

Querendo ser a melhor, a turma de Curitiba formou um bloco de doze casais, quase todos já passando dos 70 anos de idade, para “homenagear” a justiça criminal brasileira, tão empenhada no combate à corrupção.

Cantando e pulando, num cortejo triunfal de ofuscar a alegria dos demais carnavalescos, o Bloco Operação Lava-Olimpo dos foliões paranaenses entrou no salão para arrasar. Ostentando luxuosas fantasias, portando máscaras que diziam vindas de Veneza, os curitibocas realmente impressionaram pela beleza das plumas, dos paetês e o colorido das fantasias.

Os homens vestiam togas negras de seda reluzente, compridas de tocar o chão, cheias de rendas e babados. Na cabeça, aquele chapéu medieval, o capelo de magistrado. No rosto, máscaras com caricaturas ridicularizando os onze deuses do Supremo Olimpo, que não estavam, e continuam em baixa, nas conversas e discussões do povo brasileiro.

Um deles, no entanto, se distinguia com a máscara do mortal magistrado Sérgio Moro, grande herói da justiça da terráquea conhecida por República de Curitiba.

As mulheres, então, capricharam nas fantasias à imagem das vestes divinas das deusas gregas da sabedoria, da justiça e da beleza feminina. Uma delas, formada em Direito na década de 1960, conhecia essa história dos gregos terem deusas para tudo. Com douradas máscaras cobrindo o rosto, prateadas espadas e balanças nas mãos, as folionas curitibanas, desfilaram numa versão carnavalesca das mitológicas Themis, Atenas e Afrodite, dançando e se requebrando ao som da antiga marcha carnavalesca Mamãe eu Quero Mamar.

Depois da volta triunfal pelo salão, a parada para uma rápida encenação. Então, as deusas da justiça apontaram suas espadas para os 11 deuses-magistrados do Supremo Olimpo, dizendo-lhes aos gritos que a verdadeira justiça deve ser feita com os mesmos pesos da sagrada balança da equidade. E não com a gangorra dos vícios humanos, dos interesses escusos e das filigranas de uma hermenêutica abstrata, descolada do sentimento de justiça popular.

Foi um sucesso. A turma de Curitiba tomou conta do baile.

Se este ano tivesse carnaval da Terceira Idade, certamente, o bloco seria o da “Covid-19 – Vacina x Cloroquina”, porque este é o assunto do momento. Além disso, contrariados com a prisão dos grandes assaltantes dos cofres da nação, os deuses do Olimpo planaltino estão querendo acabar com a Lava-Jato.

E o Brasil vai continuar sendo o país do carnaval, a elite nos camarotes e o povo pé no asfalto.”