Ciclo olímpico do Brasil teve R$ 950 milhões e recorde de medalhas em Tóquio

COB (Comitê Olímpico do Brasil) deixa o Japão festejando a façanha e animado com as novas modalidades, como surfe e skate

Com investimento de R$ 950 milhões no ciclo olímpico estendido por causa da pandemia, de quatro para cinco anos (2017-2021), o Brasil bateu todos os recordes possíveis nos Jogos de Tóquio. Ganhou mais medalhas na soma geral do que as 19 do Rio-2016, as atletas mulheres subiram ao pódio mais vezes do que as sete de Pequim-2008 e a quantidade de medalhas de ouro já havia sido igualada um dia antes do fim da Olimpíada: sete, como no Rio.

O COB (Comitê Olímpico do Brasil) deixa o Japão festejando a façanha e animado com as novas modalidades, como surfe e skate, de modo a ter planos ambiciosos vislumbrando a edição de Paris, daqui a três anos. O planejamento é de o Time Brasil mudar seu patamar na França e subir mais degraus no quadro de medalhas. Ao lado da Alemanha, em 1972, e da Grã-Bretanha, em 2012, o Brasil melhora seu desempenho depois de sediar uma edição olímpica. Não costuma ser assim.

Pedro Quintas durante fase classificatória para final – Foto: Gaspar Nóbrega/COB/NDPedro Quintas durante fase classificatória para final – Foto: Gaspar Nóbrega/COB/ND

Ao dinheiro investido da Lei Piva, Bolsa Atleta (governo) e patrocinadores, junta-se o talento de atletas dessas modalidades debutantes, cujos competidores são jovens, acima da média e com pelo menos mais dois ciclos olímpicos para cumprir, Paris e Los Angeles, em 2028.

Aos R$ 800 milhões anunciados em 2017 para a formação e preparação dos atletas, o COB teve aporte de mais R$ 150 milhões das loterias para manter os competidores em ação por mais um ano após o COI (Comitê Olímpico Internacional) ter de adiar a disputa de 2020 para 2021 por causa da covid-19.

Se tivesse ficado nos R$ 800 milhões, o Brasil teria gasto perto do aporte feito para a edição de Londres, cujo montante destinado ao COB atingiu R$ 770 milhões. A verba só foi maior no Rio-2016, quando os gastos bateram em R$ 1,9 bi – por ser o país-sede e ter participado de todas as modalidades do programa olímpico.

“Reestruturamos algumas áreas do COB, renegociamos contratos e tivemos um contingenciamento que é saudável e que nos ajudou a não sofrer grandes problemas. Cortamos gastos em outras áreas (R$ 43 milhões), mas o foco nunca deixou de ser a preparação dos atletas. Isso nós nunca mudamos”, disse o presidente do COB, Wanderley Teixeira, antes dos pódios em Tóquio.

Dois dos novos esportes que integraram o programa olímpico confirmaram no Japão as expectativas e contribuíram bastante para o Brasil saltar no quadro de medalhas. Graças ao ouro no surfe e às três medalhas de prata no skate, a delegação nacional alcançou a maior campanha de sua história, superando as 19 medalhas do Rio-2016.

“O desempenho foi muito bom. Dos 12 atletas que vieram para cá, três subiram ao pódio. É um resultado excelente”, diz Eduardo Musa, presidente da CBSk (Confederação Brasileira de Skate). Para o novo ciclo olímpico é certo que a modalidade terá maior investimento. Isso ainda não está definido, mas o COB tem apostado em modalidades com potencial. O Comitê passa a monitorar mais, oferecer melhores condições e até pensar em treinadores mais bem preparados, alguns até do exterior, como teve o canoísta Isaquias Queiroz, ouro na prova individual do C1 1000m.

O skate obteve três pratas com Kelvin Hoefler, Rayssa Leal (ambos no street) e Pedro Barros (park). Existia a expectativa de ouro, principalmente com Pâmela Rosa ou Leticia Bufoni, mas elas não conseguiram. Pâmela competiu machucada.

Quem também teve chance de ser bronze foi Luizinho Francisco. Ele fez uma última volta de alto nível, mas os juízes não lhe deram os pontos necessários. Eles devem estar em Paris.

No surfe, quem levou o ouro foi Italo Ferreira. Gabriel Medina chegou perto, foi bem em toda a competição, mas perdeu na semifinal em bateria apertada e caiu na disputa pelo bronze. “É uma conquista incrível para a minha carreira, mas no pessoal é ainda mais importante: posso olhar para trás, ver da onde vim, com quem cresci, aqueles que estavam ao meu lado e acreditaram em todos os momentos. Acho que a parte mais difícil era lá no passado: acreditar, perseverar, treinar. Hoje só vivo um sonho e tenho de aproveitar”, disse Italo.

Com o bom desempenho das duas modalidades em Tóquio, a expectativa é de que, para Paris, o sucesso continue. “A gente tem um trabalho de base, com pessoas ótimas cuidando disso, e temos muitos skatistas bons. Então, tenho certeza de que o Brasil estará forte em 24 e 28. Quem esteve aqui em Tóquio não terá vida fácil para ir à próxima Olimpíada por causa da qualidade dos atletas”, diz Musa.

O cenário no surfe é parecido. Um dos grandes surfistas do Brasil, Filipe Toledo, ficou como reserva em Tóquio. Sophia, irmã de Gabriel Medina, pode começar a surpreender.

Para o presidente da CBSk, o mais importante agora é oferecer estrutura para os atletas e recursos para competir com os melhores do mundo. “A gente precisa continuar levando o maior número de skatistas para as disputas internacionais, dando oportunidade para todos, e acho que esse calendário vai ser muito mais difícil agora.”

Lei Piva

Em 2020, a Lei Agnelo/Piva (20 anos) destinou ao COB R$ 292,5 milhões, o equivalente a repasses de 1,7% do valor apostado nas loterias federais do País. O COB investiu R$ 60 milhões somente na logística da viagem e o período de aclimatação em Tóquio. Neste ano, foram destinados outros R$ 150 milhões às confederações para treinamento e competições de preparação, R$ 12 milhões para o desenvolvimento das categorias de base e R$ 30 milhões somente naquelas modalidades com mais chances de pódio.

Na divisão do bolo entre as confederações, surfe e skate ficaram com valores mais baixos por serem novas no programa olímpico. A expectativa é que o próximo repasse seja maior.

Para além disso, as entidades buscam patrocínios. A CBSk acertou um acordo de um ano com a Caixa, até junho de 2022, no valor de R$ 6,4 milhões. “Nossa situação financeira é boa no sentido de poder dar estrutura. Esporte em alto nível se faz com dinheiro. A gente fez uma viagem antes da Olimpíada quando o dólar estava custando R$ 5,30. São mais de 20 pessoas, nos EUA, por 30 dias. Sai caro. Não podemos ficar na fantasia de que o dom e o talento vão resolver tudo. A gente precisa de estrutura. Porém, nossa administração é segura”, reconhece o dirigente do skate.

O pensamento vale para todas as modalidades esportivas. Os nadadores do Brasil já comentaram em anos passados que eles deveriam competir nas provas americanas, contra os nadadores dos EUA. Bruno Fratus fez isso. Ele foi bronze em Tóquio na prova dos 50m livre. Amanhã, o novo ciclo começa.

Participe do grupo e receba as principais notícias
do esporte de Santa Catarina e do Brasil na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Mais Esportes

Loading...