Relembre como o Brasil ganhou as três primeiras medalhas de ouro, prata e bronze em Tóquio

Atletas brasileiros do surfe, do skate e do judô inauguraram o quadro de medalhas do país nos Jogos Olímpicos

As primeiras três medalhas do Brasil de ouro, prata e bronze nas Olimpíadas de Tóquio 2020 foram conquistadas no domingo (25) e na madrugada de terça-feira (27) no surfe, na skate e no judô, respectivamente.

Medalhas em Tóquio: Surfista garante o primeiro ouro do Brasil nesta terça-feiraSurfista garante o primeiro ouro do Brasil nesta terça-feira – Foto: Rodolfo Vilela/rededoesporte/Divulgação/ND

A primeira medalha de ouro do Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio veio no surfe, com Ítalo Ferreira, na madrugada de terça-feira (27).

O campeão do último Circuito Mundial obteve um ótimo desempenho na final, em que venceu o japonês Kanoa Igarashi por 15,14 a 6,60. E como a modalidade estreou na competição apenas nesta edição, Ítalo sagrou-se como o primeiro campeão olímpico do surfe de todos os tempos.

Na primeira manobra que tentou, ele quebrou a prancha e precisou pegar uma nova, com isso, Kanoa Igarashi abriu vantagem com 4,50 contra 1,70 do brasileiro, ainda nos minutos iniciais de prova.

Ítalo decola com manobras nas ondas da praia de Tsugaraki – Foto: Rodolfo Vilela/rededoesporte/Divulgação/NDÍtalo decola com manobras nas ondas da praia de Tsugaraki – Foto: Rodolfo Vilela/rededoesporte/Divulgação/ND

Mas o surfista brasileiro logo se recuperou e na onda seguinte recebeu a nota de 7,00 antes de conquistar 8,7 contra o Japonês. Ele ficou motivado e, antes mesmo do adversário tentar outra manobra, pegou uma nova onda e somou mais 5,50 de nota, totalizando 12,50 contra apenas 5,60 do concorrente.

Nos últimos 10 minutos de prova, Kanoa ainda tentou algumas ondas, mas não teve sucesso, e sua nota aumentou somente um ponto. Diferente do japonês, o brasileiro abriu maior vantagem nos últimos minutos com uma pontuação de 15,14, e foi comemorar o primeiro ouro do Brasil nas Olimpíadas de Tóquio 2020.

Primeira medalha de prata do Brasil em Tóquio

Na madrugada de domingo (24), o skatista Kelvin Hoefler, de 28 anos, ficou em segundo lugar na prova de street e garantiu, não só a primeira medalha de prata na modalidade ao seu país, como a primeira medalha do Brasil na competição.

Kelvin terminou as duas voltas na primeira posição, mas, durante as manobras, passou por problemas após cair duas vezes seguidas. Com isso, o atleta mudou o movimento e conseguiu uma nota alta na última tentativa e pulou, então, da terceira para a segunda colocação.

Primeira medalha do Brasil em Tóquio foi conquistada na modalidade street  – Foto: Jonne Roriz/COB/Divulgação/NDPrimeira medalha do Brasil em Tóquio foi conquistada na modalidade street  – Foto: Jonne Roriz/COB/Divulgação/ND

A pontuação final do brasileiro foi de 36,15 e só ficou atrás do japonês Yuto Horigome, que fez 37,35. Os demais brasileiros que participaram da prova, Felipe Gustavo e Giovanni Vianna, não avançaram para a final.

Em sua comemoração, Kelvin falou que se não fosse o vento ele poderia ter levado o ouro, pois não teria errado as duas manobras.

“Mas essa medalha é um ganho para o skate do Brasil, porque é bem difícil a modalidade no Brasil. Ela não é só minha, é de todos”, disse o brasileiro na ocasião.

Hoefler começou a praticar a modalidade aos 9 anos na cozinha da própria casa e, ao receber incentivos do pai, conquistou diversos prêmios ainda na adolescência.

Em 2014 o atleta foi morar em Los Angeles, nos EUA, e ganhou mais notoriedade ao tornar-se hexacampeão do mundo.

Primeira medalha de bronze do Brasil em Tóquio

No segundo dia das Olimpíadas de Tóquio, o gaúcho Daniel Cargnin, de 23 anos, venceu o israelense Baruch Shmailov no judô e levou o primeiro bronze do Brasil na competição na categoria peso-meio-leve (até 66 kg).

O judoca brasileiro teve dificuldade para conseguir a pegada na luta, teve duas entradas sem sucesso e, com um minuto, o adversário recebeu uma punição por falta de combatividade. Em seguida, Daniel teve um wazari com um belo golpe.

Daniel vence 4 de 5 combates e garante a medalha de bronze – Foto: Breno Barros/ rededosporte.gov.br/Divulgação/NDDaniel vence 4 de 5 combates e garante a medalha de bronze – Foto: Breno Barros/ rededosporte.gov.br/Divulgação/ND

Com a intensidade do confronto, Cargnin sofreu um corte no nariz numa entrada do Shmailov e a luta precisou ser interrompida. Os dois voltaram após pouco tempo e, nos segundos finais o brasileiro tomou punição por falta de combatividade, mas garantiu a vitória.

No final do confronto, o atleta chorou emocionado com a treinadora Yuko Fujii.

Vale relembrar que nas primeiras fases, Daniel derrotou Mohamed Abdelmawgoud (EGI) e Denis Vieru (MOL). Nas quartas de final, ele teve uma vitória mais expressiva sobre o italiano Manuel Lombardo, primeiro colocado do ranking mundial, com um wazari nos segundos final.

Já na semifinal, Cargnin bateu de frente com o Hifumi Abe, judoca da casa, e, apesar de ter mostrado muita personalidade, foi derrotado por ippon.

Participe do grupo e receba as principais notícias
do esporte de Santa Catarina e do Brasil na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Mais Esportes

Loading...