Após 2 anos, Beira-mar Norte em Florianópolis está mais limpa, mas segue poluída

Unidade de recuperação tratou mais de 7 bilhões de litros de esgoto, porém mais de 70% dos imóveis tem ligação de esgoto irregular

A instalação da URA (Unidade de Recuperação Ambiental) na Beira-mar Norte, em Florianópolis, completou dois anos neste mês. Com ela, a Casan (Companhia Catarinense de Águas e Saneamento) estima ter tratado mais de 7 bilhões de litros de esgoto.

Apesar do avanço, ainda não há perspectiva para recuperação ambiental completa da baía, ressalta o órgão. A região ainda conta com mais de 70% de imóveis com esgoto irregular, além da permanência dos resquícios de mais de cinco décadas de poluição.

Após 2 anos, Beira-mar está mais limpa mas ainda sem perspectiva de despoluiçãoBeira-mar ainda convive com mais de 70% dos imóveis cometendo algum tipo de irregularidade no despejo do esgoto – Foto: Arquivo/Anderson Coelho/ND

Através de uma estrutura complexa e que custou aos cofres públicos cerca de R$ 18 milhões, a URA recebe a água contaminada e realiza o tratamento físico-químico. Além dos mais de 7 bilhões de litros de esgoto, a Casan estima que a estrutura reteve mais 667 toneladas de lixo. O esforço corresponde a 3 mil piscinas olímpicas e 95 caminhões de lixo, respectivamente, segundo a Casan.

A melhora é também resultado de iniciativas como o Floripa Se Liga na Rede, que fiscaliza o despejo irregular de esgoto na Capital. É possível perceber a melhora com a retomada da pesca na região, com o fim do mau cheiro que vinha da água e na clarificação do mar, considera a Companhia.

A balneabilidade da praia, entretanto, ainda oscila. A última avaliação do IMA (Instituto do Meio Ambiente), do dia 10 de março, considera balneável apenas a região em frente à Praça Esteves Junior. Seguem impróprios os pontos próximos à Rua Altamiro Guimarães e ao monumento da Polícia Militar.

Irregularidades

Cerca de 76% dos imóveis ainda cometem irregularidades no despejo de esgoto na região, o que prejudica a qualidade da água. No início do Programa Floripa Se Liga na Rede, em novembro de 2019, o número era de 96%. Apesar da queda, a taxa se mantém alta.

Além da regularização dos imóveis, a Casan considera fundamental para o avanço da recuperação ambiental da Beira-mar a ampliação das estações de tratamento de esgoto Saco Grande e Insular (próxima à cabeceira da ponte). As obras iniciaram em fevereiro deste ano.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Meio Ambiente

Loading...