Aquífero do Campeche opera para evitar falta de água em Florianópolis; veja como funciona

Manancial responsável pelo abastecimento de bairros do Sul e Leste da Ilha, Lagoa do Peri está com a captação reduzida em 50%

Em tempos de estiagem e reservatórios quase secos, é preciso buscar alternativas para manter o abastecimento.

Nesse cenário, a Casan (Companhia Catarinense de Águas e Saneamento) colocou em operação, nos últimos 90 dias, dez poços artesianos do Aquífero do Campeche, no Sul da Ilha de Santa Catarina, que são utilizados, normalmente, durante a alta temporada.

Estiagem na Lagoa do Peri impacta na captação de água da Casan – Foto: Anderson Coelho/NDEstiagem na Lagoa do Peri impacta na captação de água da Casan – Foto: Anderson Coelho/ND

Os poços têm sido usados para, nesse momento de déficit hídrico, preservar a Lagoa do Peri, manancial responsável pelo abastecimento de bairros do Sul e Leste da Ilha, cuja captação foi reduzida em 50%.

A previsão do tempo divulgada pela Epagri/Ciram indica que a primeira quinzena do mês de junho deve ter frentes frias, mais umidade e mais chuva em todas as regiões de Santa Catarina.

No entanto, ainda não há previsão de uma reversão no quadro da estiagem, que acomete diversas regiões do Estado.

Poços e mananciais

A Casan explica que poço é uma obra de engenharia fundamentada em estudos geológicos, através da perfuração de rochas. São instalados com base em Normas Técnicas e com análises que levam em conta a capacidade de produção de água e, especialmente, a capacidade de recarga.

Leia também:

A principal diferença em relação a mananciais superficiais é que, em geral, as águas subterrâneas não requerem tratamentos complexos.

Já a média de vida de um poço é de 24 a 30 anos, variando de acordo com a região e uso. Quanto à capacidade, a Casan informou que os poços do Aquífero do Campeche captam, em média, 13 litros por segundo cada (em torno de 46 mil litros por hora).

Tempo de uso

O Aquífero do Campeche é pouco usado e bastante profundo, com água em abundância, mas que, segundo a Casan, exige constantes cuidados. O aproveitamento dele é constantemente avaliado e monitorado pela companhia, com análises diárias em períodos de estiagem.

Em períodos normais de chuva – e a Lagoa do Peri com nível estável -, os poços são desativados justamente para a perenidade. As estruturas costumam ser ativadas somente no período de alta temporada, quando aumenta o consumo de água.

Outros aquíferos

Outras regiões do Estado também utilizam as águas subterrâneas para o abastecimento. No Oeste, fica o Aquífero Serra Geral. Em Florianópolis, além do Aquífero do Campeche, há também o dos Ingleses.

O Aquífero Guarani é considerado o mais importante reservatório de águas subterrâneas, porque a reserva é muito grande. Fica localizado nas regiões Sul e Centro-Oeste do Brasil e também em parte dos territórios da Argentina, Uruguai e Paraguai.

O Serra Geral também é extenso e funciona como um protetor do Guarani contra a contaminação da água e é de mais fácil acesso.

O que são aquíferos

Aquíferos são formações geológicas de origem vulcânica que funcionam como reservatórios de água. O líquido fica retido nos poros das rochas subterrâneas, alimentadas pela água das chuvas que se infiltram no subsolo.

+ Meio Ambiente