Bugios podem reaparecer em Florianópolis após nascimento de dois filhotes

Os dois filhotes devem permanecer no local até a execução do projeto de reintrodução; na Capital os bugios estão extintos há pelo menos 150 anos devido, principalmente, à caça

Dois filhotes de bugios nasceram no CETAS (Centro de Triagem de Animais Silvestres), que fica em Florianópolis. Esse fato pode sinalizar uma expectativa de repovoamento da espécie na região da Grande Florianópolis.

Os animais estão sob os cuidados da família de bugios, e para evitar a interferência humana, a equipe do Instituto Silvestre acompanha alimentação e crescimento deles à distância.

Os filhotes estão sob os cuidados da família de bugios – Foto: Fotos: Divulgação/ Instituto Espaço SilvestreOs filhotes estão sob os cuidados da família de bugios – Foto: Fotos: Divulgação/ Instituto Espaço Silvestre

A instituição pontua que a estratégia de deixar os filhotes exclusivamente aos cuidados da família é uma forma de avaliar o comportamento natural dos animais, algo extremamente importante para a conservação da espécie, caso o grupo seja solto.

“Um projeto de reintrodução pode ter como metodologia a realização de solturas de animais na natureza, com a expectativa de que eles reproduzam até que sejam observados mais nascimentos do que mortes. Não sendo necessário, portanto, fazer novas solturas para a população se estabelecer”, explica a Coordenadora do CETAS, pelo Instituto Espaço Silvestre, Vanessa Kanaan.

Assim como já ocorre com a família, os filhotes que completaram no dia 3 de junho, 72 e 50 dias de vida, serão reabilitados com o objetivo de soltura para voltar a povoar a região, de onde são nativos.

Leia também:

O CETAS, localizado no Parque Estadual do Rio Vermelho, em Florianópolis, é administrado pelo IMA (Instituto do Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina), com cogestão do Instituto Espaço Silvestre.

Extintos

Em Florianópolis, os bugios estão extintos há pelo menos 150 anos devido, principalmente, à caça e à destruição do meio ambiente. Apesar da regeneração da vegetação, a espécie não conseguiu se restabelecer novamente no local.

Uma espécie pode estar extinta em uma região e em outra não, como acontece com os bugios. As duas espécies de bugio encontrados em Santa Catarina, o ruivo e o preto, não estão ameaçados de extinção no Estado, mas o bugio-ruivo, que antes ocorria na Ilha de Florianópolis, não aparece mais, por isso é considerado extinto.

01 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
  • Cocoroca
    Cocoroca
    Ilha de Florianópolis? Ajuda o jumento aí produção

+ Meio Ambiente