Captação de água na Lagoa do Peri é reduzida em 75%

Estiagem dificulta a recarga e aumenta a seca da lagoa em Florianópolis; empresa faz a captação da água em outros locais da cidade

A estiagem que dificulta a recarga e aumenta a seca da Lagoa do Peri, em Florianópolis, obrigou a Casan a reduzir novamente a captação de água bruta para preservar o manancial. Em comunicado na manhã desta terça-feira (8), a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento afirmou que  diminuiu em 75% o recolhimento de água no local.

Estiagem na Lagoa do Peri impacta na captação de água da Casan – Foto: Anderson Coelho/ND

De acordo com a empresa, o bairro Tapera está sendo abastecido pelo Sistema Integrado da Grande Florianópolis (Continente). Um novo sistema na entrada da Base Aérea da Capital, no Sul da Ilha, faz a captação para a localidade desde a semana passada.

Com a manobra, são economizados 25 litros por segundo da Lagoa do Peri. O mesmo sistema consegue abastecer também parte do bairro Rio Tavares. Uma “interligação de redes” economiza mais 10 litros por segundo da Lagoa, informou a Casan.

Conforme a Companhia, 120 litros por segundo não estão sendo captados na Lagoa do Peri, apesar de a outorga autorizar 200 litros (por segundo).

Em nota, o órgão disse que, “para complementar o volume necessário para abastecer os 141 mil moradores do Sul e do Leste da Ilha, a empresa conta ainda com um total de 12 poços do Sistema Complementar do Campeche”.

Obras esperadas

No comunicado enviado nesta manhã, a Casan informou que pretende concluir uma obra em dezembro deste ano que transportará mais 30 litros por segundo desde o Sistema Integrado para o Sul da Ilha.

“É quando entrará em operação a adutora de 2.350 metros que será assentada ao longo do acesso do novo Aeroporto Internacional Hercílio Luz”, informou a nota

Ainda sem data acertada, mas com previsão para o próximo verão, uma quinta  obra entrará em operação em Florianópolis. A adutora de 9.200 metros, interligada a poços no Rio Vermelho, vai transportar mais 25 litros por segundo, aliviando a lagoa.

“Numa sexta ação operacional programada, mais três poços serão abertos antes de dezembro, produzindo mais 30 litros/segundo”, informou a autarquia.

Redução

Apesar das manobras, a Casan já havia reduzido a captação na Lagoa na última semana. Na sexta-feira (4), o órgão informou que diminuiu 50% da captação no local. Conforme a Companhia, não há como falar em “exploração”, mas sim, em uma captação muito abaixo da histórica e habitual naquele manancial.

Os moradores da região, no entanto, temem os estragos. Em um ato na segunda-feira (7), a comunidade pediu atenção das autoridades para a situação da lagoa. Uma denúncia do MPC (Ministério Público de Contas) também foi protocolada para apurar supostas irregularidades no sistema de abastecimento.

Leia também:

+

Meio Ambiente