Casan avalia mudar edital para ressarcir atingidos da Lagoa da Conceição

Encontro "promissor" ainda não foi deliberativo. Nova reunião está marcada para esta quinta-feira (11) na sede da companhia, no Estreito

O procurador-chefe da Casan, Bruno Bonemer, classificou o diálogo com os moradores atingidos pelo rompimento da lagoa de efluentes tratados, na Lagoa da Conceição, como “promissor”. A afirmação foi feita nesta terça-feira (9), após a primeira reunião de trabalho entre a comissão de moradores, vereadores e representantes da companhia. A empresa avalia a retificação do edital de adiantamento.

Aspectos técnicos precisam ser analisados e um novo encontro está marcado para esta quinta-feira (11), na sede da Casan. Segundo Bonemer, algumas situações, que dependem de análise técnica jurídica da companhia, já poderão ser acordadas nesta quinta.

Moradores e representantes da Casan estiveram frente a frente novamente, mas em clima amistoso. Foto: Leo Munhoz/NDMoradores e representantes da Casan estiveram frente a frente novamente, mas em clima amistoso. Foto: Leo Munhoz/ND

“O que a Casan não quer é barganhar preço. Queremos ressarcí-los integralmente, mas temos uma dificuldade de rotular essa ajuda do ponto de vista jurídico”, explicou.

O edital não deverá ser anulado, mas sim retificado para contemplar algumas reivindicações e tentar vencer a desconfiança dos moradores.

“Estamos buscando adequar a pauta de reivindicação ao edital. As coisas estão sendo construídas. Ainda que nem todas as reivindicações possam ser acolhidas pelo edital, que é um documento unilateral, eles (os moradores) estão participando”, explicou Bonemer, sobre a possível retificação no edital.

Segundo o procurador, mesmo aqueles que já assinaram o edital lançado pela Casan e tiveram ressarcimento de valores, deverão ser beneficiados pela retificação.

“Conseguimos avançar em algumas questões, mas ainda não temos nenhum encaminhamento muito claro. A presença dos vereadores acalmou os ânimos e conseguimos ser mais propositivos”, analisou Amanda Nicolet, da comissão dos atingidos.

Segundo a moradora, o edital de credenciamento para ressarcimento de até R$ 10 mil de adiantamento emergencial deverá ser retificado. “Eles estão abertos a fazer essas modificações, vamos aguardar a reunião de quinta-feira”, declarou Nicolet.

A primeira reunião entre os moradores, vereadores e técnicos da Casan foi realizada terça à tarde, na sede da companhia, no Estreito, quando foi debatida a pauta de reivindicação apresentada pela comunidade.

A presidente da Casan, Roberta Mass dos Anjos, participou da abertura da reunião, por volta das 14h. O encontro se estendeu até as 18h e teve as participações dos vereadores Markito (PSOL), Carla Ayres (PT) e Renato Geske (PSDB), que integram a comissão especial do Legislativo, além de assessores jurídicos e engenheiros da companhia e cinco integrantes da comissão de moradores afetados pelo rompimento da lagoa da Casan, no dia 25 de janeiro.

A pauta de reivindicações foi revisada e o maior debate se concentrou em assuntos mais urgentes como o auxílio financeiro emergencial, uma vez que maioria dos moradores tinha a renda vinculada as residências, como o aluguel de quartos.

O aluguel de casas para os que tiveram suas residências interditadas também entrou no debate. Mas não houve nenhuma deliberação em relação à pauta de reivindicação.

Acesse e receba notícias da Grande Florianópolis pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Meio Ambiente