CGH Aparecida faz a diferença no Oeste de Santa Catarina

Central de Geração Hidráulica na região de Chapecó agrega renda aos moradores das proximidades da usina

CGH Aparecida está na margem do Rio Pesqueiro, Jardinópolis/SC. A obra se localiza a cerca de 80 km Chapecó - Fotos/Divulgação Brasil Sul Energia
CGH Aparecida está na margem do Rio Pesqueiro, Jardinópolis/SC. A obra está a cerca de 80 km de Chapecó – Divulgação/Brasil Sul Energia

Santa Catarina coleciona casos de sucesso em projetos de energia hídrica, devido à visão de parceiros que têm investido de forma certeira nas PCHs (Pequenas Centrais Hidrelétricas) e CGHs (Centrais de Geração Hidráulica). O potencial para a geração de energia hidrelétrica tem sido aproveitado com êxito no Estado e um dos exemplos é a CGH Aparecida, na margem esquerda do Rio Pesqueiro, município de Jardinópolis/SC. A obra se localiza a cerca de 80 km Chapecó, maior cidade da região Oeste de Santa Catarina.   

“Por se tratar de uma região com características totalmente agrícolas, o empreendimento vem a se destacar pela geração de emprego e contrapartida de impostos (ISS e ICMS) ao município, além da participação dos proprietários atingidos como sócios no empreendimento, agregando na renda dos mesmos. Além da atividade principal, geração de energia, os residentes locais lindeiros ao lago podem explorá-lo economicamente através do turismo rural e tanques rede”, observa Rousty Rolim, sócio da empresa responsável pela obra, a Brasil Sul Energia.

Um dos maiores financiadores do setor em Santa Catarina, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE apoiou o projeto. Rousty Rolim afirma que a parceria com o BRDE foi de suma importância, devido ao fato de proporcionar, por meio do financiamento, a execução do empreendimento. “A negociação transcorreu em total harmonia, devido à boa interface com a equipe e os canais de interlocução que o BRDE disponibiliza”, afirmou o empreendedor.

Benefícios diretos e indiretos

O empreendimento teve um orçamento de R$ 21.686.346,00, sendo que, destes, o BRDE financiou R$ 13 milhões para a execução das obras civis e instalações.  Com a missão de apoiar iniciativas sustentáveis, colaborando no fortalecimento da economia da Região Sul do Brasil, o BRDE já financiou 59 projetos de energia hídrica, com valores na ordem de R$ 638 milhões.

Para o gerente de operações da agência do BRDE em SC, Marcone Souza Melo, projetos como a CGH Aparecida beneficiam diretamente a região onde está inserida na fase de construção do projeto. “Em maior ou menor escala, são gerados empregos, há aquisições de alguns insumos do projeto no comércio local, e muitas vezes, são feitas melhorias no acesso à CGH que acabam por beneficiar moradores da zona rural dos municípios”, observa.

Marcone também ressalta que há geração de tributos, que posteriormente, retornam para o município onde está localizado o empreendimento. “De forma indireta, beneficia a região na medida em que todo projeto de geração de energias renováveis descentralizado melhora a matriz energética do país, com baixos impactos ambientais e reduzindo o custo da energia para quem adquirir o que for produzido pela CGH”, diz o gerente do BRDE.

A CGH Aparecida tem potência instalada de 3,00 MW, com duas unidades geradoras de 1,5 MW do tipo francis horizontal e com garantia física de energia de 1,538 MW - Divulgação Brasil Sul Energia
A central Aparecida tem potência instalada de 3,00 MW, com duas unidades geradoras de 1,5 MW do tipo francis horizontal e com garantia física de energia de 1,538 MW – Divulgação Brasil Sul Energia

Como funciona a CGH Aparecida

A CGH Aparecida, no Rio Pesqueiro, tem sua casa de máquinas na margem esquerda do rio. A alternativa escolhida apresenta potência instalada de 3,00 MW, com duas unidades geradoras de 1,5 MW do tipo francis horizontal e com garantia física de energia de 1,538 MW, com fator de capacidade igual a 0,51. O potencial hidrelétrico do Rio Pesqueiro, no local selecionado, apresenta uma vazão natural média disponível de 19,10 m³/s e desnível bruto de 17,36m entre as estruturas de barramento e de geração. A casa de força localiza-se a aproximadamente 4,60 km a jusante do eixo da barragem, seguindo-se o custo natural do rio.

Transmissão da energia

A linha de transmissão que faz a conexão da CGH Aparecida ao Sistema Interligado Nacional parte da subestação da CGH em 23kV, circuito simples, cabo 477,0 MCM, postes de concreto armado, numa extensão de aproximadamente 25km, até a subestação Pinhalzinho, de propriedade da Celesc Distribuição. O bay de conexão em 23 kV, a ser implantado na subestação Pinhalzinho, será construído de acordo com os padrões da Celesc. A subestação elevadora é em 23 kV do tipo convencional, composta por um transformador elevador, um bay de saída e transformador de serviços auxiliares.

+

Meio Ambiente

Loading...