Mulher se surpreende após plantar sementes misteriosas recebidas pelos Correios

Caso ocorreu na cidade de Maringá (PR); segundo a mulher, produto estava dentro de um envelope que dizia se tratar de suculentas

Uma moradora de Maringá, no Paraná, plantou sementes que recebeu pelos Correios. A planta, que cresceu no quintal da casa da mulher, ainda não foi identificada. As informações são do repórter Fábio Guillen, da RICTV.

Moradora recebeu sementes pelo correio no fim do ano passado – Foto: RICTV Maringá/Reprodução

De acordo com a reportagem, exibida no Balanço Geral Maringá, a mulher, de 45 anos, recebeu em um envelope. No verso do pacote dizia que se tratavam de suculentas. Porém, ela não lembra o destinatário da carta.

A mulher, então, plantou as sementes no quintal de casa. Mas ao crescer, acabou não gerando flores, o que causou estranhamento na família.

Planta será enviada ao Ministério da Agricultura

A história da planta “misteriosa” que cresceu no quintal da mulher já está sendo investigada pelas autoridades. De acordo com o gerente de Sanidade Vegetal da Adapar (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná), Renato Rezende Young Blood, uma equipe deve ir até a casa dela na próxima semana para recolher uma amostra da planta e enviá-la ao Ministério da Agricultura.

“Nós já fomos notificados. Agora, estamos finalizando um protocolo para definir o que deve ser coletado para ser enviado à análise”, explica.

Ele conta que, além da planta, técnicos também devem analisar uma amostra do solo. Além de Maringá, um morador de Londrina também teria plantado sementes vindas pelos Correios.

Instituição do Paraná também divulgou um alerta sobre o surgimento das sementes – Foto: Adapar/Divulgação

Órgão sanitário emitiu alerta

Na última sexta-feira, a Adapar já tinha emitido um alerta aos moradores sobre o recebimento de pacotes de sementes. No comunicado, o órgão diz que esses produtos podem trazer pragas, doenças e plantas daninhas que não existem no país, gerando prejuízos à agricultura e ao meio-ambiente.

Além disso, a instituição orienta que o material não seja aberto, descartado ou utilizado. Caso alguém receba as sementes, deve procurar uma unidade da Adapar mais próxima. Todo o material será recolhido e encaminhado para análise do Ministério da Agricultura.

Casos em Santa Catarina

Em Santa Catarina, a Cidasc também investiga  as misteriosas sementes após um morador de Jaraguá do Sul as recebê-las junto com itens de decoração comprados em um aplicativo asiático.

Além da cidade localizada no Norte do Estado, casos parecidos também foram registrados em cidades do Sul do Estado, Florianópolis, Timbó, Braço do Norte e região litorânea.

“O que já registramos é que são de diferentes tamanhos e tipos. Por isso, estamos investigando para saber a origem, até para entender se ela pode gerar algum risco à agricultura”, explica Fabiane dos Santos, engenheira agrônoma e gestora da Divisão de Defesa Sanitária Vegetal da Cidasc.

As sementes também serão recolhidas e enviadas ao Ministério da Agricultura para análise.

+

Meio Ambiente