Fumaças das queimadas do Pantanal chegam ao Oeste de Santa Catarina

O fluxo de fumaça ocorre pelo escoamento de umidade originário de ventos da região Norte, se refletindo em uma piora da qualidade do ar

Composição colorida da imagem do satélite GOES 16, às14h do dia 14 de setembro de 2020, com destaque para o fluxo de umidade para Santa Catarina. – Foto: Defesa Civil/ND

As fumaças das queimadas que ocorrem no Pantanal, há mais de dois meses, chegaram ao Oeste de Santa Catarina, nesta segunda-feira (14), segundo nota técnica emitida pela Defesa Civil do Estado.

Localizados há quase 2 mil quilômetros de distância do Pantanal, os principais municípios atingidos pela fumaça são os que fazem divisa com a Argentina e o Paraná, entre elas Dionísio Cerqueira, São Miguel do Oeste, Campo Erê, São Lourenço do Oeste e Galvão. 

Segundo imagens identificadas pelo satélite GOES-16, é possível verificar a presença de fumaça nas regiões da faixa oeste de Santa Catarina desde as primeiras horas do dia, indicadas pela cor diferenciada do céu ao longo do último fim de semana. 

O fluxo de fumaça vem, principalmente, pelo escoamento de umidade originário de ventos de noroeste da região Norte do Brasil. O principal dano, segundo o meteorologista da Defesa Civil de Santa Catarina, Murilo Fretta José, se reflete na qualidade do ar, que tende a piorar nas regiões em que ela se faz presente.

Composição colorida da imagem do satélite GOES 16, às 14h do dia 14 de setembro de 2020, com destaque para o fluxo de umidade para Santa Catarina. – Foto: Defesa Civil/ND

Devido à passagem de uma frente fria, esses ventos tendem a mudar de direção para quadrante sul dissipando a presença de fumaça no estado catarinense.  Mas, essa condição não depende apenas dos ventos e sim da continuidade dos incêndios.

+

Meio Ambiente