Grande Florianópolis continua em situação de alerta para estiagem

Obras para ampliação de captação de água devem dar mais segurança ao sistema e evitar possível desabastecimento especialmente no verão.

As chuvas ocorridas nas últimas semanas não amenizaram o baixo volume dos mananciais responsáveis pelo abastecimento de água da Grande Florianópolis. A situação da região não se parece em nada com a do Oeste, onde a estiagem é grave, no entanto, a Casan pede para que os consumidores economizem água pois a condição dos rios e das lagoas é de alerta. A obra que vai ampliar a capacidade de captação do Rio Cubatão e, segundo a estatal,  dar segurança ao Sistema Integrado de Abastecimento da Região Metropolitana iniciou nova etapa.

A instalação da adutora de 1.200mm de diâmetro vai interligar a Estação de Recalque de Água Bruta do Rio Cubatão à Estação de Tratamento e terá a vazão de três mil litros por segundo. Essa adutora vai deixar o sistema menos dependente do Rio Vargem do Braço, que é um manancial que sofre mais com estiagem. No ano passado, quando a região sofreu uma severa estiagem, o rio ficou praticamente seco, com as pedras à mostra por meses.

Folga no sistema

De acordo com o superintendente Regional Metropolitano da Casan, engenheiro Joel Horstmann, quando a adutora e as novas bombas estiverem em operação, os municípios do Sistema Integrado de Abastecimento da Região Metropolitana (Florianópolis, São José, Biguaçu, Palhoça e Santo Amaro) terão uma “folga de cinco ou seis anos”. O que significa que haverá mais segurança na manutenção do abastecimento. A previsão da estatal é que o novo sistema entre em operação no primeiro semestre de 2021.

Captação na Lagoa do Peri está sendo reduzida gradativamente- Foto: Bruna Stroisch/NDCaptação na Lagoa do Peri está sendo reduzida gradativamente- Foto: Bruna Stroisch/ND

Abastecimento no verão

Segundo a Casan, não existe a possibilidade de interrupção no abastecimento durante o verão que se aproxima. Para isso, além da ampliação de captação no Rio Cubatão, a empresa está instalando mais dois poços artesianos no Rio Vermelho, quatro no Campeche e mais uma bomba na Estação de Tratamento dos Ingleses.

Na Lagoa do Peri, que também sofreu com a estiagem, a Casan está realizando obras de redução de captação, com o objetivo de chegar a 40% do volume captado até o final do verão. A estatal tem a outorga para captar 200 litros/segundo na lagoa, mas vem reduzindo essa captação, para os atuais 90 l/s. O objetivo é que chegue a 60/l.

Acesse e receba notícias da Grande Florianópolis pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Meio Ambiente