IMA confirma presença de esgoto na Lagoa da Conceição

Órgão realizou nova coleta em três pontos do local, além de um relatório com levantamento histórico da balneabilidade destes pontos

O IMA (Instituto do Meio Ambiente) confirmou a presença de esgoto em três pontos da Lagoa da Conceição, em Florianópolis. O órgão divulgou nesta terça-feira (26) o resultado da coleta realizada na semana passada , além de um relatório com levantamento histórico sobre o monitoramento da qualidade da água no local.

Imagens feitas pelo IMA durante a coleta – Foto: IMA/Divulgação/ND

As análises buscam identificar os motivos que levaram ao aparecimento de manchas na Lagoa da Conceição nos últimos dias.

O órgão realizou coletas nos pontos 38 (trapiche), 62 (rua Manuel Isidoro da Silveira) e 72 (rua Canto da Amizade). Nas três áreas foi verificada a presença da bactéria Escherichia coli. Conforme o IMA, em valores “toleráveis”, considerando o limite de 800 coliformes fecais por 100 ml.

A concentração de fósforo total obtida é considerada normal, conforme o órgão. Valores de nitrogênio são normais. Os valores de surfactantes (líquido que reage na água se em contato com esgoto) encontram-se cinco vezes acima dos padrões de qualidade.

Leia também:

A combinação da presença de coliformes, valores levemente altos de nitrogênio total e a presença de detergentes indica que há influência de esgoto sanitário, ainda que alguns de seus valores estejam dentro dos padrões de qualidade preconizados pela resolução Conama 357/2005.

Além das coletas, o IMA realizou sobrevoos de drones nos dias 21, 22 e 25 de maio. As inspeções irão verificar possíveis poluições e pontos onde há incidência localizada de espuma para encontrar a origem dos eventos.

O IMA continuará com a análise ampliada do monitoramento dos pontos do Programa de Balneabilidade nas próximas semanas, além do monitoramento aéreo para entender o que ocasiona a formação das espumas.

A pesquisa foi realizada em três diferentes etapas:

  • Análise da série histórica de coliformes fecais, com dados do Programa da Balneabilidade;
  • Amostragem e análise de outros parâmetros físico-químicos, em pontos históricos do Programa da Balneabilidade;
  • Monitoramento do local por Veículos Aéreos Não Tripulados.

Para planejar futuras coletas e compreender a dinâmica local, o órgão priorizou o monitoramento nesses três pontos onde há registros de balneabilidade.

Laudo divulgado pelo IMA – Foto: Reprodução

Para a análise da série histórica foi utilizada estatística descritiva para avaliação da média e mediana de concentração de coliformes nos três pontos, a partir de 2010. Após o estudo constatou-se que os três pontos, historicamente, apresentam condições impróprias para banho.

Redução de valores fecais

No entanto, nos pontos 38 e 72 houve redução dos valores de coliformes fecais na água, em 2019 e 2020. Na contrapartida, o IMA considera que o ponto 62 merece mais atenção, visto que os resultados, ainda que demonstrem redução de concentração, estão superiores aos padrões previstos sendo o ponto de pior qualidade entre os avaliados.

O oxigênio dissolvido nos três pontos também demonstrou uma boa capacidade de oxigenação da lagoa. Mesmo o ponto de menor concentração (38), apresentou um resultado muito superior ao padrão de qualidade.

+

Meio Ambiente