IMA elabora plano para conservação dos botos-pescadores de Laguna

População de botos na região está estimada entre 52 a 60 animais e protagoniza um tipo de relação ecológica rara ao cooperar na pesca da tainha

Um Plano de Ação para Conservação dos botos da espécie Tursiops truncatus gephyreus, mais conhecidos por botos-pescadores, foi elaborado para evitar as mortes dos animais e envolver a comunidade para a conservação da espécie, além de promover estudos e pesquisas. Os botos têm um relacionamento especial com os moradores da região de Laguna, no Sul de Santa Catarina.

Botos localizados no complexo laguna Santo Antônio dos Anjos-Imaruí-Mirim possuem uma relação ecológica rara com os pescadores – Carolina Feltes Alves/Udesc/Divulgação/NDBotos localizados no complexo laguna Santo Antônio dos Anjos-Imaruí-Mirim possuem uma relação ecológica rara com os pescadores – Carolina Feltes Alves/Udesc/Divulgação/ND

A população de botos residente no complexo lagunar Santo Antônio dos Anjos-Imaruí-Mirim, estimada entre 52 a 60 animais, protagoniza um tipo de relação ecológica rara ao cooperar na pesca da tainha. Ao identificar os cardumes, os botos mandam sinais aos pescadores por meio do mergulho ou batendo a cabeça, indicando a presença dos peixes. E então é só jogar a tarrafa.

Leia também:

O projeto foi elaborado pelo IMA (Instituto do Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina), em parceria com a Polícia Militar Ambiental e outras entidades, em reunião na última quinta-feira (25), em Laguna.

Entre as ações definidas no Plano destacam-se:

  •  fortalecimento da fiscalização e integração dos órgãos;
  • envolvimento da comunidade local na conservação dos botos-pescadores por meio de atividades educativas em escolas no município;
  • monitoramento e avaliação da causa morte dos botos;
  • avaliação da prevalência de doenças de pele na população;
  • garantia da manutenção do monitoramento da população em longo prazo, entre outras.

Entre as instituições parceiras estão a Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina), Polícia Militar Ambiental, Ibama, APA da Baleia Franca, Fundação Lagunense de Meio Ambiente, Ministério Público Federal, Universidade Federal de Santa Catarina, Instituto Australis, Instituto Boto Flipper, Colônia de Pescadores e Acapra.

Plano de conservação pretende evitar as mortes dos animais e envolver a comunidade para a conservação da espécie – IMA/Divulgação/NDPlano de conservação pretende evitar as mortes dos animais e envolver a comunidade para a conservação da espécie – IMA/Divulgação/ND

O boto-pescador foi declarado Patrimônio Natural do Município de Laguna em 1997, por meio da Lei nº 521/1997.

+

Meio Ambiente