Jacaré é capturado em pátio de escola, em Morro da Fumaça

O animal foi localizado, em meio a vegetação, por um servidor da Prefeitura durante atividades de limpeza e manutenção da escola

Um filhote de jacaré de 70 centímetros foi capturado pela Fumaf (Fundação Municipal do Meio Ambiente) e pela Polícia Militar Ambiental no pátio da Escola Municipal Olívio Recco, na localidade de Linha Frasson.

O animal foi localizado por um servidor da Prefeitura durante atividades de limpeza e manutenção da escola visando o início do ano letivo.

Filhote de jacaré foi encontrado em pátio de escola – Foto: Polícia Militar Ambiental

Ele estava em meio à vegetação, em uma área alagada pelas águas da chuva dos últimos dias.

A captura contou com o auxílio da Secretaria do Sistema de Infraestrutura, que precisou drenar o local para garantir o recolhimento seguro do jacaré e a segurança das pessoas envolvidas.

O diretor da Fumaf, Natan de Souza, destaca que encontrar animais silvestres, principalmente jacarés e cobras, está mais frequente em áreas povoadas.

Esses episódios, no entanto, acontecem mais vezes no verão.

Leia também

Souza ressalta ainda que o manejo e criação de animais silvestres devem ser precedidos de autorização dos órgãos ambientais competentes.

Visto que, pelas suas características, eles podem colocar em risco pessoas e animais.

“No caso dos jacarés, por serem predadores, podem dizimar todos os peixes de uma açude, como também causar lesões graves a pessoas que venham a ser atacadas.”

Penalidades previstas

O diretor da Fumaf ressalta ainda que o Decreto 6.514 dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente.

Além disso, estabelece o processo administrativo federal para apuração destas infrações.

“O Artigo 24 deste decreto prevê multas e até mesmo a prisão para quem vende, expõe à venda, exporta ou adquire, guarda, tem em cativeiro ou depósito, utiliza ou transporta ovos, larvas ou espécimes da fauna silvestre, nativa ou em rota migratória, bem como produtos e objetos dela oriundos, provenientes de criadouros não autorizados, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade ambiental competente ou em desacordo com a obtida”, enfatiza.

Orientações

A instrução do diretor da Fumaf é não se aproximar, muito menos matar ou capturar estes animais. O mais correto é entrar em contato com a Fundação do Meio Ambiente.

+

Meio Ambiente