Moradores atingidos e Casan abrem diálogo para discutir ressarcimento de danos na Lagoa

Novo encontro será realizado nesta terça-feira, na sede da Casan, com presença de vereadores e representantes das duas partes envolvidas no impasse

O diálogo entre moradores da servidão Manoel Luiz Duarte e a Casan foi aberto oficialmente ontem, para discutir o ressarcimento dos danos provocados pelo rompimento da lagoa artificial da ETE da Lagoa da Conceição.

Em encontro promovido pela comissão especial da Câmara Municipal de Florianópolis, as duas partes marcaram uma nova reunião para esta terça-feira (9), às 14h, na sede da Casan, para debater os pontos emergenciais da extensa pauta de reivindicações dos atingidos.

Procurador-geral Allyson Mazzarin (E) usou a tribuna para expressar a intenção da Casan. Foto: Cristiano Rigo Dalcin/NDProcurador-geral Allyson Mazzarin (E) usou a tribuna para expressar a intenção da Casan. Foto: Cristiano Rigo Dalcin/ND

O reconhecimento da comissão formada por moradores atingidos pela Casan marcou o primeiro avanço da negociação. Moradores atingidos tentaram obter respostas da Casan desde a última segunda-feira (1).

Cautelosa, a companhia queria obter segurança jurídica ao se certificar de que a comissão formada pelos moradores realmente representava a totalidade dos atingidos pelo desastre ambiental.

Para a moradora Amanda Nicolet, que participou do encontro com representantes da Casan e vereadores, houve avanço no impasse.

“Conseguimos abrir uma mesa de negociação com a Casan e amanhã a gente tem mais uma reunião para que finalmente a gente consiga conversar sobre as demandas. Hoje acho que foi um dia bastante importante e conseguimos avançar muito mais do que imaginávamos”, declarou.

O procurador-chefe do contencioso da Casan, Bruno Bonemer, destacou a necessidade de reconhecimento da comissão de moradores atingidos pela Casan.

“Entendemos que era anseio dos moradores em ter esse diálogo com a Casan, mas havia um receio de que pudéssemos dar encaminhamento propositivo para essas reuniões e precisávamos reconhecer uma nominata para dar legitimidade para representar essas pessoas”, explicou.

Morador Pablo Zimmer fez um relato sobre a fatídica manhã de 25 de janeiro. Foto: Cristiano Rigo Dalcin/NDMorador Pablo Zimmer fez um relato sobre a fatídica manhã de 25 de janeiro. Foto: Cristiano Rigo Dalcin/ND

Durante o encontro, o procurador-geral da Casan, Alysson Mazzarin, se pronunciou pela companhia e assegurou o ressarcimento “pleno e integral” dos moradores atingidos.

Indagado sobre a afirmação de Mazzarin, já que até então, a Casan garantia o ressarcimento apenas de danos materiais e lucro cessante, Bonemer declarou: “nós entendemos que é muito precipitado quantificar o sofrimento de cada um.  Cada um tem uma realidade.

O que a Casan está disposta a fazer é acolhe-los. Antes de considerar números, a gente considera as pessoas de carne de osso, e nós queremos aprimorar pontos da pauta que são sensíveis e são da nossa preocupação: médicos, psicólogos, assistência social, recuperação de documentos pessoais”.

Para o presidente da Câmara Municipal, vereador Roberto Katumi (PSD), o encontro foi positivo. “Esse é o papel da Câmara, sendo a ponte entre a comunidade e a Casan. Espero que a resposta seja a mais breve possível e que os moradores possam retomar sua vida normal”, concluiu.

Acesse e receba notícias da Grande Florianópolis pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Meio Ambiente