Novas manchas na Lagoa parecem ser de óleo, segundo a Casan

Espuma apareceu neste domingo e segunda-feira (25) no local, que voltou a ser vistoriado por órgãos de fiscalização ambiental de Florianópolis e Estado

Uma espuma densa e amarelada voltou a aparecer neste fim de semana na Lagoa da Conceição, em Florianópolis, e chamou a atenção de moradores. O fenômeno se repete após quase uma semana, quando foi constatada uma fissura numa tubulação da Casan que causou o vazamento de esgoto no local.

Espuma nesta segunda-feira (25) próximo a ponte da Avenida das Rendeiras – Foto: IMA/Divulgação/NDEspuma nesta segunda-feira (25) próximo a ponte da Avenida das Rendeiras – Foto: IMA/Divulgação/ND

Mas de acordo com a Casan, desta vez o esgoto não seria o responsável pelas novas manchas. Técnicos da companhia estiveram na região ainda na noite de domingo e verificaram parecer se tratar de óleo.

Na manhã desta segunda-feira (25), integrantes do grupo Sanear, que conta com fiscais, técnicos da Floram (Fundação Municipal do Meio Ambiente de Florianópolis), diretoria de saneamento da Secretaria de Infraestrutura, Vigilância em Saúde e técnicos da Casan (Companhia Catarinense de Águas e Saneamento), estiveram novamente no local.

O objetivo é identificar o que será necessário fazer para as manchas desaparecerem, mesmo após os reparos feitos pela companhia.

A expectativa é que nos próximos dias, juntamente com o programa Se Liga na Rede, sejam realizadas novas vistorias ao longo de toda a orla para tentar identificar possíveis pontos de vazamento de esgoto na rede pluvial.

Combinação com algas forma espuma, afirma Casan

Por meio da assessoria de imprensa, a Casan ratificou que a fissura na tubulação, consertada na última terça-feira (19), não era a causa do aparecimento destas novas espumas, mas não soube dizer se apenas o óleo seria capaz de causar tamanho impacto.

No domingo (25), a equipe do ND flagrou a espuma na Lagoa da Conceição – Foto: Anderson Coelho/NDNo domingo (25), a equipe do ND flagrou a espuma na Lagoa da Conceição – Foto: Anderson Coelho/ND

O questionamento da reportagem se deu por causa de uma afirmação anterior da própria companhia. Em nota na última quinta (21) a empresa disse que a espuma da semana passada tratava-se de um fenômeno que, segundo biólogos, deve-se à proliferação de algas geradas por diversos fatores como estiagem, vento e insolação, “combinação ao esgoto irregular de imóveis que permanecem conectados de forma inadequada”.

O chamado “ponto de fuga” de esgoto foi localizado, na ocasião, no fundo de uma caixa a um metro de profundidade, em um local de difícil acesso, conforme a Casan. Havendo uma fissura de 0,5 cm de espessura, exigindo o trabalho de “mais de 12 horas de engenheiros, técnicos e maquinário especializado até alcançar o local da rachadura”.

“É temerária qualquer avaliação precipitada, devendo-se aguardar laudos técnicos e o resultado de análises de laboratórios independentes, bem como realizadas pelos órgãos fiscais e técnicos competentes que estiveram no local, justamente porque a contribuição de esgoto irregular ainda é, infelizmente, muito alta”, diz a nota.

Leia também:

IMA aguarda resultado de análise

De acordo com o IMA (Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina), foi realizado o monitoramento na Lagoa na quinta (21), sexta (22) e na manhã desta segunda-feira (25).

“Hoje (25) foi registrada a espuma já com uma baixa concentração, ontem (24) estava um pouco maior”, relatou o órgão. “A espuma só estava ali porque o vento levou e ela acabou ‘encalhando’ na região da ponte da Avenida das Rendeiras”, afirma nota do IMA.

A partir do resultado da coleta feita na última sexta, o IMA irá buscar a origem do problema.

“Se é realmente a Casan ou esgoto irregular. Vamos entender o que está acontecendo para penalizar os responsáveis e tomar as medidas necessárias”, afirmou por meio de assessoria.

Comcap irá auxiliar no processo de limpeza

Conforme a Floram, novas fiscalizações estão em planejamento. O trabalho irá monitorar também o desenvolvimento do processo de limpeza da área que, conforme o órgão, cabe à Casan. Ainda não foi definido o cronograma, se semanal ou mensal.

Por solicitação da Floram, em parceria com o Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente do MPSC (Ministério Público de Santa Catarina), a Comcap (Autarquia de Melhoramentos da Capital) passa a ajudar no trabalho de recuperação dos sistemas de esgoto e drenagem na Lagoa da Conceição.

O presidente da Comcap, engenheiro sanitarista Lucas Arruda, esteve na Lagoa da Conceição na manhã do último sábado (23) com a equipe de limpeza hidrográfica e determinou ações imediatas.

“A Comcap pode ajudar identificando e limpando os pontos onde as galerias de drenagem desembocam na Lagoa para facilitar as inspeções”, aponta Arruda.

Acesse e receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Meio Ambiente