Rede de Laboratórios garante controle de qualidade da água da CASAN

A Companhia realiza em torno de 500 mil ensaios de monitoramento recomendados pelo Ministério da Saúde

As análises físico-químicas e microbiológicas da água bruta, tratada e distribuída são realizadas nos Dez laboratórios de Controle de Qualidade – Foto: Divulgação.As análises físico-químicas e microbiológicas da água bruta, tratada e distribuída são realizadas nos Dez laboratórios de Controle de Qualidade – Foto: Divulgação.

Você já parou para pensar como é feito o tratamento da água até chegar na torneira da sua casa? São 295 estações, 1 mil reservatórios e mais de 13 mil km de tubulações que precisam de constante manutenção para produzir 700 milhões de litros de água todos os dias para abastecer mais de 2,7 milhões de pessoas (39% da população de Santa Catarina).

A água é captada pela CASAN  de 559 pontos, entre rios, lagos ou represas. Da captação, a água é conduzida até estações de tratamento, onde passa por um rigoroso processo de controle de qualidade, pois mesmo aparentemente cristalina, a água recebe impurezas trazidas pelas chuvas ou ocasionadas pela ação humana.

Anualmente a CASAN realiza em torno de 500 mil ensaios de monitoramento dos parâmetros básicos recomendados pelo Ministério da Saúde (cloro residual, turbidez, cor, coliforme total e Escherichia coli). Além disso, cerca de outras 3 mil análises anuais são realizadas em complemento aos parâmetros básicos, cumprindo com o monitoramento completo exigido pela legislação.

“As amostragens são realizadas em toda a área de abrangência dos Sistema de Abastecimento de Água, garantindo a segurança preconizada no padrão de potabilidade brasileiro”, explica o químico Felipe Cassini, chefe da Divisão de Políticas da Qualidade da CASAN.

Considerada uma das maiores empresas do Estado de Santa Catarina, a CASAN está presente em 194 municípios, o que corresponde a 66% dos catarinenses. Atualmente 10 laboratórios de Controle de Qualidade da Água distribuídos no território de Santa Catarina realizam análises físico-químicas e microbiológicos da água bruta, tratada e distribuída. As unidades estão localizadas nos municípios de Chapecó, São Miguel do Oeste, Iomerê, Rio do Sul, Curitibanos, Mafra, Balneário Piçarras, Florianópolis, Pescaria Brava e Criciúma.

A CASAN utiliza um Sistema Interno de Qualidade (SIQ), desenvolvido pela própria Companhia para monitorar a qualidade da água – Foto: DivulgaçãoA CASAN utiliza um Sistema Interno de Qualidade (SIQ), desenvolvido pela própria Companhia para monitorar a qualidade da água – Foto: Divulgação

Reconhecimento do trabalho

As equipes que integram a Rede de Laboratórios da Companhia trabalham de acordo com um Sistema de Gestão da Qualidade que possui reconhecimento de órgãos como o INMETRO.

O Laboratório Regional de Chapecó possui acreditação no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia e, a cada ano, vem renovando esse reconhecimento pela adequação de seus processos dentro dos requisitos estabelecidos pela norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2017, que estabelece os requisitos para a competência de laboratórios de ensaio e calibração.

O Laboratório de Florianópolis está em fase final para solicitação de avaliação por parte do INMETRO e as demais unidades estão em etapa de estruturação e implementação documental e de procedimentos.

Sistema de Qualidade

Atualmente a CASAN possui um sistema web para laboratórios, o Sistema Interno de Qualidade (SIQ), desenvolvido pela própria Companhia.

Essa ferramenta está bem avançada e permite conexão direta para exportação de resultados para o banco de dados do Ministério da Saúde, o Sisagua (Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano).

No Brasil esse processo não é comum nas empresas de saneamento, o que demonstra a preocupação da CASAN em relação à prestação de contas dos monitoramentos de potabilidade.

O monitoramento diário permite identificar falhas no processo e correção nas rotinas operacionais – Foto: DivulgaçãoO monitoramento diário permite identificar falhas no processo e correção nas rotinas operacionais – Foto: Divulgação

Conexão com o operacional

O SIQ também permite que resultados não conformes dos monitoramentos diários inseridos no sistema gerem um alarme automático. Dessa forma, agiliza a adoção de ações corretivas pelo setor operacional responsável pelo Sistema de Abastecimento.

“Pautado nesse sistema integrado de qualidade, o trabalho da Rede de Laboratórios da CASAN permite reduzir o tempo de ações corretivas no caso de ocorrências pontuais de desconformidades, pois de forma breve orientações são repassadas às equipes operacionais”, explica Cassini.

“O trabalho de controle de qualidade também gera informações para melhorias na rotina operacional, permitindo inclusive alterações nos processos de tratamento da água e troca de produtos e de tecnologias.  Dessa forma, a Companhia atua de forma constante para atender a legislação vigente e prestar sempre serviços de qualidade à população”, complementa o químico.

+

Casan, Sustentabilidade e Saneamento

Loading...