Saiba como agricultores da Grande Florianópolis podem proteger as plantações do frio

Com a expectativa de temperaturas baixas até sábado, produtores da região metropolitana da Capital redobram os cuidados com os cultivos

O frio intenso tem causado preocupação no setor agrícola do Estado. Na sexta-feira (30), as temperaturas entre a madrugada e o amanhecer chegaram a 0°C na Grande Florianópolis. Sendo assim, culturas como a da banana, citros, hortaliças, morango e mandioca devem ter uma atenção especial por parte dos produtores.

A Epagri/Ciram fez algumas recomendações para os produtores das hortaliças em geral, especialmente folhosas. Uma delas é manter aspersores ligados no dia em que a geada ocorre, até o nascer do sol.

Isso porque a água tem temperatura maior em relação ao ambiente, formando uma camada de vapor que protege as plantas do congelamento.

“Alguns cuidados principalmente no manejo da água, na condução das plantas, nas adubações, cuidados básicos para que não haja prejuízo na produção de hortaliças”, destacou Edson Carlos de Quadra, extensionista rural da Epagri.

Agricultor Jaime Leopoldo conseguiu cobrir com lona de plástico apenas uma parte de suas plantações – Foto: Paulo Rolemberg/NDAgricultor Jaime Leopoldo conseguiu cobrir com lona de plástico apenas uma parte de suas plantações – Foto: Paulo Rolemberg/ND

Segundo Edson Quadra os produtores de hortaliças podem ligar os aspersores de irrigação logo na madrugada que inicia a geada para minimizar o impacto do congelamento das plantas. “Pode deixar a irrigação ligadas até 9, 11 horas da manhã, para que evite o congelamento dessas plantas”, orientou.

Outra prática indicada por Quadra é dentro das estufas usar galões com serragens dentro. “É para aquecer, fazer fumaça, mas sem fogo, para aumentar um pouco a temperatura mais próxima ao solo”, indicou ele.

A formação de geada pode impactar negativamente na atividade agrícola e pecuária – Foto: Paulo Rolemberg/NDA formação de geada pode impactar negativamente na atividade agrícola e pecuária – Foto: Paulo Rolemberg/ND

Segundo a Epagri, a formação de geada pode impactar negativamente na atividade agrícola e pecuária, causando prejuízos em cultivos e criações sensíveis ao frio. Para pequenos agricultores, o temor com a geada é elevado.

O agricultor Jaime Leopoldo é um dos que temem o prejuízo. Com uma área plantada de dois hectares na zona rural da cidade de Antônio Carlos, na Grande Florianópolis, ele deve ter uma perda de aproximadamente 50% de sua produção de alface, couve, espinafre e rúcula.

A cidade de Antônio Carlos é a maior produtora de hortaliças de Santa Catarina, com produção média anual de 150 mil toneladas. “Muito complicado, né. Mas é esperar e ver o prejuízo que vai dar. Se perder toda plantação é começar a plantar novamente”, lamentou Jaime.

Agricultor estima que vai perder 50% de sua produção – Foto: Paulo Rolemberg/NDAgricultor estima que vai perder 50% de sua produção – Foto: Paulo Rolemberg/ND

A maior parte da produção dele é vendida para uma rede de supermercados do Estado. As colheitas são feitas todas as terças e sextas-feiras. Na área plantada, Jaime possui metade de suas plantações cobertas por estufas plásticas, porém a outra parte não possui esse abrigo.

Segundo o agricultor, o alto custo das lonas impossibilitou proteger a totalidade da plantação. “Sei que podia ter uma cobertura de plástico. Mas o custo e o transtorno são muito grandes e o agricultor não tem retorno. O investimento é muito alto e já são quatro anos com o mesmo preço da mercadoria”, explicou Jaime, ao lembrar que cada lona custa em torno de R$ 3 mil.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Meio Ambiente

Loading...