Santa Catarina monitora eventos meteorológicos e emite alertas

O monitoramento é feito 24 horas por dia, sete dias por semana, por uma equipe especializada que fornece informações antecipadas e confiáveis para a população

Santa Catarina está localizada numa das regiões mais favoráveis para a formação de tempestades severas e eventos meteorológicos intensos da América do Sul, como tornados e microexplosões.

Com base nisso, o Governo do Estado investiu na estrutura da DCSC (Defesa Civil do Estado) para prestar apoio aos municípios e, acima de tudo, no desenvolvimento de um sistema de monitoramento eficiente.

Todo território catarinense é coberto por uma rede de radares meteorológicos – Foto: DCSC/Divulgação/NDTodo território catarinense é coberto por uma rede de radares meteorológicos – Foto: DCSC/Divulgação/ND

Todo território catarinense é coberto por uma rede de radares meteorológicos, por imagens de satélite em tempo real e centenas de estações meteorológicas.

O monitoramento é feito 24 horas por dia, sete dias por semana, por uma equipe especializada que fornece informações antecipadas e confiáveis para a população.

As informações são repassadas para os catarinenses através do site da Defesa Civil, redes sociais, emissoras de TV por assinatura, mensagens SMS, e grupos de WhatsApp para imprensa e agentes de proteção e defesa civil.

No evento registrado na última semana, no Meio-Oeste, a população foi alertada por todos os meios das condições perigosas do tempo com antecedência de 48 horas para que medidas fossem tomadas.

“É importante salientar que tornados, como o registrado no município de Campos Novos, são extremamente difíceis de serem previstos em função da rápida formação”, comentou o coordenador de monitoramento e alerta da DCSC, Frederico Ruthorff.

De acordo com ele, devido a esta característica os avisos e alertas são focados nas tempestades severas que podem gerar, além deste fenômeno, microexplosões, granizo, enxurradas, alagamentos ou ventos extremos.

Esta situação foi registrada na última sexta-feira (28), quando foi emitido o maior nível de alerta, o vermelho (Alerta Máximo) para tempestade severa para diversos municípios do Meio-Oeste.

No caso do tornado que ocorreu em Campos Novos, a DCSC emitiu alertas até 30 minutos antes do evento destacando o risco muito alto.

Como interpretar os alertas

A Coordenadoria de Monitoramento e Alerta da Defesa Civil de Santa Catarina desenvolveu um software para agilizar a criação e envio de avisos e alertas. O formato possibilita, de forma didática, a compreensão da possível área afetada e os riscos associados, além do período de validade do aviso.

Os níveis de risco são destacados por cores. Para o risco baixo de ocorrências meteorológicas é utilizado o verde, para o moderado o amarelo, para o risco alto o laranja e para o risco muito alto o vermelho.

Protagonismo da população

O grande desafio é ampliar o sentido de autoproteção da população. A DCSC busca que as pessoas se tornem protagonistas, saindo de uma situação passiva se tornando cidadãos preparados para interpretar os alertas e com condições de tomar medidas de preparação e mitigação.

“É necessário que a população faça o cadastro para receber avisos e alertas via SMS ou se mantenha atualizada com as informações postadas diariamente nos canais disponibilizados pela DCSC” ressaltou o chefe da DCSC, David Busarello.

Segundo ele, para preparar os catarinenses, o órgão, em parceria com a Secretaria de Estado da Educação e o Instituto Federal Catarinense, desenvolve o programa Defesa Civil na Escola, que visa mudar a cultura de autoproteção a partir das crianças.

Também é oferecido para a população os mais diferentes cursos EAD como de Proteção e Defesa Civil.

São ações que podem fazer a diferença. No caso de chuvas intensas é possível recolher o lixo da rua para que os entulhos não obstruam o sistema de drenagem pluvial provocando alagamentos.

Em situações de vento intenso o recomendado é que objetos que possam ser arremessados pela força do vento, como madeira e cadeiras, sejam presos ou guardados.

“Com base nos alertas é possível que a população tome medidas para proteger a vida e o patrimônio”, finalizou Busarello.

Alertas SMS

Santa Catarina é o segundo Estado brasileiro com o maior proporção de pessoas cadastradas no sistema de avisos e alertas meteorológicos via SMS, alcançando 7,67% da população, atrás apenas do Rio de Janeiro onde 7,73% das pessoas estão cadastradas. Apenas este ano foram emitidos 349.429 SMS, destes 666 em nível de alerta.

O atual formato do Sistema Nacional de Alertas não permite que as mensagens SMS sejam enviadas sem autorização de envio, ou seja, é necessário que os telefones sejam cadastrados pelos usuários.

Este quadro já está sendo avaliado pela Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil que prepara um projeto para o envio com base na geolocalização.

+

Meio Ambiente