VÍDEO: ‘Foi assustador’, relata catarinense que sobreviveu à enchente na Alemanha

De volta a SC, Marcela da Silva Amandio conta como ela, a filha e o marido conseguiram sobreviver a um dos maiores desastres naturais registrados na Europa

Marcela da Silva Amandio ainda lembra os momentos de terror que passou durante a tragédia que viveu na cidade de Bad Neuenahr-Ahrweiler, na Alemanha. A catarinense de Tubarão, no Sul de Santa Catarina, mora na cidade alemã desde 2020 com o marido e a filha.  Ela e a filha retornaram para Santa Catarina na última sexta-feira (23).

“Foi assustador. Eu nunca vi isso, apesar da minha família já ter vivido a enchente de Tubarão em 1974. Eu não tinha noção, as 11h tocou o alarme que tocava na segunda guerra e 11h30 já estava tudo alagado. Nosso apartamento estava todo inundado. Foi muito rápido, questão de minutos”, relatou Marcela no programa Ver Mais da NDTV Criciúma.

Marcela e a filha chegaram em SC na última sexta-feira (23) – Foto: Marcela Amandio/Redes Sociais/NDMarcela e a filha chegaram em SC na última sexta-feira (23) – Foto: Marcela Amandio/Redes Sociais/ND

Segundo ela, foram momentos de terror. A família teve que subir no telhado da casa. Em um vídeo ela relata o local exato onde ela subiu e junto com a família aguardou das 23h às 6h as águas baixarem até serem socorridas.

“Parte que mais me aterrorizou foi quando minha filha falou ‘Mãe eu vou morrer porque eu não sei nadar’. Nesse momento foi onde Deus deu força para mim e conseguimos subir no telhado porque ficamos apavorados”, contou Marcela.

Marcela mostra local onde subiu no telhado para se proteger da enchente na Alemanha – Vídeo: Marcela Amandio/ND

Ela e a filha de sete anos foram recebidas pela família no Aeroporto Hercílio Luz em Florianópolis na sexta-feira (23) e estão na casa da irmã em Garopaba, no Sul de Santa Catarina. Posteriormente elas ficarão na casa da mãe de Marcela, que atualmente mora em Turvo no Sul de SC.

O marido dela, Lucas, segue na cidade alemã acompanhando a reconstrução e em busca de um novo apartamento para a família morar. Ele está abrigado na casa de amigos.

” Vamos passar apenas dois meses, porque a situação está insalubre para minha filha. Enquanto isso o Lucas ficou. Ficamos sabendo que terá ajuda do governo, eles estão coletando os dados. Nos informaram que a ajuda vai ser rápida, prevista ainda par julho”, projetou ela.

Marcela mostra destruição nas ruas da cidade onde mora na Alemanha – Vídeo: Marcela Amandio/ND

Solidariedade que comove

Marcela faz questão de ressaltar a solidariedade que encontrou dos brasileiros que vivem na Alemanha e, também, no Brasil. Sem água e energia na cidade, caminhões do governo são responsáveis pela água para banho e outras coisas. Além das doações que são recebidas no local.

“O brasileiro é extraordinário. Eu estava vendo muita ajuda. Uma moça que nunca vi veio e trouxe mil galões de água. Brasileiro é incrível”, afirmou Marcela.

Marcela mostra destruição em loja na Alemanha após enchente – Vídeo: Marcela Amandio/ND

Uma Vakinha online foi criada em busca de recursos para a família reconstruir a casa onde viviam na Alemanha. A meta era de R$10 mil, porém, até o momento já foi arrecado R$26 mil.

“A minha família fez um Vakinha, e ali no Brasil muita gente doando e da Alemanha, também”, destacou. “Tivemos muita ajuda de pessoas do Brasil e de brasileiros na Alemanha”, completou Marcela.

Enchente mata quase 200 pessoas na Europa

As inundações foram registradas em uma faixa da Europa Ocidental na última quinta-feira (15).  Foram registrados 196 mortes, sendo 165 na Alemanha que foi o país mais afetado. Cidades na Bélgica, também, foram bastante danificadas.

Diversas cidades e vilarejos foram arrastadas por águas turbulentas que tomaram as ruas. O fato ocorreu após uma tempestade ocorrer na região com um volume de chuvas que não era registrados nos últimos 100 anos

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Meio Ambiente

Loading...