VÍDEO: surfista encontra objeto misterioso desaparecido no RJ em praia de SC

O surfista João Alberto Schmitz Filho encontrou, em praia de Jaguaruna, aparelho perdido há quase oito meses; objeto pertence a projeto da UFSC

Um “objeto não identificado” chamou a atenção do surfista João Alberto Schmitz Filho em praia de Jaguaruna, no Sul catarinense, na última segunda-feira (2).

Após compartilhar um vídeo nas redes sociais para tentar identificá-lo, ele descobriu que se trata de um sismógrafo, aparelho perdido por pesquisadores da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) há quase oito meses no Rio de Janeiro.

Surfista encontra sismógrafo em praia de Santa Catarina – Foto: Redes Sociais/Reprodução/NDSurfista encontra sismógrafo em praia de Santa Catarina – Foto: Redes Sociais/Reprodução/ND

Segundo o oceanógrafo e pesquisador da UFSC, Ricardo Franco, o sismógrafo havia sido lançado em alto mar em 2019, a dois mil metros de profundidade, na Bacia de Campos, próximo às plataformas de petróleo da Petrobras, no Norte do Rio de Janeiro. Porém, desde julho do ano passado não era mais localizado.

Sismógrafo pertence a um projeto da (UFSC) Universidade Federal de Santa Catarina em parceria com o Observatório Nacional<span style="font-family: Merriweather, sans-serif;"> </span>&#8211; Foto: Redes Sociais/Reprodução/NDSismógrafo pertence a um projeto da (UFSC) Universidade Federal de Santa Catarina em parceria com o Observatório Nacional – Foto: Redes Sociais/Reprodução/ND

Desde então o sismógrafo, aparelho que detecta os movimentos no solo, era considerado perdido pela equipe. “Não foi possível resgatar. Achamos que o sensor não funcionou o que ele estava preso no fundo, na lama. Já estava dado como perdido ou que nós íamos gastar muito dinheiro para ir resgatá-lo, com algum submarino. Mas, felizmente, o João prestou esse grande serviço para a ciência brasileira”, pontua.

Na última terça-feira (6), os responsáveis pelo equipamento foram até Laguna para buscá-lo. O pesquisador também considerou a atitude do surfista corajosa. “Encontrar um trambolho desse na praia, muita gente comentando se poderia ser radioativo [sem saber o que era], então você acabou arriscando a sua vida.”

Confira:

O sismógrafo, que foi construído no Reino Unido, pertence a um projeto da UFSC em parceria com o Observatório Nacional que estuda o fundo do mar do Oceano Atlântico. Um dos apelos do pesquisador é de, ao encontrar um objeto assim no mar, sempre comunicar. “São equipamentos que, além de caros, são difíceis de comprar no Brasil. Então, se alguém achar algum equipamento assim, sempre compartilhe.” 

Apesar de o equipamento ter se desgastado, ainda será possível recuperar dados para serem passados ao Observatório Nacional.

+

Meio Ambiente