13 situações que atrapalham a mobilidade de Florianópolis e os motoristas precisam saber

Leandro Dornelles ficou parado 20 minutos na SC-405, que tem o fluxo interrompido de segunda a sexta. Foto: Anderson Coelho/ND

Dirigir nas ruas de Florianópolis não é tarefa para principiante. A chance de ficar parado em algum congestionamento ou fila é grande. Por isso, a falta de mobilidade já se tornou uma reclamação recorrente para quem nasceu aqui e também para quem veio de fora. O ND resolveu listar 13 situações que costumam atrapalhar a mobilidade de quem trafega pelo trânsito de Florianópolis.

São situações que podem aconteceu durante a semana e nos finais de semana. Com tempo chuvoso ou seco. Como o caso do pedreiro Leandro Dornelles, 34 anos, que ficou parado por 20 minutos na SC-405, na última quarta-feira (22). Ele teve que aguardar a abertura da pista no sentido Centro/Bairro, enquanto a PMRv escoa o tráfego de veículos no sentido Bairro/Centro, entre o trevo da Tapera e o elevado do Rio Tavares. “Só aqui em Florianópolis isso acontece”, desabafa Dornelles.

1 – Caminhão estragado na ponte ou na SC-401

Coincidência ou não, os veículos pesados “escolhem” as pontas Pedro Ivo Campos e Colombo Machado Salles para estragar. Quando isso acontece, as filas são inevitáveis, por mais que a Guarda Municipal e a Polícia Militar mostrem celeridade para contornar o problema. Desde o início do ano, a Prefeitura de Florianópolis colocou um guincho 24 horas à disposição, o que já foi um avanço.

Porém, às vezes, nem tudo ocorre conforme o esperado. Recentemente, um caminhão carregado de condimentos estragou na SC-401 e o primeiro guincho a chegar ao local não teve capacidade para rebocar a carreta. Então, um guincho precisou vir de Palhoça, e os motoristas tiveram que encarar cinco horas de fila em direção ao Norte da Ilha, com engarrafamentos que se estenderam pela Avenida Beira Mar Norte, nos dois sentidos.

2 – Maré Alta

Maré alta provoca transtorno e complica o trânsito na SC-405, em Florianópolis. Foto: Flavio Tin/ND

A fase cheia da Lua, combinada com agitação marítima e ventos fortes, pode ocasionar o fenômeno da maré alta. As águas começam a subir lentamente e alagam algumas regiões da Ilha, como a SC-405, após o elevado da Seta; a avenida Gustavo Richard, e a SC-401, no trecho do trevo do João Paulo.

O problema maior é verificado na rodovia em direção ao Sul da Ilha, pois o local já é ponto de gargalo e, diante da maré alta, a situação fica ainda mais caótica. De acordo com a PMRv, essa situação costuma ser registrada uma dezena de vezes ao ano e, além de atrapalhar a mobilidade, também pode danificar os veículos por causa da salinidade da água.

3 – Comcap em ação

Trabalhadores da Comcap interditam faixa para realizar limpeza do canteiro. Foto: Flávio Tin/ND

A cidade precisa ser bem cuidada e os trabalhadores da Comcap são incansáveis quando se trata de garantir um visual bonito para os canteiros verdes e praças. Porém, para executarem o trabalho com segurança, a área afetada é sinalizada com cones e, dependendo do lugar, uma faixa de rolamento acaba interditada, afunilando o tráfego.

A situação pode acontecer quando o clima colabora e em diversas vias da cidade, mas é facilmente flagrada na avenida Beira-Mar Norte, uma das vias mais cuidadas da cidade no quesito paisagismo.

4 – Óleo na alça de acesso a avenida Beira-Mar Norte

É quase a mesma situação do caminhão que estraga sobre a ponte. Mas como se trata de uma curva, merece toda atenção dos órgãos públicos, pois é uma situação que oferece perigo para os motoristas que entram na Ilha. A Guarda Municipal tem atuado nestes casos acionando o Corpo de Bombeiros para lavagem da pista ou mesmo jogando serragem sobre o asfalto para deixar a pista em condições de trafegabilidade. Necessária, a operação ocasiona retenção na entrada da Ilha.

5 – Operação Asfaltaço

A Operação Asfaltaço prossegue até abril de 2020 prometendo pavimentar 150 quilômetros das principais vias de Florianópolis. A equipe trabalha sempre à noite, então confira se o trajeto escolhido passa por alguma importante via da cidade, antes de seguir adiante ou optar por um caminho alternativo. As interrupções são pequenas e, quando provocam filas, são pequenas e passageiras, até diante do menor fluxo de veículos à noite ou na madrugada.

6 – Provas esportivas

SC-401 com pista interditadas para prova do ciclismo do Ironman. Foto: Divulgação/ND

Florianópolis já é sede tradicional do Ironman, que acontece no último final de semana de maio, e de várias provas de maratona ao longo do ano. Quando o Iron Man é disputado, a SC-401 tem uma pista interditada, nos dois sentidos, e a Via Expressa Sul é fechada, com o fluxo desviado pela Costeira do Pirajubaé. Em maio, a prova não chega a causar maiores problemas em termos de mobilidade, mas o aviso é válido, principalmente, em relação à segurança das centenas de ciclistas que disputam o Ironman.

O problema maior acontece quando o município autoriza a realização de uma prova de triatlo em dezembro, como no ano passado. A prova pegou muita gente desprevenida e ocasionou filas quilométricas em direção ao Norte da Ilha. Em relação às maratonas, o problema é menor, uma vez que as alterações no trânsito na região da Avenida Beira-Mar Norte são rotineiras e costumam ser divulgadas pelos órgãos públicos com antecedência. Como as provas são disputadas no início da manhã, as alterações geralmente são válidas por até cinco horas (7h às 12h). Então, fique atento, pois neste domingo (25), tem maratona.

7 – Via Amiga do Ciclista na Avenida Beira-Mar Norte

A Via Amiga do Ciclista é uma realidade na Avenida Beira Mar Norte aos domingos. A interdição da pista central da Avenida Beira-Mar Norte é muito bem sinalizada pela Guarda Municipal, e o tráfego no sentido centro/bairro é desviado pela marginal, porém, o motorista que trafega pela Avenida Beira Mar Norte no sentido bairro/centro precisa ficar atento se quiser acessar alguma rua da área Central, pois alguns  acessos estão fechados e sinalizados por cones.

8 – Operação Sentido Único na SC-405

Interrupção do fluxo na SC-405 já é rotina, de segunda a sexta, das 7h20min às 7h40min. Foto: Anderson Coelho/ND

A operação Sentido Único realizada pela PMRv (Polícia Militar Rodoviária Estadual) de segunda a sexta-feira é rotina e quem mora no Sul da Ilha já sabe como funciona. A pista no sentido Centro/Bairro é interrompida das 7h20min às 7h40min para escoamento do fluxo no sentido Bairro/Centro em duas pistas na SC-406, entre o elevado do Rio Tavares e o trevo da Tapera. Se você pretende chegar cedo em algum lugar do Sul da Ilha durante a semana, lembre-se do horário ou poderá ficar parado por 20 minutos na SC-405, esperando a via ser reaberta.

9 – Jogos do Avaí

O Estádio da Ressacada está localizado no Sul da Ilha, e aqui vale um alerta principalmente para quem tem voo que coincide com os horários de jogos do Avaí, que normalmente são disputados as quartas e domingos. Após o término dos jogos, a PMRv costuma fazer liberações de pista para escoar a saída dos torcedores do Estádio, e o acesso ao bairro Carianos acaba prejudicado por alguns minutos.

Em caso de jogo, também vale conferir quem será o adversário do Avaí. Em caso de clubes do Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro, vale se antecipar, pois é sinal de estádio cheio, o que pode provocar longas filas que se estendem ao longo da Via Expressa Sul antes da partida.

10 – Fluxo intenso em direção ao Norte da Ilha

Essa é uma situação recorrente que acontece todos os dias no final de tarde. O grande movimento de veículos em direção ao Norte congestiona inicialmente a Avenida da Saudade, em frente ao CIC. Por vezes, motoristas que tentam furar a fila acabam trancando inclusive a pista à esquerda da Avenida Beira Mar Norte e prejudicam a viagem de quem vai em direção aos bairros Santa Mônica e Córrego Grande ou mesmo o Sul da Ilha.

Com a Avenida da Saudade congestionada, os motoristas começam a procurar vias alternativas, congestionando outras vias como a rua Lauro Linhares ( Trindade); a avenida Madre Benvenuta (Santa Mônica) e a rodovia Admar Gonzaga (Itacorubi).

11 – Alta temporada

Filas de retorno das praias entram noite a dentro na alta temporada na Capital. Foto: Flavio Tin/ND

Alerta máximo na alta temporada, ou seja, a partir de 15 de dezembro. É bem provável que você vai encarar alguma fila ao sair de casa em algum lugar da Ilha. Ou acorde cedo, pois o melhor horário para se dirigir para alguma praia do Leste da Ilha, via Lagoa da Conceição, ou do Norte, via SC-401, costuma ser até 9h30min. Depois disso, se você foi para Praia Mole, Joaquina ou Barra da Lagoa, prepare-se para uma longa romaria pela avenida das Rendeiras, com direito a fila no retorno a partir das 14h, saindo da Praia Mole ou da Praia da Joaquina.

Se o destino tiver sido a Barra da Lagoa, antecipe ainda mais a volta para casa. Caso contrário, o retorno pode durar até cinco horas. O mesmo se pode dizer para as praias do Norte, via SC-401, e para o Sul, via SC-405. Quando o sol brilha na Ilha, todos os caminhos levam às praias e as filas passam a ser obrigatórias, principalmente no retorno.

Saída da UFSC (12h e 18h)

Obras estruturais poderiam resolver alguns problemas da região da Trindade e do Córrego Grande, mas até o momento apenas a duplicação da rua deputado Antônio Edu Vieira está sendo realizada para amenizar o problema. O intenso movimento de saída dos estudantes da UFSC ocasiona congestionamentos nos principais acessos da universidade, então fique distante da região da Trindade e Córrego Grande nos horários de pico.

Chuva

Apesar de cada vez mais rara nos últimos meses, a chuva costuma complicar o trânsito da Capital em diversos pontos. Quando chove, por comodidade, mais pessoas utilizam seus carros particulares em detrimento aos transportes coletivo e alternativo. Além disso, a velocidade média dos veículos é reduzida naturalmente pela cautela dos motoristas, que dobram a atenção diante da pista molhada, ou até pela falta de hábito de dirigir em condições mais perigosas.

Trânsito