A Paixão vivenciada no bairro Vila Nova

A vida e a crucificação de Jesus Cristo emocionam mais de 10 mil fiéis

Carlos Junior

Inácio de Souza Mendonça interpretou Jesus Cristo
Carlos Junior

Emoção na confirmação da morte de Jesus Cristo
Carlos Junior

Segundo a Polícia Militar, mais de dez mil fieis acompanharam a encenação

A emoção foi forte. Após R$ 9 mil investidos na produção, quatro meses de ensaios e cerca de 40 pessoas envolvidas, quase 50% integrantes da mesma família, finalmente chegou a hora de colher os louros. Neste caso, de fazer com que a comunidade refletisse sobre o verdadeiro significado da Páscoa, o sofrimento de Jesus, como comentou o motorista de caminhão Paulo Roberto Linhares, que ontem à noite interpretou Pôncio Pilatos durante a encenação da Paixão de Cristo, dentro e fora da igreja Nossa Senhora Medianeira, no Vila Nova. O público foi superior a 10 mil fiéis, segundo estimativa da Polícia Militar.
Bailarinos da Escola de Dança da Diocese de Joinville subiram ao altar da igreja para dançar entre um ato e outro da narrativa da vida de Jesus, desde os tempos de seu nascimento, passando pela infância até chegar aos milagres por ele realizados, a exemplo do coxo que voltou a andar, do cego que voltou a enxergar, de Lázaro e uma garotinha que ressuscitaram. O ponto alto da encenação foi quando entraram em cena Barrabás, Judas Iscariotes e o profeta Caifás, e Jesus é condenado à morte, mesmo que Pôncio Pilatos não quisesse crucificá-lo, lavando as mãos da sentença exigida pelo profeta.
Jesus Cristo foi interpretado – e muito bem – por Inácio de Souza Mendonça, que na vida real é casado com Marcia Maria Linhares, dona do papel de Maria Madalena na encenação. Mesmo com as vestes de sua personagem, ela comandava os detalhes técnicos da “crucificação” de seu marido no terreno da antiga Arroz Vila Nova.

Ponto alto será neste sábado

Na quinta-feira (5), a mesma Igreja Nossa Senhora Medianeira serviu de palco para a cerimônia do lava-pés, quando Jesus despediu-se de seus discípulos, sabendo que fora traído por Judas Iscariotes e sua hora de morrer estava prestes a ocorrer. Nesta sexta-feira, foi a vez da Paixão de Cristo, que reuniu 2.000 pessoas dentro da igreja e mais de 2.000 pessoas no salão social ao lado, onde as cenas foram transmitidas em quatro telões. Mas o ponto alto da Semana Santa ficou mesmo para este sábado. A partir das 19h, será encenada a ressurreição de Jesus Cristo, com direito a efeitos especiais.
Convidam a comunidade a assistir ao espetáculo Pedro André Antunes, que interpretou o incrédulo apóstolo Tomé, e Rogério do Nascimento, que fez Barrabás e o apóstolo André. Pedro explica que sua atuação irá emocionar o público, pois neste ano o tema foi focado na incredulidade de Tomé. Quando seu personagem percebe as chagas de Jesus, entra em desespero e pede perdão por sua fé fraca. E somente aí acredita que Jesus Cristo realmente era o Senhor dos reis.
O padre Osmar de Oliveira diz que haverá um momento em que Jesus Cristo irá desaparecer do palco, simulando sua subida aos céus. “Depois, ele irá reaparecer no meio da multidão”, diz o padre.

Acesse e receba notícias de Joinville e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Notícias